Mãe é presa acusada de obrigar filha de 17 anos a abortar em MS | Gazeta Digital

Quinta, 18 de maio de 2017, 08h43

Organização de abortos

Mãe é presa acusada de obrigar filha de 17 anos a abortar em MS


Estadao

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul investiga se uma mãe obrigou a filha de 17 anos a fazer um aborto. O caso também deu início a uma investigação sobre a existência de uma suposta organização especializada em abortos no Estado. A mãe, de 39 anos, e mais duas pessoas que teriam ajudado foram presas nesta terça-feira, 16.

A jovem teria abortado em 15 de março, na 21ª semana de gravidez. Na época, ela contou à polícia que havia tomado chá de buchinho - que não é abortivo - e que, sozinha, cavara um buraco no quintal de casa, onde enterrou o feto.

Foto: AFP

Investigadores não acreditaram na história e deram início à investigação. Dois detalhes chamaram atenção: a condição física da adolescente, que não teria forças para abrir cova de 1,20 de comprimento por 60 centímetros de profundidade, em função de fraqueza e perda de sangue, e o fato de o namorado da jovem ter encaminhado à polícia áudio em que a mãe dela exigia que ela fizesse o aborto.

Depois de colhidos mais detalhes, os policiais chegaram a um pedreiro de 39 anos que teria sido contatado pela mãe da adolescente para comprar um medicamento que tem caráter abortivo como efeito colateral. Ele teria consigo medicamento com uma enfermeira de 38 anos, que também foi presa.

A adolescente teria tomado dois comprimidos e inserido outros dois na vagina, no dia 13 de março. Sem o efeito esperado e em jejum, ela teria repetido o procedimento um dia depois, vindo abortar no dia 15. Ela chegou a ser hospitalizada duas vezes por causa da perda de sangue. Cada comprimido foi comprado por R$ 200, totalizando gasto de R$ 1,6 mil para realizar o aborto.

O próximo passo da polícia é verificar quem fornece o medicamento abortivo cuja venda é proibida no Brasil e descobrir se há mais casos de aborto ocorridos por meio da suposta organização.

De acordo com a Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e à Juventude (Deaij), a mãe da adolescente responde por aborto provocado sem consentimento, formação de quadrilha, corrupção de menor e ocultação de cadáver, pois o feto foi enterrado no quintal da casa. O pedreiro de 39 anos foi indiciado por ocultação - pois teria feito a cova -, tráfico de drogas e associação para o tráfico, já que obteve o medicamento com a enfermeira de 38 anos. Ela também está envolvida com tráfico e associação.

 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quarta, 16 de agosto de 2017

14:35 - Força Nacional permanecerá por mais 60 dias em área de conflito

Terça, 08 de novembro de 2016

10:19 - Onda de violência deixa 8 mortos na fronteira


// leia também

Sábado, 23 de setembro de 2017

15:00 - Prova para revalidar diplomas de medicina obtidos em outros países é amanhã

14:24 - Forças Armadas estudam envio de militares para auxiliar ONU em missões de paz

13:01 - Maiores represas do país enfrentam seca histórica

11:36 - Polícia Civil prende traficante que comandou invasão da Rocinha

10:04 - Novo confronto na Rocinha obriga fechamento de túneis e autoestrada Lagoa-Barra

09:06 - Código de Trânsito faz 20 anos, mas acidentes fatais ainda geram preocupação

08:56 - Após novo tiroteio na Rocinha, Exército prende cinco e aprende um fuzil AK47

Sexta, 22 de setembro de 2017

23:10 - Delegado pede que traficantes encurralados na Rocinha se entreguem

22:00 - Penas dos três acusados por chacinas somam mais de 600 anos

21:20 - Justiça autoriza uso de força policial para paralisar obras de Belo Monte


 veja mais
Cuiabá, Sábado, 23/09/2017
 
Facebook Instagram
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 23/09/2017
47c71fb9e56380806e75caabbff8d0f5 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O prefeito Emanuel Pinheiro diz que a gravação do vídeo recebendo mensalinho está fora do contexto




Logo_classifacil









Loja Virtual