Cuiabá, Segunda-feira 22/10/2018

Judiciário - A | + A

14.05.2018 | 10h22

Empresário José Kobori confirma amizade, mas nega propina a irmãos Taques

Facebook Print google plus

O empresário José Kobori, ex-diretor da EIG Mercados, negou ter pago propina aos irmãos Pedro Zamar Taques e Paulo Taques, ex-secretário de Casa Civil de Mato Grosso. A informação consta em depoimento prestado ao Ministério Público de Mato Grosso na última sexta-feira (11), em decorrência da Operação Bônus, que investiga fraudes em contratos milionários do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT.

João Vieira

“O interrogando [José Kobori] já prestou os esclarecimentos a respeito desses fatos, reforçando que jamais houve qualquer pagamento de vantagens indevidas a pedido de Pedro Zamar Taques ou Paulo Taques”, afirma trecho do depoimento divulgado pelo site Midia News.

Kobori foi questionado sobre as afirmações dos empresários José Ferreira Neto e José Henrique Gonçalves, sócios da EIG Mercados Ltda que o apontaram como responsável pelo recolhimento da propina. O interrogando salientou que possui amizade com os investigados, defendendo, porém, a índole de ambos.

“O interrogando confirma ter vínculo pessoal com os irmãoes: Pedro Zamar Taques e Paulo Taques, contudo mantém maior proximidade com Pedro Zamar Taques; Que Confirma Também ter comentado com José Neto Sobre essa amizade que mantinha com Pedro Zamar e Paulo Taques, e que por isso, comentou com José Neto que não haveria mais cobrança de propina por parte do estado de Mato Grosso, já que conhece a índole da família e tinha certeza dessa afirmação”.

Chico Ferreira

Investigações demonstram que José Kobori seria o elo entre os irmãos Taques e a organização criminosa atuante no Detran. Para dar aparente legalidade, um contrato de serviços advocatícios chegou a ser firmando no dia 6 de outubro de 2014, dia seguinte às eleições gerais de 2014, quando José Pedro Taques (PSDB), primo de Paulo Taques, foi eleito governador.

Conforme interpretação do Ministério Público, o contrato era apenas uma forma de garantir o pagamento de propina a Paulo Taques em troca da garantia da manutenção do esquema durante o novo governo. Mais de R$ 30 milhões foram pagos em propina aos investigados na 2ª fase da Operação Bereré.

De acordo com o Ministério Público a organização criminosa era formada por 40 pessoas, entre elas, políticos, funcionários públicos e empresários que se utilizavam do contrato da empresa EIG Mercados Ltda junto ao Detran para lavagem de dinheiro e recebimento de propina.

Segundo o MPE, a organização era composta por 3 núcleos autônomos: Liderança, Operações e Subalterno.

Estão presos em consequência da operação: Pedro Zamar Taques, Paulo Taques e José Kobori, o deputado estadual Mauro Savi (DEM), e os empresários Roque Anildo Reinheimer e Claudemir Pereira dos Santos, vulgo “Grilo”. 

Voltar Imprimir

Comentários

GD

GD

Enquete

Qual sua opinião sobre a influência das redes sociais e WhatsApp nessas eleições?

Parcial

Edição digital

Segunda-feira, 22/10/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 23,00 0,00%

Algodão R$ 96,85 -0,19%

Boi a Vista R$ 136,75 -0,91%

Soja Disponível R$ 74,00 -0,67%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.