Cuiabá, Terça-feira 18/09/2018

Judiciário - A | + A

22.06.2018 | 07h35

Índias suspeitas de enterrar bebê vivo vão usar tornozeleiras

Facebook Print google plus

As índias Kutsamin Kamayura, 57, e Tapoalu Kamayura, 33, terão que usar tornozeleira eletrônica e correm o risco de perder o direito à prisão especial. A decisão é do juiz de Canarana, Darwin de Souza Pontes, e foi tomada após receber informações que as duas foram levadas para uma aldeia e não para uma unidade da Fundação Nacional dos Índios (Funai) ao deixarem a prisão. A unidade indicada estaria, inclusive, desativada.

Divulgação

As duas são acusadas de tentar matar a recém-nascida Analu Paluni Kamayura Trumai, enterrada viva no fundo do quintal da família em Canarana (823 km ao leste de Cuiabá). O crime ocorreu no dia 5 deste mês e, segundo as investigações, foi premeditado. Analu é filha de uma adolescente índia de 15 anos solteira com um índio de outra etnia.

As duas índias, bisavó (Kutsamin) e avó (Tapoalu) de Analu foram presas em cadeia pública. Logo após, atendendo pedido do Ministério Público Federal (MPF), o juiz determinou que elas fossem transferidas para a sede da Funai em Gaúcha do Norte.

No entanto, na decisão de quinta-feira (20), o magistrado enfatiza que a informação repassada por policiais é a de que a Fundação não está operando no município para onde as acusadas foram levadas. Kutsamin e Tapoalu teriam sido levadas à aldeia em Gaúcha do Norte. “A premissa postulada, se revelou, em princípio, falsa, e, se não há a sede, a medida não pode ser cumprida da forma em que apresentada postulada pela Funai”, destacou o magistrado.

O juiz determinou que avó e bisavó sejam transferidas para a sede da administrativa da Funai em Canarana em 3 dias, além da colocação da tornozeleira eletrônica para “facilitar a fiscalização do cumprimento da prisão administrativa que restou inviabilizada”.

O magistrado frisou ainda que a polícia faça visitas periódicas ao local de transferência das índias no sentido de verificar se a medida vem sendo cumprida. “Em caso de não cooperação da Funai no presente caso, voltem-me conclusos para medidas cabíveis, inclusive para revogação da prisão especial”, finaliza.

Voltar Imprimir

Comentários

Edição digital

Terça-feira, 18/09/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21.300 -2.740

Algodão R$ 117.270 1.060

Boi a Vista R$ 131.330 -0.510

Soja Disponível R$ 70.800 -0.700

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.