Cuiabá, Domingo 23/09/2018

Judiciário - A | + A

09.03.2018 | 17h01

Defesas de militares processados por grampos agem de má-fé, diz promotor

Facebook Print google plus

O promotor Milton Pereira Merquiades criticou a insistência dos militares acusados das interceptações telefônicas clandestinas, operado em Mato Grosso, em atribuir a responsabilidade do crime ao sistema de vigilância “Guardião”, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado (MPE).

A crítica ocorreu durante o julgamento da ação penal sobre o caso, na manhã desta sexta-feira (9). Na ocasião, a defesa do cabo Gerson Corrêa Júnior, um dos réus no processo criminal aberto contra 5 policiais militares, afirmou que as escutas passaram pelo Gaeco.

João Vieira

Promotor Milton Pereira Merquiades 

Além disso, o próprio ex-secretário de Segurança Pública, Rogers Jarbas, afastou da PM e do governador Pedro Taques a responsabilidade sobre as interceptações.

Leia mais - Ex- secretário Rogers Jarbas incrimina delegados por grampos

Para o promotor, no entanto, a defesa faz uma tentativa de “jogar a culpa” para o sistema de interceptações telefônicas sob a responsabilidade do Ministério Público do Estado, conhecido como “Guardião”, por mera “má-fé”.

“A informação que eu tenho da coordenação do Gaeco é que essas escutas não passaram pelo Gaeco. Se elas não passaram, qualquer tentativa de envolver o Guardião do Gaeco nisso é mera má-fé, ou estratégia da defesa. A estratégia a gente combate no processo”, disse.

Tentativas nesse sentido, segundo o promotor, são somente para “tumultuar” o processo que apura a existência de intercepções ilegais que teriam vitimado centenas de pessoas, entre políticos, empresários, jornalistas e um desembargador aposentado.

São réus no processo os coronéis Zaqueu Barbosa, Evandro Alexandre Ferraz Lesco e Ronelson Jorge de Barros, além do tenente-coronel Januário Antônio Batista e o cabo Gerson Luiz Ferreira Corrêa Júnior.

“Qualquer tentativa nesse sentido é para tumultuar o processo, porque, se não passaram pelo Guardião, qual a importância de estar se questionando o Guardião neste momento?”, reforçou.

O promotor destacou ainda que a defesa comentou até sobre a possibilidade de realizar perícia no sistema, para verificar se as interceptações passaram ou não pelo Guardião. Para ele, tal sugestão é acreditar que a promotoria é “fantoche”.

“Advogado ficou nervoso. Achou que eu ia ser fantoche porque estou aqui no primeiro dia. Mas a gente estuda. A gente sabe. Mas tudo jogo de cena. Esse processo da grampolândia, vocês acompanharam, todo o dia o governador o dava versão diferente para tirar o foco de cima dele. Conseguiu por um tempo, mas não conseguiu mais”, afirmou.
 

Voltar Imprimir

Comentários

Enquete

Qual sua opinião sobre os aplicativos para denúncias de infrações eleitorais?

Parcial

Edição digital

Domingo, 23/09/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 23.550 -1.880

Algodão R$ 117.650 -0.220

Boi a Vista R$ 128.250 -0.580

Soja Disponível R$ 69.500 -0.710

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

Enquete

Que importância tem o candidato a vice?

Parcial

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.