Mais de 40 mil famílias estão envolvidas em conflitos agrários em MT, diz CPT | Gazeta Digital

Terça, 25 de abril de 2017, 12h03

Mais de 40 mil famílias estão envolvidas em conflitos agrários em MT, diz CPT

Keka Werneck, repórter do GD


Chico Ferreira/Arquivo

Pistoleiros afetaram 272 famílias que vivem em Mato Grosso em 2016.

Ao todo, 40.028 estão envolvidas em conflitos agrários violentos.

São mulheres, homens e crianças que receberam e muitas delas ainda recebem ameaças na rotina, em áreas rurais, correndo risco de serem executados a exemplo do que aconteceu na última quarta-feira (19), em Colniza (1.065 Km a Noroeste de Cuiabá).

Em Colniza, nove homens foram mortos na chacina. A perícia verificou que alguns dos corpos estavam amarrados e, outros, decapitados.

No momento, em torno de 7 mil famílias mato-grossenses ou que vieram para o Estado em busca de terra estão envolvidas em conflitos rurais.

Marcus Vaillant

Werner, Cristiano Cabral e Witter expõem violência no campo em MT

A Comissão Pastoral da Terra (CPT), o Fórum de Direitos Humanos e da Terra e o Conselho Estadual de Direitos Humanos denunciaram mais uma vez esta situação nesta terça-feira (25).

De acordo com o coordenador da CPT em MT, o historiador Cristiano Cabral, os alvos dessa violência no campo são pobres, pequenos produtores rurais, assentados, acampados ou posseiros, indígenas, trabalhadores tratados como escravos e quilombolas, além daqueles que se colocam contra a invasão de usinas hidrelétricas nos rios locais.

A CPT afirma que, por outro lado, os agressores são fazendeiros que contratam jagunços para amedontrar, calar, expulsar ou mesmo eliminar quem os estiver incomodando em negócios rurais.

"Fazendeiros querem mais terra, querem aumentar suas fazendas, empurrar as cercas", comenta Cabral.

Ele conta que, em audiência aberta, na presença de juiz, delegado e representante do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), um fazendeiro chegou a dizer publicamente que gasta de R$ 9 a 12 mil por mês com pistoleiros. "Falou isso e ninguém fez nada. Se fosse o inverso, já estaríamos presos", reage o coordenador.

Para ele, "a situação ao invés de melhorar está piorando, a cada vez que valoriza mais commodities de gado e os grãos".

Marcus Vaillant

Moradores da Gleba Gama estão em risco de morte

Depoimentos

Com apoio da CPT e demais entidades que defendem a distribuição de terras, duas mulheres de Nova Guarita (697 Km ao Norte de Cuiabá), pré-assentadas na Gleba Gama, vieram à Cuiabá para tentar evitar uma nova chacina no local.

Na Gleba Gama estão em disputa 409 hectares.

Em 10 anos de pré-assentamento autorizado pelo Incra, 12 famílias afirmam que têm sido hostilizadas de toda forma por proprietários da fazenda ao lado, a Baixa Verde, de pecuária.

A identidade de ambas foi mantida em sigilo, porque correm risco de represálias.

Uma delas, de 43 anos, conta que mora na Gleba Gama com o marido e o filho de 10 anos e que o menino sofreu uma perseguição, ontem mesmo, enquanto ela está aqui na capital tentando garantir segurança na área.

"Ele ia na casa de um vizinho e mandaram voltar para traz porque não podia andar por aí, uma criança de 10 anos...Se a gente continua na terra é porque não está aqui atrás de baderna e sim de plantar o que vai comer", reage a mulher.

Divulgação PJC

Chacina é tragédia anunciada

Ela conta ainda que o filho não quer mais ir ao colégio, porque tem medo de chegar em cada, na volta da escola e encontrar os pais mortos.

