Inquérito investiga morte de bebê na UPA Morada do Ouro | Gazeta Digital

Quarta, 11 de julho de 2018, 07h36

Inquérito investiga morte de bebê na UPA Morada do Ouro

Silvana Ribas, repórter de A Gazeta


Suspeita de negligência, imperícia ou imprudência em atendimento médico a Marília Nascimento Mota, de 1 ano e 5 meses, resulta em abertura de inquérito policial. Segundo a delegada Jannira Laranjeira Siqueira Campos, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que fez a liberação do corpo, com base nas declarações do prontuário médico ela entendeu que pode ter havido culpa na morte (homicídio culposo).

Reprodução

O caso será investigado pela Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Dedica). As causas da morte da menina, que teve 10 paradas cardiorrespiratórias na tarde do dia 5 deste mês, devem ser esclarecidas com os resultados dos exames de necropsia feitos no Instituto de Medicina Legal (IML).

Leia também - CRM vai processar médicos que cobrarem por ozonioterapia em MT

A criança foi atendida na unidade de saúde do bairro e encaminhada à Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da Morada do Ouro após apresentar quadro convulsivo na creche. Em relatório encaminhado pela equipe médica da UPA à DHPP, o enfermeiro O.B.S. faz um relato dos procedimentos adotados pela equipe médica. Aponta que a criança não sobreviveu aos procedimentos de reanimação, após sofrer 10 paradas cardiorrespiratórias.

O óbito ocorreu às 16h40, cerca de 2 horas depois da paciente dar entrada na unidade. Aponta que um dos problemas enfrentados pela equipe médica foi o fato do equipamento destinado à ventilação não possuir suporte para atendimento infantil. A paciente morreu no momento que era preparada a ambulância para encaminhá-la para outra unidade.

Filha saudável

Apesar da dor intensa pela perda da pequena Marília, a família quer saber qual foi a causa da morte da menina, deixada saudável na creche municipal, por volta das 6h40 da manhã de quinta-feira (5). A mãe L.S.N., 26, acompanhou de perto as duas últimas horas de vida e sofrimento da filha caçula e não quer que paire nenhuma dúvida sobre o que aconteceu naquela tarde, mesmo sabendo que não terá a filha novamente. Segundo ela, ao contrário do que teria sido divulgado, a filha caçula não estava febril ao ser deixada na creche, pela manhã.

A filha havia faltado dias anteriores porque a irmã mais velha, com 3 anos, e uma prima, de pouco mais de um ano, estavam com diarreia e por isso não estavam indo à creche. Então, a mãe decidiu manter Marília em casa com a irmã. Mas como estava bem e temendo perder a vaga na unidade, levou ela. Por volta das 14h recebeu a ligação da professora dizendo que Marília estava com febre alta.

A professora ministrou Dipirona e pediu para a mãe ir buscá-la. Relato da professora foi de que após o momento do descanso do almoço, enquanto as outras crianças se levantaram dos colchões, Marília ficou deitada, quando a professora percebeu a febre alta. Fato chamou atenção por ela ser muito ativa.

Logo depois a mãe recebeu o segundo telefonema, quando soube que Marília começou a convulsionar e que a professora tinha levado a criança para o posto de saúde, ao lado da escola.

A mãe chegou com familiares e encontrou a professora desesperada, pois o médico da unidade não tinha atendido a menina e a equipe de enfermeiros disse que ela teria que ser levada para a UPA. Então, a menina foi colocada no carro da família e seguiu com a mãe e professora para a UPA. Antes das 14h30 eles já estavam no local. Um dos motivos alegados para a demora na transferência da UPA foi o fato de que não estabilizaram as convulsões.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sexta, 29 de junho de 2018

10:00 - Homem é internado em UTI após passar dois meses com gaze na barriga

Sexta, 23 de março de 2018

18:46 - Após denúncias, CRM abre sindicância contra médico acusado de erros

Quinta, 22 de março de 2018

18:13 - Médico 'açougueiro' é demitido após denúncias de pacientes em MT

Quarta, 21 de março de 2018

17:41 - Recém-nascida tem clavícula quebrada durante parto e mãe denuncia médico

15:35 - Pacientes denunciam erros, chamam médico de 'açougueiro' e pedem providências

Terça, 26 de setembro de 2017

09:35 - Médico que operou cuiabana na Bolívia diz que ela não informou uso de medicamentos

08:30 - Morte de cuiabana na Bolívia alerta sobre grupos de 'bonde da beleza'

Segunda, 25 de setembro de 2017

11:16 - 'Faxineira' cuiabana vai fazer 'lipo' na Bolívia e volta morta

Segunda, 04 de setembro de 2017

17:31 - Polícia Civil indicia médico por morte de recém-nascido em Cáceres

Quinta, 24 de agosto de 2017

10:30 - Família de jovem morta quer cassação da licença de médico-cirurgião


// leia também

Quarta, 18 de julho de 2018

14:15 - CRM interdita programa Plástica Para todos e proíbe cirurgias em MT

09:45 - Emocionados, familiares e amigos dão adeus a bancária que morreu após cirurgia

08:30 - Pacientes desistiram de cirurgia ao saber que seriam operadas em apartamento

07:15 - Interessados dormem em fila gigante para o Residencial Nico Baracat

07:00 - É um pesadelo que não tem fim, diz filho de bancária morta após procedimento

Terça, 17 de julho de 2018

19:00 - Namorada do 'Dr. Bumbum' nega ter participado de cirurgia em cuiabana - veja vídeo

17:40 - Bancária conversava com médico há 6 meses e pretendia colocar 'chip'

16:14 - Bancária sofreu 4 paradas cardiorrespiratórias em hospital após cirurgia

11:25 - Câmeras mostram bancária em hospital antes de morrer - confira o vídeo

10:20 - 40 hectares de milho são destruídos por fogo em propriedade rural de MT


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 18/07/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 18/07/2018
93ae6ae9690a2b7358a5399642de1263 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual sua opinião sobre o recesso dos parlamentares no mês de julho?




Logo_classifacil









Loja Virtual