Orçamento para saúde no Brasil fica abaixo da média mundial, revela OMS | Gazeta Digital

Quarta, 17 de maio de 2017, 11h20

Orçamento para saúde no Brasil fica abaixo da média mundial, revela OMS


Estadao

O Brasil destina à saúde menos que a média mundial e mais da metade dos gastos acaba sendo pago pelo paciente. Dados publicados nesta quarta-feira, 17, pela Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que, em 2014, 6,8% do orçamento público do governo federal eram destinados ao setor, taxa que caiu desde 2010. No mundo, a média é de cerca de 11,7%.

O levantamento da OMS com governos de todo o mundo aponta que, ao longo dos anos, o volume de dinheiro destinado à saúde no Brasil aumentou. Ele era de apenas 4,1% do total dos gastos públicos em 2000. Em 2010, essa taxa subiu para 9,9%. Mas acabou sendo reduzida para 8,2% em 2011 e 7% em 2013. A taxa atingiu 6,8% em 2014, o último ano disponível pela contabilidade da OMS.

Atualmente, a taxa é ainda inferior à média do que se gasta na África, com 9,9% dos orçamentos nacionais para a saúde. Nas Américas, a taxa é de 13,6%, contra 13,2% na Europa.

Em alguns casos, a proporção destinada para a saúde em alguns países chega a ser três vezes o índice brasileiro. Nos Estados Unidos, 21,3% do orçamento nacional vai para a saúde, contra 22% na Suíça, 23% na Nova Zelândia e 20% no Japão. Em alguns países em desenvolvimento, o índice também é elevado. No Uruguai, ele chega a 20%, contra 23% na Corta Rica ou 24% na Nicarágua.

Em uma comparação ao PIB, a taxa no Brasil também é inferior à média internacional. No restante do mundo, cerca de 9,9% do PIB se refere à gastos na Saúde. No Brasil, a taxa está em 8,3%. No mundo, US$ 7 trilhões são gastos em saúde por todos os governos e cidadãos.

Gastos do paciente

Os dados também revelam que, apesar de certos avanços, mais da metade dos gastos de um paciente com a saúde sai de suas próprias economias, seja pelo pagamento de planos privados ou arcando com consultas e operações. No total, 53,9% dos gastos com a saúde no Brasil vem da renda dos cidadãos. Em 2000, essa taxa chegava a quase 60%. Mas a média mundial é de 39%.

Descontando planos de saúde, a OMS também destaca que 25% do custo com o setor no Brasil sai dos bolsos dos pacientes. Ainda que a taxa também seja considerada como alta, ela é inferior aos 36% registrados há dez anos.

Apesar dos avanços, o Brasil ainda não atinge as taxas médias mundiais, de 18% do gasto com a saúde saindo do bolso do cidadão. ‘A pergunta que tem de ser feita é se os cidadãos estão recebendo os serviços que precisam ter sem passar por dificuldades financeiras‘, disse Gretchen Stevens, analista da OMS, sem citar o nome de países. 

Gazeta Digital também está no Facebook, Twitter, YouTube e Instagram    



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 24 de julho de 2017

23:30 - Estudo da USP relaciona dor crônica a casos de ansiedade e depressão

08:28 - 12 recém-nascidos morrem a cada mil em MT

Domingo, 23 de julho de 2017

16:00 - Série mostra médicos que 'driblam' dificuldades para salvar vidas

Sábado, 22 de julho de 2017

11:13 - Doença silenciosa é responsável por 80% das mortes por câncer de fígado

10:03 - UPA completa um ano com mais de 111 mil pacientes atendidos

09:51 - Grupo define primeiras ações para retomada dos hospitais regionais

Quinta, 20 de julho de 2017

17:59 - Estudo revela que um terço dos casos de demência é evitável

Quarta, 19 de julho de 2017

23:50 - CFM critica condições de trabalho no SUS e ministro cobra assiduidade de médicos

Terça, 18 de julho de 2017

08:10 - Helloyse vai fazer 1 ano sem diagnóstico preciso

Sexta, 14 de julho de 2017

17:53 - Diante de atrasos, médicos ameaçam cancelar convênio com MT Saúde


// leia também

Terça, 25 de julho de 2017

14:37 - Ato lembra mortes de 91 policiais no Rio de Janeiro em 2017 na Curva do Colombo

08:38 - Brasileiros eram enviados como 'escravo'' por igreja dos EUA, dizem ex-membros

08:30 - Operação da Policia Federal contra a pedofilia atinge 14 Estados

Segunda, 24 de julho de 2017

21:30 - Brasil teve 773 acidentes e 240 mortes em acidentes com redes elétricas

17:01 - Brasil concorre a prêmio internacional com programa de cisternas

16:09 - Receita alerta para 'golpe do amor' em que vítimas são extorquidas pela internet

13:55 - Presos ateiam fogo em colchões e provocam incêndio em Pinheiros

13:52 - Polícia apreende 4 por estupro coletivo de adolescente no RJ

11:35 - Etanol caiu em 18 Estados e no DF antes de aumento do PIS/Cofins, diz ANP

11:25 - Campanha realiza teste gratuito de hepatite C em todo o Brasil


 veja mais
Cuiabá, Terça, 25/07/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 25/07/2017
D0ab83a68d9c5d64ce32d7f10e3cc4b2 anteriores

WhatsApp




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Quatro CPIs podem funcionar no Congresso após o recesso de julho.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual