Cuiabá, Quarta-feira 19/09/2018

Polícia - A | + A

09.07.2017 | 12h31

Barão do tráfico tinha US$ 3,4 milhões em casa para sustentar família em caso de prisão

Facebook Print google plus

Luiz Carlos da Rocha, o ‘Cabeça Branca’ admitiu em depoimento à Polícia Federal (PF) ser dono de todos os itens encontrados na residência de Osasco, “especialmente a grande quantia em dinheiro de US$ 3,4 milhões, que “em qualquer situação que ele pudesse ser preso, aquela quantia em dinheiro seria utilizada para o sustento da família e arcar com custos de advogado”, disse. Além do dinheiro vivo, havia 26 garrafas de vinhos, incluindo o celebrado Château Petrus, avaliado em mais de US$ 10 mil a garrafa.

PF/PR

De acordo com a revista Época, Cabeça Branca disse ainda à PF que a cocaína que vendia era produzida na Bolívia. Disse que mandava seus comparsas esconderem a droga em fazendas em Mato Grosso e, posteriormente, em depósitos em Cotia e Embu das Artes, na Grande São Paulo. Falou por seis horas ao delegado responsável pela operação, Elvis Aparecido, na Superintendência da PF em Curitiba, sem a presença de seu advogado, que não foi localizado no dia.

No depoimento, o traficante preservou os nomes do PCC e do CV, organizações que os investigadores já sabem que eram abastecidas por ele. Afirmou que só responderia a questões “relacionadas a fatos sobre sua pessoa”. De acordo com as investigações, Cabeça Branca era o responsável pela entrada no Brasil de cerca de 5 toneladas de cocaína por mês para abastecer as facções. Parte da droga era enviada ao exterior, via Porto de Santos. Para a PF, a quadrilha de Cabeça Branca tem tentáculos no Paraguai, Bolívia, Panamá, Estados Unidos, Itália, Espanha, Oriente Médio, África e Rússia.

Além do nome Vitor Moraes, Cabeça Branca usava o pseudônimo Luiz Henrique, pelo qual era conhecido na casa em Osasco. Sobre os documentos que conseguiu forjar, o traficante contou que tudo foi feito na Praça da Sé, no centro de São Paulo. Disse que não saberia identificar quem os falsificou. “A exigência do interrogado era para que fossem fornecidos documentos ‘quentes’ e a gama completa de documentos, por exemplo, RG, CPF e até mesmo passaporte”, diz o depoimento.

Em relação à CNH, afirmou que ela foi feita “oficialmente” pelo Detran após ele mesmo levar a documentação falsa no órgão, que não percebeu as fraudes. Por razões de segurança, Cabeça Branca foi transferido para a Penitenciária Federal de Catanduvas, no Paraná, uma unidade de segurança máxima.

Só Notícias

Mala com dólares foi encontrada na casa do traficante

Conforme Só Notícias já informou, Luiz Carlos da Rocha foi preso pela Polícia Federal, no último sábado (3), em Sorriso. Ele era considerado o "traficante número 01" procurado pela Polícia Federal, há mais de 30 anos. A PF confirmou que "foram montadas diversas equipes em vários Estados e no exterior e fomos cercando" "até chegar as residências onde ele tinha maior frequência, em Sorriso e Osasco (onde usava para se encontrar com traficantes e comparsas). Em Sorriso, não fazia nada de ilícito. Ele tinha vida social normal", explica o delegado Elvis Secco. Luiz Carlos usava CNH e outros documentos falsos. "Um dos nomes que usava não possuía antecedentes". "Ele vivia em Sorriso como grande agropecuarista, com a esposa e um filho" e "já estava vivendo na região há muito tempo", acrescenta o delegado, onde plantava soja e criava gado. A polícia suspeitava que ele estava vivendo no Paraguai mas após anos investigando também comparsas e familiares conseguiu descobri-lo em Sorriso.

Como Luiz Carlos fez algumas cirurgias plásticas, a PF teve um minucioso trabalho para constatar que era a pessoa procurada. "É uma situação parecida com filme. Não tinha como cruzar com ele em barreira policial e ele ser identificado (devido as plásticas que fez) porque também usava identidade falsa", explicou o delegado. "Ele é o traficante de número 01 procurado pela PF e tem mais importância que Fernandinho Beira Mar e Juan Carlos Abadia".

Reprodução / Jornal da Record

Evolução da aparência de traficante após cirurgias plásticas

"Ele vivia nas sombras, oculto, usando nome falso e nunca foi preso e por isso era uma lenda. Fizemos uma operação minuciosa e muito detalhada", investigando "comparsas na Europa e Estados Unidos", afirmou. O delegado apontou ainda que Luiz Carlos "era considerado embaixador do tráfico, tinha bom relacionamento com todos. Não tinha no seu modus operandi a violência como prática, mas sim os contatos e a negociação. Por isso teve essa longevidade no tráfico de drogas devido ao fato de ter compatibilidade com todas as facções" "porque não entrava em confronto com nenhuma. Ele possuía uma estrutura absurda... Paraguai, Bolívia, Colômbia, Peru, Panamá... ele tinha uma força absurda no tráfico de drogas", acrescentou.

A Polícia Federal confirmou que "ele usava modal aéreo para transportar drogas da Bolívia, Peri e Colômbia" e" e "desciam para fazendas no Mato Grosso e dali eram levadas de caminhões para São Paulo (Araraquara e Cotia)" com destinos seguintes para São Paulo, Rio de Janeiro e no exterior. "A estimativa é que ele colocava mensalmente no solo brasileiro ou exportação em média de 3 a 5 toneladas/mês", acrescentou o delegado Elvis.

Durante a operação foram apreendidos 1,5 tonelada de drogas em fundos falsos de duas carretas em Mato Grosso (uma delas em Nova Mutum) e em um depósito em São Paulo.

 

Voltar Imprimir

Comentários

Enquete

Você sabe o que é o voto útil?

Parcial

Edição digital

Quarta-feira, 19/09/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22.750 0.660

Algodão R$ 119.380 -0.230

Boi a Vista R$ 126.220 -0.320

Soja Disponível R$ 78.000 -1.890

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.