Rosa vota a favor de proibição de aditivos de sabor e aroma em cigarros | Gazeta Digital

Quinta, 01 de fevereiro de 2018, 18h35

Rosa vota a favor de proibição de aditivos de sabor e aroma em cigarros


Estadao

Na primeira sessão plenária do ano, a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta quinta-feira, 1º, a favor de uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que proibiu aditivos de sabor e aroma em cigarros.

No centro do debate, está a discussão sobre a definição dos controles e dos limites de atuação de agências reguladoras como a Anvisa. Nesta tarde, o STF retomou o julgamento de uma ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) contra resolução da Anvisa que proíbe aditivos de sabor e aroma em cigarros.

O processo é de relatoria da ministra Rosa Weber, que em setembro de 2013, concedeu liminar para suspender a eficácia de dispositivos da resolução da Anvisa, até que o tema fosse apreciado pelo plenário da Corte.  época, Rosa levou em conta os argumentos da CNI, que apontou ‘perigo imediato do fechamento de fábricas e de demissão em massa de trabalhadores‘ e perturbação da ordem econômica decorrente da ‘existência de tratamento judicial díspar‘ da questão nos processos que correm em diversas instâncias.

No julgamento desta quinta-feira, no entanto, Rosa destacou que a Anvisa atuou ‘em conformidade com os limites constitucionais e legais das suas prerrogativas‘. ‘A competência da Anvisa para regulamentar produtos que envolvem riscos à saúde necessariamente inclui a competência para definir, por meio de critérios técnicos, os ingredientes que podem ou não ser utilizados na fabricação de tais produtos‘, disse a ministra.

Para Rosa, a Anvisa nada restringiu ou proibiu em relação a qualquer aroma ou sabor naturalmente presentes no tabaco, e sim em relação a ingredientes artificiais. Na avaliação da relatora, a adição de sabor e aromas de frutas, mel, açúcar e temperos impulsionam a iniciação de consumidores no uso do cigarro.

‘A nicotina por si só justifica a existência de todo o rígido aparato regulatório incidente sobre produtos derivados do tabaco, cuja instrumentalização se mostra não só legítima, como a meu juízo necessária. As restrições da diretoria colegiada estão devidamente amparadas no ordenamento vigente‘, concluiu a ministra.

Alegações

A CNI alega que a atuação da Anvisa viola os princípios da legalidade, da separação dos Poderes e da livre iniciativa. Segundo a confederação, a proibição de aditivos foi feita de ‘forma genérica‘, com efeitos sobre toda a cadeia produtiva. A Procuradoria-Geral da República (PGR) e a Advocacia-Geral da União (AGU), porém, se posicionaram contra o pedido da CNI.

A AGU alega que o tabagismo causa uma despesa anual de R$ 56,9 bilhões para o Brasil - R$ 39,4 bilhões seriam gastos com tratamento de doenças relacionadas ao tabaco e R$ 17,5 bilhões de custos relacionados com a perda da produtividade de trabalhadores, com mortes prematuras e incapacitação de empregados.

‘A arrecadação de impostos com a indústria de cigarros é de R$ 12,9 bilhões, o que significa, em verdade, que o País sofre um prejuízo de R$ 44 bilhões de reais ao ano‘, alega o órgão. Segundo a AGU, os aditivos em questão pretendem tornar os cigarros mais atrativos para crianças e adolescentes, potencializar o poder da nicotina e mascarar a poluição ambiental, ‘objetivando maior aceitação do uso tabaco em ambientes coletivos e também pelo próprio fumante‘.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sábado, 26 de maio de 2018

10:19 - Mandante do assassinato de Dorothy Stang deixa prisão no Pará

Quarta, 23 de maio de 2018

13:54 - Rodrigo Maia diz que TSE extrapolou ao 'legislar' sobre Fundo Eleitoral

Terça, 22 de maio de 2018

17:27 - Fachin vota por condenação de Meurer por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Segunda, 21 de maio de 2018

09:19 - Acusados de tráfico são os que mais recebem liberdade no STF

Sábado, 19 de maio de 2018

08:38 - Após baixa de 105 processos, STF volta a discutir foro privilegiado

Sexta, 18 de maio de 2018

14:59 - Fachin suspende revisão de pensões de filhas de servidores

12:30 - PF pede que Lewandowski decida se mantém no STF inquérito de Aécio

Quinta, 17 de maio de 2018

09:01 - Fachin autoriza inquérito para investigar doações da J&F ao MDB

Segunda, 14 de maio de 2018

14:20 - STF abre edital para contratar escolta armada para Edson Fachin

08:01 - Processo contra Carlos Bezerra por fraude em pregão é enviado ao TRF


// leia também

Domingo, 27 de maio de 2018

17:30 - Prefeito de Angra avalia pedir desligamento das usinas nucleares

17:00 - Governo de SP diz que bloqueios em rodovias paulistas caíram 77,7%

16:00 - Alunos do ensino médio vivem dias de cientista em expedições no exterior

14:03 - Fortaleza realiza força-tarefa para facilitar a distribuição de combustível

11:45 - Avicultores doam galinhas e ovos em Vitória em protesto por falta de ração

08:49 - Nova manifestação quer redução de gás de cozinha e combustíveis

08:45 - Pontos de bloqueio diminuem, mas paralisação de caminheiros continua

Sábado, 26 de maio de 2018

18:00 - Prêmio principal da Mega-Sena pode pagar hoje R$ 10 milhões

11:19 - Postos de combustíveis têm estoque zerado no Rio de Janeiro

11:10 - Aeroporto de Brasília ainda não recebeu combustível e 40 voos foram cancelados


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 28/05/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 28/05/2018
B2364398e2b46c1e9ec5913337d6d80a anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Lei municipal em São Paulo proíbe queima de fogos com barulho e permite os luminosos




Logo_classifacil









Loja Virtual