Empresa de ônibus condenada por descumprir legislação trabalhista | Gazeta Digital

Quarta, 17 de maio de 2017, 17h25

Pantanal Transportes

Empresa de ônibus condenada por descumprir legislação trabalhista

Redação do GD


Empresa de transporte coletivo é denunciada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT/MT) por submeter motoristas a jornadas de 22 horas de trabalho ininterruptas e em alguns casos obrigar motoritas a trabalharem até 28 domingos, ou seja, por mais de seis meses, sem gozar sequer de uma folga, e sem qualquer escala de revezamento.

Em razão das denúncias, o MPT obteve liminar contra a Pantanal Transportes Urbanos Ltda., que atua como concessionária do transporte coletivo de Cuiabá. A empresa, que possui atualmente 636 empregados, já foi autuada por diversas irregularidades trabalhistas.

Entre os problemas apontados tanto pelo MPT quanto pela Superintendência Regional de Trabalho e Emprego de Mato Grosso (SRTE-MT) estão a não concessão de intervalo interjornada e de descanso semanal remunerado, a não disponibilização de locais adequados para descanso e refeição, a prorrogação da jornada diária além do limite legal de duas horas e a ausência de escala de revezamento para trabalho aos domingos.

Foram constatadas também irregularidades relativas à má conservação dos banheiros e insuficiência de materiais básicos para higiene das mãos.

Na decisão do dia 28 de abril, o juiz Paulo Roberto Brescovici exige que a transportadora cumpra imediatamente, sob pena de multa de R$ 5 mil ou de R$ 40 mil (o valor dependerá da quantidade de trabalhadores prejudicados e das cláusulas desrespeitadas), mais de 20 obrigações de fazer e não fazer.

"Verifico que a tutela deve ser deferida, porquanto a pretensão funda-se em comando legal e normas de segurança e proteção ao meio ambiente de trabalho, não sendo razoável admitir o seu descumprimento, na medida em que de fato causa danos irreparáveis à saúde (incolumidade física e mental) dos trabalhadores do segmento profissional abrangido pelas atividades da parte requerida", afirmou o magistrado.

Marcus Vaillant/Arquivo

MPT também pediu à Justiça indenização por danos morais coletivos de R$ 2 milhões. 

O MPT também pediu à Justiça a condenação da Pantanal Transportes ao pagamento de indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 2 milhões.

Irregularidades - A SRTE-MT enviou ao MPT dois relatórios de ações de fiscalização empreendidas na empresa nos anos de 2015 e 2016. Ambos apontaram inconformidades no meio ambiente do trabalho e descumprimento da legislação trabalhista. Somente na fiscalização realizada no ano passado, 20 autos de infração foram lavrados pelos auditores fiscais.

Os documentos provam que a empresa impôs aos funcionários jornada extraordinária superior às duas horas diárias permitidas pela lei, sem que qualquer justificativa legal fosse apresentada às autoridades competentes. Há registros de empregados que trabalharam até 22 horas seguidas.

Houve, ainda, casos de motoristas que laboraram até 28 domingos, ou seja, por mais de seis meses, sem gozar sequer de uma folga, e sem que integrassem qualquer escala de revezamento. Em alguns relatos, os empregados tiveram o tempo de descanso entre duas jornadas de trabalho - que deve ser de, pelo menos, 11 horas consecutivas - reduzido ilegalmente, várias vezes, para apenas sete horas.

O procurador do trabalhado André Canuto explica que as normas referentes à jornada laboral são imperativas, especialmente por se relacionarem à segurança e saúde dos trabalhadores. "Se, nessa matéria, o que está em jogo é a proteção da vida, da saúde e da integridade física dos empregados, a transgressão dessas normas traduz séria e indesculpável ofensa à dignidade da pessoa humana e ao valor social do trabalho (fundamentos do Estado brasileiro). Além disso, revela desapreço a dois princípios norteadores da ordem econômica nacional: (1) função social da propriedade e (2) defesa do meio ambiente", pontua.

