Cuiabá, Terça-feira 23/10/2018

Judiciário - A | + A

08.01.2018 | 09h36

Cliente receberá R$ 15 mil por recusa de cirurgia bariátrica de seguradora

Facebook Print google plus

A Primeira Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso acolheu recurso de cliente que teve negado o direito de cobertura de seguro para cirurgia bariátrica e condenou as empresas Casas Pernambucanas e Assurant Seguradora S.A ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 15 mil reais.

Na petição inicial, a apelante expôs que comprou um aparelho celular em uma das lojas das Casas Pernambucanas e, na fatura, sem o seu conhecimento e consentimento, a vendedora incluiu um “seguro por doença e internação hospitalar”.

Divulgação

A cliente alegou que somente tomou conhecimento da contratação do seguro após revisar suas contas mensais, e que, como coincidentemente já havia agendado uma cirurgia bariátrica, “resolveu fazer uso de tal benefício”. Porém teve negado o pedido de pagamento pela Assurant Seguradora, que argumentou que o “seguro não cobria cirurgias para tratamento de obesidade, estético ou obesidade mórbida”.

A autora da apelação negou que o tratamento fosse estético ou para obesidade e, segundo os atestados apresentados, subscritos por uma médica especialista em reumatologia, a apelante é portadora das patologias de fibromialgia e lombalgia, e foi por isso que ela pretendia se tratar sob a cobertura do contrato, e não obesidade propriamente dita, inexistindo prova nos autos de que aquelas patologias tiveram origem na obesidade.

O relator do processo, desembargador João Ferreira Filho, em seu voto, discorreu sobre a previsão contratual de exclusão de cobertura securitária para tratamento de obesidade. “Portanto, a negativa de cobertura contratual é injustificável e não encontra amparo legal ou contratual, justamente porque a cirurgia bariátrica não foi direcionada para tratar a obesidade da autora/apelante, ou torná-la mais bela do que já é (estética), mas sim para o tratamento de ‘fibromialgia e lombalgia’; nesse ponto, não é demais registrar que é o médico que mantém contato direto com o paciente, a pessoa que tem plenas condições de prescrever qual o tratamento adequado e recomendado para o quadro patológico apresentado pelo paciente.”

O voto do relator também cita o entendimento sobre a indenização, neste caso. “No tocante ao dano moral, a indevida negativa de realização da cirurgia configura ato ilícito passível de ressarcimento. O sofrimento físico e psicológico causado pela recusa caprichosa é tão patente quanto injustificável”, destacou.

Participaram também da votação unânime da câmara julgadora o desembargador Sebastião Barbosa Farias e a desembargadora Clarice Claudino da Silva.

Confira AQUI o acórdão da apelação nº 18564/2017, originária da Comarca de Rondonópolis. 

Voltar Imprimir

Comentários

GD

GD

Enquete

Qual sua opinião sobre a influência das redes sociais e WhatsApp nessas eleições?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 23/10/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,45 0,23%

Algodão R$ 118,58 -0,22%

Boi a Vista R$ 135,40 0,93%

Soja Disponível R$ 69,90 -0,85%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.