Cuiabá, Quinta-feira 20/09/2018

Mundo - A | + A

13.03.2018 | 09h20

Acidentes aéreos em 2018 já mataram mais do que em 2017

Facebook Print google plus

Acidentes aéreos ocorridos nos três primeiros meses de 2018 já mataram mais pessoas do que em todo o ano passado. Apenas a queda de dois aviões comerciais registradas no último mês — uma na Rússia e outra no Nepal — deixou pelo menos 121 vítimas fatais. Em 2017, considerado o ano mais seguro da aviação no mundo todo segundo a organização holandesa Aviation Safety Network (ASN), apenas 79 pessoas morreram.

O avião que caiu no Nepal na manhã desta segunda-feira (12), deixou pelo menos 50 mortos, segundo autoridades do país.

Este foi o segundo grande acidente de aeronaves comerciais que aconteceu neste ano. O primeiro foi outro avião que caiu na Rússia, vitimando 71 pessoas em fevereiro.

Os dois acidentes envolvem aviões comerciais, ou seja, de transporte regular de passageiros. Em 2017, nenhum incidente foi registrado neste setor da aviação.

Segundo o consultor aeronáutico, Jorge Barros, a segurança adquirida na aviação comercial ao longo dos últimos anos não é motivada pelo acaso e sim por um trabalho árduo de prevenção.

— Os acidentes voltam a acontecer se a gente não cuidar da nossa parte, que é cuidar da fabricação, da manutenção e da operação correta dos aviões.

Barros ressalta que outra parte muito importante na prevenção de acidentes cabe às agências reguladoras do setor. Ele afirma que algumas vezes as agência governamentais têm uma “tolerância exagerada” com os erros cometidos pelas empresas aéreas e que isso pode acabar causando outros acidentes.

Apesar disso, Barros garante que a aviação continua sendo tão segura quanto no ano passado e que alguns acidentes acabam acontecendo por fatores que não podem ser controlados, como por exemplo, um ataque terrorista.

Até agora, no entanto, nenhum grupo terrorista se apresentou como responsável pela queda dos dois aviões em 2018.

Quando um avião cai outros caem em seguida?

O especialista em aviação, Jorge Barros, afirmou que a impressão que muitas pessoas têm de que quando um avião cai, outros acidentes começam a acontecer na sequência é falsa.

— Isso é senso comum. É mais ligada à percepção do indivíduo do que à realidade. E à imprensa também.

Barros explica que muitas vezes pequenos acidentes acontecem e não são noticiados, mas quando um grande acidente ocorre, esses outros começam a ser publicados dando mais força a essa sensação.

— Isso impacta no cidadão de uma maneira muito forte porque ele passa a pensar que realmente está tudo caindo. Mas se você imaginar que no mundo todo tem cerca de 60 mil aviões voando 24 horas por dia, 365 dias por ano e muitos poucos caem, então é muito avião. De modo que quando um avião cai, estatisticamente falando é muito pouco.

 

Voltar Imprimir

Comentários

Enquete

O que você acha da imunidade eleitoral, que proíbe a prisão de candidatos e eleitores?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 20/09/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21.300 -2.740

Algodão R$ 117.240 -0.230

Boi a Vista R$ 130.630 0.120

Soja Disponível R$ 75.050 -0.660

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.