Segundo o procurador, o trabalho seguro é uma obrigação de todo empregador, independentemente do seu porte, "porque corresponde a direitos fundamentais de que é titular cada trabalhador individualmente considerado e, concomitantemente, toda a coletividade de trabalhadores exposta a risco. Nesse contexto, nunca é demais ressaltar que é do empregador a obrigação - dever legal - de adotar todas as medidas cabíveis para neutralizar ou diminuir os riscos de acidentes e doenças decorrentes do exercício do labor, seja por meio de fornecimento de equipamento de proteção individual (EPI), seja pela implantação de programas de proteção coletiva (EPC)". 

Outro lado - Em nota, a assessoria jurídica informa que no tocante às alegações constantes da ação movida pelo MPT, a Pantanal Transportes já realizou todas as adequações apontadas, mesmo porque o Ministério do Trabalho já havia requerido mencionadas providências em fiscalizações realizadas anteriormente, o que será provado durante a instrução processual.

A Empresa repudia as alegações descabidas que lhe são imputadas, reafirmando nesta oportunidade seu compromisso social, zelo pela aplicação da função social da empresa, destacando ainda que sempre forneceu condições dignas de trabalho a seus empregados. Reafirma ainda seu compromisso social, estando de portas abertas ao Egrégio Ministério Público do Trabalho, bem como para quaisquer órgãos fiscalizadores. Lamenta ainda que seu nome esteja envolvido em denúncias que considera desmedidas.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Domingo, 20 de agosto de 2017

12:19 - Terminal do CPA 3 passa a funcionar sem catraca a partir de 28 de agosto

Segunda, 07 de agosto de 2017

20:23 - Passageiros flagram prefeito dentro de busão

Quarta, 02 de agosto de 2017

17:15 - Prefeitura inaugura 4ª linha expressa do transporte coletivo nesta quinta

Terça, 04 de julho de 2017

12:58 - 'Motorista querida' ganha bolo de passageiros

10:26 - MPE aciona Justiça para barrar aumento do transporte intermunicipal

Sexta, 02 de junho de 2017

11:08 - Motoristas de coletivos ameaçam fazer greve

Terça, 30 de maio de 2017

16:00 - Emanuel prorroga suspensão da licitação do transporte coletivo

Terça, 23 de maio de 2017

19:22 - Empresa Pantanal Transportes deverá indenizar passageira presa em porta

Sexta, 05 de maio de 2017

15:56 - Tarifa de coletivo intermunicipal sobe para R$ 4

Sexta, 28 de abril de 2017

14:25 - Passagem de ônibus custará metade em feriados


// leia também

Terça, 22 de agosto de 2017

18:57 - Deletran investiga acidente envolvendo corolla com 1 morto e 4 feridos

18:50 - Ação para zerar fila de cirurgias de 4 especialidades começa em setembro

18:19 - Deputado Wagner Ramos envolve-se em acidente em Jangada

17:26 - IFMT denuncia falta de adequações na BR 364 e risco a estudantes

17:17 - Professores de Cuiabá se recusam a cumprir programa 'hora estendida'

15:19 - UFMT divulga gabaritos e prazo para recursos do concurso do DAE/VG

15:06 - Mais de 250 mil pessoas se inscreveram em concurso da Seduc

14:59 - Pró-família chega a Várzea Grande e em outros 18 municípios

Segunda, 21 de agosto de 2017

15:50 - Justiça retira outros 2 netos de avó faxineira; ela faz apelo a juiz

14:42 - Prefeitura assina convênio para retomada da obra de 443 casas


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 23/08/2017
 

Sebrae

Facebook Instagram
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 23/08/2017
0446cf4ffe0e95d04466fff4f91e1038 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Velocidade e embriaguez ao volante são os dois principais causadores de mortes no trânsito.




Logo_classifacil









Loja Virtual