Em 10 meses, intervenção no Rio pode 'estancar descontrole', diz especialista | Gazeta Digital

Domingo, 11 de março de 2018, 10h17

reestruturação da segurança

Em 10 meses, intervenção no Rio pode 'estancar descontrole', diz especialista


Estadao

Em pouco mais de dez meses, o interventor federal na segurança do Rio, general Walter Braga Netto, poderá ‘estancar o descontrole‘ no setor e lançar bases para uma reestruturação mais significativa a médio e longo prazo, dizem especialistas ouvidos pelo Estado. Mas a opinião não é unânime. Há quem acredite que a decisão de intervir no Rio não será eficaz em nenhum aspecto nem deixará legado.

Na lista do que especialistas acreditam ser exequível até o fim do ano, quando a intervenção chegará ao fim, está recuperar a capacidade operacional das polícias, com manutenção de viaturas e armas. Outras tarefas possíveis são melhorar a gestão das corporações, para reduzir a influência política; e estruturar um plano de segurança que possa ser abraçado pelo futuro governador.

Ex-secretário de Segurança do Distrito Federal e professor da Universidade de Brasília (UnB), Arthur Trindade diz que, em termos de implementação de políticas públicas, dez meses é pouco tempo. É possível, porém, caminhar para resolver problemas emergenciais.

‘A curto prazo, há de se recuperar o poder operacional das polícias, coisa que o general está fazendo. A PM tem metade das suas viaturas encostadas. A intervenção poderá permitir que se use recursos federais para colocar essa frota para rodar novamente, além de retomar contratos de manutenção.‘

Segundo Trindade, apesar das tentativas anteriores de usar dinheiro federal para esse tipo de custeio, a legislação barrava. Isso acabou alterado com o novo decreto de intervenção.

Na reserva da PM fluminense e presidente da Associação de Oficiais, o coronel Carlos Fernando Ferreira Belo pede foco para os problemas estruturais da corporação. ‘O efetivo está bastante defasado e necessitado de armamento, munição e colete balístico.‘ Belo cita ainda a necessidade de se pagar o 13.º salário da tropa, que está pendente. ‘Ainda que tenha vindo de forma tardia, esperamos e confiamos que a intervenção terá o pensamento positivo voltado para atender a essas demandas.‘

Outro que demonstra entusiasmo com a possibilidade de mudança é o fundador da ONG Viva Rio, Rubem César Fernandes. Para ele, o mérito da iniciativa é ‘reverter a tendência negativa‘. ‘A intervenção tem o potencial de ser catalisadora de recursos, forças e opiniões positivas. Mas ela só será bem sucedida se conseguir criar um ambiente que levante nossos olhos mais para frente, pensando também nos próximos cinco e dez anos.‘

Para Fernandes, é fundamental que até dezembro as autoridades das Forças Armadas abram caminho para uma política de segurança ‘distante de um ambiente de descontrole.‘

‘É muito importante que a intervenção passe a noção de que é possível fazer segurança respeitando os direitos coletivos e individuais das pessoas. Estávamos na regra do descalabro, com violência para todo lado.‘

Para Trindade, no entanto, não basta que a gestão atue focada no ‘planejamento operacional de emprego de policiamento‘, ou seja, se preocupe apenas com a região em que os policiais vão atuar e o tipo de operações vão desempenhar.

O professor destaca a importância de haver um plano de atuação mais amplo, com definição de responsabilidades de cada ente da área. ‘O interventor poderia puxar para si essa responsabilidade, constituindo um grupo de trabalho suprapartidário e elaborar um plano‘, diz. ‘No Rio, já se tentou de tudo: acordos tácitos com o crime organizado, UPP (Unidade de Polícia Pacificadora), operações, Exército. Mas não se tentou um plano que não seja um Power Point.‘

Renato Sérgio de Lima, diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, entidade que reúne pesquisadores da área e policiais, diz que o primeiro feito é afetar positivamente a sensação de segurança. Para ser eficaz, além de colocar viaturas nas ruas, diz, os interventores deverão definir regras claras de gestão para as duas polícias, ‘terminando com as indicações políticas e o desvio de efetivo para tribunais‘. ‘Se isso for feito, com a definição de indicadores de desempenho e regras claras para concurso interno, mudaria a forma como a segurança pública é feita no Estado‘, diz ele. Lima acredita que o interventor Braga Netto tem a força necessária para dizer ‘não‘ a políticos. Mas, de acordo com ele, isso não basta. O especialista destaca a necessidade de definir critérios de escolha dos comandantes.

Discordância

Nem todos acreditam em melhorias. O pesquisador do Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) João Trajano Sento-Sé classifica a intervenção como ‘um desastre‘. ‘Ações como essas consomem muitos recursos sem promover nenhum impacto na segurança do Estado. A curto prazo, talvez haja melhoria na sensação de segurança, mas isso é curto e por si só não justifica a medida. Do ponto de vista das populações mais vulneráveis, a intervenção é desastrosa.‘

Para ele, em dez meses dá para lançar eventuais bases de um programa de cooperação entre as polícias federais e estaduais. ‘Isso nunca foi tentado, sempre foi negligenciado. Somos reféns da repetição do mesmo.‘ As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quarta, 20 de junho de 2018

18:30 - Operações levam pânico a moradores de favelas do Rio

15:30 - Ladrão invade galpão e tem pé e braço dilacerados por rottweilers

Domingo, 17 de junho de 2018

09:46 - Após intervenção, número de tiroteios cresceu 36% no RJ

Sábado, 09 de junho de 2018

14:00 - Ex-prefeito de Búzios pega 21 anos de prisão por fraude a licitações e peculato

09:41 - Operação em comunidades do Rio mobiliza mais de mil agentes

Sexta, 08 de junho de 2018

15:56 - Tiroteio fere policial e paralisa bondinho do Pão de Açúcar

13:51 - Prefeitura do Rio usará drones na segurança pública

Sexta, 01 de junho de 2018

11:47 - Três suspeitos morrem em tiroteio no Rio com agentes da PRF

Quarta, 30 de maio de 2018

16:55 - No Rio, abastecimento de combustíveis e alimentos está quase normal

Terça, 22 de maio de 2018

14:49 - Dois militares do Exército são presos em carro com armamento pesado


// leia também

Quarta, 20 de junho de 2018

18:00 - Doenças erradicadas podem voltar por falta de vacinação

16:00 - Empresa demite funcionário que constrangeu russas durante a Copa

14:47 - Vagas do ProUni estão disponíveis para consulta

13:49 - Brasileiros que assediaram mulher podem ser julgados na Rússia

13:15 - Minas Gerais registra novos ataques a veículos

11:33 - Ministro do Esporte - assédio a mulher na Copa da Rússia envergonhou Brasil

09:33 - Mãe denuncia suspeito de matar mulher e duas filhas é preso em São Vicente

09:11 - Pai da menina Vitória confirma briga política depois de disputar eleição

Terça, 19 de junho de 2018

14:32 - Governo federal reconhece situação de emergência em 184 cidades

14:05 - ProUni oferece 174 mil vagas; inscrições começam dia 26


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 20/06/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 20/06/2018
845f3eba647f5498546cb197c3e58484 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual o futuro de Neymar nessa Copa do Mundo?




Logo_classifacil









Loja Virtual