A outra, de 34 anos, chorando, narra que a vida no local está insuportável, que pistoleiros não dão sossego, que passam pelos lotes aterrorizando as famílias. "Não temos um minuto de paz. Por que nos abandonaram lá assim?" - questiona, se referindo ao Estado.

Em 2013, a casa dela foi incendiada e no mesmo ano passaram com um avião liberando veneno encima dos moradores. "Ficamos intoxicados, quase morremos, corremos para hospital", lembra ela. Já ano passado, depois de muitas vezes romperem a cerca envolta do lote dela, fizeram uma cruz com a madeira, dando um aviso subliminar de morte.

Tragédias anunciadas

Somente moradores da Gleba Gama, em 10 anos, já registraram 396 boletins de ocorrência. Um calhamaço de registros policiais que não deram em nada, como reclama o sociólogo Inácio Werner, do Fórum de Direitos Humanos e da Terra de Mato Grosso, afirmando que os casos não são devidamente investigados.

Segundo ele, ao longo dos anos, se consolidou uma verdadeira organização criminosa, no  Norte de Mato Grosso, especializada em pistolagem e grilagem de terras, com anuência dos poderes constituídos.

Na última década, segundo ele, foram registrados pelo menos 130 homicídios em Mato Grosso, decorrentes de conflitos rurais, sem que qualquer pessoa tenha sido presa ou responsabilizada por eles, o que configrua cenário de impunidade total.

O temor é que isso aconteça com relação à chacina em Colniza, ou seja, muito clamor inicial e depois disso o esquecimento.

A CPT entende que o crime no campo em Mato Grosso compensa, porque é institucionalizado, ignorado pela forte bancada parlamentar ruralista e pelos governos.

Veja este vídeo registrado clandestinamente que mostra ação truculenta de jagunço em área rural.



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 22 de junho de 2017

12:44 - 'Ele chegou atirando e todos que estavam lá morreram', relata filho de vítima

11:53 - Soldado e comparsa mataram 4 por vingança após transferência

09:21 - Soldado é preso após matar 4 em prostíbulo de MT

Quarta, 31 de maio de 2017

16:19 - Força tarefa do MPE irá percorrer e registrar imagens de local de chacina

Quinta, 18 de maio de 2017

19:17 - Madeireiro é apontado como mentor de chacina

Segunda, 15 de maio de 2017

14:48 - Cinco são denunciados por chacina em Colniza

Quarta, 03 de maio de 2017

10:26 - Chacina em Colniza é fruto da omissão do Estado, denunciam especialistas

Terça, 02 de maio de 2017

18:04 - Presos 2 criminosos que mataram 9 em chacina

10:41 - Força-tarefa prende 2 suspeitos de matar 9 trabalhadores em Colniza

Domingo, 30 de abril de 2017

08:07 - Mais de 38 milhões de ha de terras públicas são foco de violência no campo em MT


// leia também

Sábado, 24 de junho de 2017

09:37 - Acidente entre 2 carros bloqueia via da Miguel Sutil

08:30 - Cantores sertanejos de MT sofrem acidente rumo a show na BR-070

Sexta, 23 de junho de 2017

16:56 - IML demora 9 meses para liberar corpo de rapaz assassinado

16:39 - Governo vai construir centro de convivência para servidores - Veja o projeto

15:23 - Projeto leva shows e atividades culturais diversas para o Parque das Águas

15:21 - Governo autoriza nomeação de 114 aprovados no concurso da Empaer

15:17 - Governo prorroga horário de expediente reduzido

15:06 - Prefeitura apresenta nova área para abrigo de animais de rua

15:04 - Hemocentro abre sábado para campanha 'Sangue Corinthiano'

09:17 - Polícia apreende 500 Kg de carne insalubre em matadouro clandestino


 veja mais
Cuiabá, Domingo, 25/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Domingo, 25/06/2017
F4efb389ae02fa6550d2b881ed704c83 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Segundo a ONU a população mundial chegará a 8,6 bilhões até 2030, um aumento de 1 bilhão de pessoas em 13 anos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual