Cuiabá, Segunda-feira 24/09/2018

Variedades - A | + A

12.04.2018 | 10h32

Rampage - Destruição Total

Facebook Print google plus

Rampage: Destruição Total chega aos cinemas já de antemão marcado. Os filmes baseados em jogos de videogames ainda não tiveram um título que passasse no crivo do público de forma geral. Talvez por isso, o filme se afaste tanto da sua inspiração. De qualquer forma, o filme parece ter falhado e deverá ser mais um na lista de filmes de videogames que derrubam as esperanças dos fãs de um dia ver a indústria apostando nestes como apostam hoje nos super-heróis de quadrinhos.

Brad Peyton, diretor do filme, praticamente não sai do básico. Verdade que suas cenas de ação são entendíveis, o que já é bastante para os dias de hoje, onde as cenas sofrem cortes demais. Mas mesmo seu básico às vezes nem chega a ser mediano na hora de posicionar a câmera. Em um momento do filme, o diretor faz um dos piores usos de uma câmera GoPro que já passou pelas telonas. Tecnicamente, o único destaque do filme ficar para o design de criaturas.

O longa tomou a decisão acertada de não trazer seus personagens ao pé da letra, já que no jogo os monstros são antropomórficos. Assim, as criaturas ficaram mais reais, na medida do possível. A explicação do patógeno foi bem utilizada e isso possibilitou que as criaturas fossem mais do que apenas gigantes. Nesse ponto, o filme parece conseguir fazer com o conceito algo que Jurassic World tentou, mas não foi tão efetivo. Os monstros são incríveis, mas George, o gorila albino, acabou ficando para trás na “monstrificação”, por questões bobas, já que o filme, óbvio como é, deixa bem claro seu aspecto maniqueísta: The Rock é o mocinho, então é um cara legal, que se preocupa com os animais, enquanto um dos personagens que trabalha para o lado mal tem uma cicatriz na cara.

Assim, o filme acaba ficando recheado de clichês, o que inicialmente não incomoda. Nos primeiros minutos, você é preparado para assistir uma divertida e emocionante película de “sessão da tarde”, e o filme funcionaria muito bem dessa forma. O problema começa no segundo ato, quando o longa resolve se levar a sério demais. Dentro de sua direção básica, o filme fica chato e se perde na sua obviedade de piadas batidas de um roteiro que só quer se sustentar em cima do carisma do protagonista, que acaba por ser insuficiente.

Seria injusto culpar os atores por suas más atuações. Não são ruins, mas são mal dirigidas. Nitidamente Joe Manganiello, Jake Lacy e Malin Akerman fizeram o que lhes foi pedido, o que teria sido suficiente se o filme ficasse dentro da brincadeira que se propôs no primeiro ato. Além disso, a trama que envolve seus personagens, principalmente os dois últimos, é simplesmente estúpida. Quem assiste a série The Walking Dead, no momento em que Jeffrey Dean Morgan aparece na tela, pensará na hora em Negan. Seria totalmente plausível imaginar que lhe foi pedido para reprisar a atuação que este vem fazendo na série. Dwayne “The Rock” Johnson, o protagonista, dessa vez não consegue segurar o papel somente com seu carisma, mas muito disso é culpa do roteiro. Com as habituais frases de efeito dos filmes de ação, o filme nem precisaria apresentar esses personagens, já que o público está cansado de vê-los por aí.

A trama é previsível o tempo todo. Não seria um problema se o filme tivesse apostado mais nas piadas que tiram sarro justamente desse fato. O melhor do humor do filme consiste em momentos em que os personagens quase quebram a quarta parede na intenção de comentar o absurdo do que está acontecendo na tela. Isso só começa a aparecer com o timing correto no terceiro ato, onde o filme volta a acertar na sua tentativa de não se levar a sério. O jogo no qual foi inspirado, Rampage World Tour, de 1997, não tem cerimônia: Você controla os gigantes George (um gorila), Ralph (um lobo) ou Lizzie (um réptil) e sai quebrando tudo por aí. Ao tentar acrescentar algo mais para a história e desfocar da simplicidade que o roteiro exigiria, o filme peca e pode decepcionar os fãs do game. As cenas de ação que mais lembram o game são divertidas, mas rápidas e poucas. Outra falha do filme é o 3D, que só se destaca em cenas desnecessárias, enquanto durante a ação você poderá até esquecer que está de óculos.

Com um segundo ato longo demais, e um primeiro ato razoável, o filme demora demais para acertar e deixa a impressão de que poderia ser melhor do que foi, apesar de ter um gostinho de satisfação em seu final, quando a ação e o humor finalmente engrenam. O filme deve servir como entretenimento para aqueles que querem ver algumas explosões injustificáveis, cenas de ação desconexas e ocasionalmente uma piada acertada, mas ainda assim pode ser um pouco maçante.

 

Voltar Imprimir

Comentários

Enquete

Qual sua opinião sobre os aplicativos para denúncias de infrações eleitorais?

Parcial

Edição digital

Segunda-feira, 24/09/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21.400 -0.470

Algodão R$ 119.490 0.130

Boi a Vista R$ 128.250 -0.580

Soja Disponível R$ 79.000 -1.250

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

Enquete

Que importância tem o candidato a vice?

Parcial

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.