Mãe é presa acusada de obrigar filha de 17 anos a abortar em MS | Gazeta Digital

Quinta, 18 de maio de 2017, 08h43

Organização de abortos

Mãe é presa acusada de obrigar filha de 17 anos a abortar em MS


Estadao

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul investiga se uma mãe obrigou a filha de 17 anos a fazer um aborto. O caso também deu início a uma investigação sobre a existência de uma suposta organização especializada em abortos no Estado. A mãe, de 39 anos, e mais duas pessoas que teriam ajudado foram presas nesta terça-feira, 16.

A jovem teria abortado em 15 de março, na 21ª semana de gravidez. Na época, ela contou à polícia que havia tomado chá de buchinho - que não é abortivo - e que, sozinha, cavara um buraco no quintal de casa, onde enterrou o feto.

Foto: AFP

Investigadores não acreditaram na história e deram início à investigação. Dois detalhes chamaram atenção: a condição física da adolescente, que não teria forças para abrir cova de 1,20 de comprimento por 60 centímetros de profundidade, em função de fraqueza e perda de sangue, e o fato de o namorado da jovem ter encaminhado à polícia áudio em que a mãe dela exigia que ela fizesse o aborto.

Depois de colhidos mais detalhes, os policiais chegaram a um pedreiro de 39 anos que teria sido contatado pela mãe da adolescente para comprar um medicamento que tem caráter abortivo como efeito colateral. Ele teria consigo medicamento com uma enfermeira de 38 anos, que também foi presa.

A adolescente teria tomado dois comprimidos e inserido outros dois na vagina, no dia 13 de março. Sem o efeito esperado e em jejum, ela teria repetido o procedimento um dia depois, vindo abortar no dia 15. Ela chegou a ser hospitalizada duas vezes por causa da perda de sangue. Cada comprimido foi comprado por R$ 200, totalizando gasto de R$ 1,6 mil para realizar o aborto.

O próximo passo da polícia é verificar quem fornece o medicamento abortivo cuja venda é proibida no Brasil e descobrir se há mais casos de aborto ocorridos por meio da suposta organização.

De acordo com a Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e à Juventude (Deaij), a mãe da adolescente responde por aborto provocado sem consentimento, formação de quadrilha, corrupção de menor e ocultação de cadáver, pois o feto foi enterrado no quintal da casa. O pedreiro de 39 anos foi indiciado por ocultação - pois teria feito a cova -, tráfico de drogas e associação para o tráfico, já que obteve o medicamento com a enfermeira de 38 anos. Ela também está envolvida com tráfico e associação.

 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quarta, 16 de agosto de 2017

14:35 - Força Nacional permanecerá por mais 60 dias em área de conflito

Terça, 08 de novembro de 2016

10:19 - Onda de violência deixa 8 mortos na fronteira


// leia também

Terça, 20 de fevereiro de 2018

16:13 - Após 27 anos, comissão identifica ossada de desaparecido político

15:07 - Grávida de 9 meses está em presídio de SP por furto de comida

09:17 - Polícias e Forças Armadas fazem operação em comunidade da Penha

09:03 - Por que mais de 13 milhões de pessoas passam fome no Brasil?

Segunda, 19 de fevereiro de 2018

18:30 - Intervenção militar no Rio gera temor em moradores de favelas

16:56 - Policiais atiram por engano em vigilante de banco no Rio

16:47 - Especialistas divergem sobre abrangência de habeas a gestantes e mães presas

14:52 - Seis em cada dez brasileiros são contra a legalização da maconha

14:28 - Justiça condena homens que tatuaram testa de jovem no ABC

11:31 - Protestos contra Previdência fecham estradas e paralisam terminais de ônibus


 veja mais
Cuiabá, Terça, 20/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 20/02/2018
768bdb65035787436f1bc4ad07df1cf3 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Após 15 anos, Arcanjo deixa a prisão e vai cumprir regime semiaberto




Logo_classifacil









Loja Virtual