Registros de ocorrências policiais trazem novas classificações criminais no Rio | Gazeta Digital

Domingo, 07 de janeiro de 2018, 08h58

Novas classificações

Registros de ocorrências policiais trazem novas classificações criminais no Rio


Agência Brasil

A pedido da Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos (SEDMHI) do Rio de Janeiro, os registros de ocorrência nas delegacias da Polícia Civil passaram a incluir, esta semana, os motivos presumidos de transfobia (aversão contra pessoas e grupos com identidades de gênero travestis, transgêneros, transexuais), lesbofobia (negatividade em relação às mulheres lésbicas) e xenofobia (desconfiança, temor ou antipatia por pessoas estranhas ao meio, ou pelo que é incomum ou vem de fora do país). Essas novas classificações se somam aos motivos de intolerância religiosa e intolerância racial, já existentes.

O secretário de Direitos Humanos, Átila Alexandre Nunes, em entrevista à Agência Brasil, ressaltou que a classificação da intolerância é fundamental no combate a esse tipo de crime no estado. “Acreditamos que, com a inclusão destes novos motivos presumidos, as pessoas se sentirão mais amparadas e encorajadas a denunciar, uma vez que terão seus direitos assegurados e respeitados. Cada caso será investigado respeitando as suas especificidades”.

Divulgação

Nunes acha que a ampliação das classificações criminais pode fortalecer o combate ao preconceito existente no Rio de Janeiro. Por meio das novas classificações criminais, será possível ter um real panorama dos diversos casos de preconceito que ocorrem no Rio de Janeiro. “Com isso, poderemos obter dados mais concretos para subsidiar a criação de políticas públicas efetivas e, assim continuarmos a combater qualquer caso de intolerância que ocorra no estado”.

Sensibilização

A secretaria solicitou à Polícia Civil que haja uma sensibilização junto aos delegados e inspetores quanto à importância do preenchimento dos campos. Segundo o secretário da SEDHMI, muitas vezes, um homossexual é agredido e o caso não é registrado como homofobia, por exemplo.

“Ou algum praticante de determinada religião sofre uma agressão e o registro, ocasionalmente, também não é realizado como intolerância religiosa. Isso, sem dúvida, gera uma subnotificação e maquia a real situação dos casos de preconceito no estado. Por isso, solicitamos essa sensibilidade por parte das autoridades no momento do registro de ocorrência”, disse Nunes.

De agosto a dezembro de 2017, foram registrados pela secretaria 45 casos de intolerância religiosa, dos quais a maioria se refere a praticantes de religiões de matriz africana. O secretário informou que no ano passado, a SEDMHI atendeu mais de 10 mil pessoas, direta e indiretamente. Entre as denúncias registradas estão os diversos tipos de intolerância, como religiosa, racial, homofobia, xenofobia, trabalho escravo, e outras.

As demandas foram recebidas por meio dos canais de comunicação da secretaria, entre os quais o Disque Combate ao Preconceito, criado em agosto de 2017 para receber denúncias sobre todo tipo de violação aos direitos humanos. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quarta, 25 de abril de 2018

11:53 - Polícia prende 12 pessoas em nova operação contra quadrilha de milicianos no Rio

09:25 - Justiça analisa liberdade de 138 detidos em ação contra a milícia

Sábado, 21 de abril de 2018

18:30 - Assalto a vereador acaba em tiroteio com a PM na zona sul do Rio

Terça, 17 de abril de 2018

09:28 - Justiça nega habeas corpus para 22 presos em festa da milícia no Rio

Segunda, 09 de abril de 2018

10:46 - Sérgio Cabral vira réu por 2.281 passeios no helicóptero do Estado do Rio

09:13 - Sobrecarregados, hospitais do Rio atendem um baleado a cada 2h30

Sábado, 07 de abril de 2018

10:42 - Operação contra milícia prende 80 pessoas na zona oeste do Rio

Domingo, 01 de abril de 2018

17:30 - Polícia do Rio investiga se menina foi morta em tentativa de acerto de contas

11:09 - Após CPI, milicianos reocupam o Rio

Terça, 27 de março de 2018

09:14 - Forças Armadas fazem operação na zona norte do Rio com 3.900 oficiais


// leia também

Quarta, 25 de abril de 2018

20:00 - Roraima confirma 5.750 casos de malária no primeiro trimestre

17:19 - Justiça ordena sequestro de casa e lancha usadas pelo tráfico de droga

14:42 - Câmeras flagram ação de prefeito de Bariri suspeito de abuso sexual

14:29 - Condenados pela morte da juíza Patrícia Acioli são réus em outro crime

09:35 - PF indicia 23 por desvios de recursos da UFSC

Terça, 24 de abril de 2018

17:00 - Receita apreende carga de heroína e explosivo no Galeão

16:46 - Usuário de maconha terá aplicativo para monitorar danos causados pela droga

14:55 - Carro onde estava Marielle Franco passará por nova perícia

14:49 - Polícia busca homem suspeito de mandar matar genro por ser negro

13:25 - Tropas cercam morros do Rio que lutam pelo controle do tráfico


 veja mais
Cuiabá, Quinta, 26/04/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quinta, 26/04/2018
2f8a4ad01ac2cdfd8dde377dc7eb1047 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Proposta sugere que presos ainda não condenados tenham prisão substituída por atividades escolares




Logo_classifacil









Loja Virtual