Mais de 80% das pessoas que sofrem de dor de cabeça se automedicam, diz pesquisa | Gazeta Digital

Terça, 16 de maio de 2017, 17h32

Mais de 80% das pessoas que sofrem de dor de cabeça se automedicam, diz pesquisa


R7

Pesquisa da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), divulgada hoje (16), revela que 81% dos entrevistados se automedicam para tratar dor de cabeça. Também é comum que as pessoas (50%) aceitem a indicação de remédios feita por não profissionais. O auxílio de médicos para tratar o sintoma é uma opção para 61% dos entrevistados. Foram respondidos, de forma espontânea, 2.318 questionários online, distribuídos pelas redes sociais. O estudo foi divulgado como parte das atividades do Dia Nacional de Combate à Cefaleia, que ocorre em 19 de maio.

“O número de pacientes que estão tomando medicação sem orientação foi um dado que nos deixou alarmados”, afirmou o neurologista Marcelo Ciciarelli, membro da ABN e coordenador da pesquisa. Ele destacou que a automedicação pode, muitas vezes, aumentar a frequência da dor, bem como a intensidade. O aconselhável, segundo o médico, é procurar um profissional quando ocorrem mais de três crises por mês por mais de três meses.

A pesquisa identifica que 87% dos entrevistados sofrem de enxaqueca. Ciciarelli explica que este é um tipo primário da cefaleia – nome científico para a dor de cabeça – quando ela é a própria doença, e não o sintoma de outra, como ocorre em uma gripe, por exemplo. Entre as características clínicas da enxaqueca estão: dor em apenas um lado e de forma latejante; com intensidade moderada a forte; com intolerância a barulho e a luz; e associada a enjoo. Cerca de metade dos entrevistados sofrem com doença de forma crônica, com ocorrência de dor por mais de 15 dias por mês.

Entre os que sofrem de enxaqueca episódica, 28% disseram estar desempregados. Para os que têm a doença crônica, o percentual sobe para 33%. “[Essas pessoas] têm menor nível de emprego. Estão mais desempregadas, mostrando o impacto na vida profissional das pessoas que sofrem esse tipo de dor”, apontou o neurologista. As pessoas que sofrem de enxaqueca crônica são as que mais abusam de analgésicos. Mais de 70% dos entrevistados disseram tomar três ou mais doses semanais do medicamento.

O objetivo da pesquisa, ao identificar o perfil dos que sofrem de dor de cabeça, é alertar para os casos em que ela deve ser tratada para que não se torne uma doença crônica. O tratamento, explica Ciciarelli, é preventivo e inclui o uso de medicamentos, mas também a adoção de outras práticas, como atividades físicas, ajuste no sono, alimentação saudável, ingestão de água e limitação do uso de analgésicos. “A dor serve para mostrar que alguma coisa no organismo está errada, então ela nos alerta que algo precisa ser tratado, precisa ser prevenido”, destacou. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Segunda, 20 de novembro de 2017

16:55 - Prazo para renovação de contratos do Fies é prorrogado para 30 de novembro

15:56 - Anvisa registra genérico inédito para tratamento para câncer de próstata

11:08 - Nova biblioteca de São Paulo quer mostrar que não é lugar só de aluno

10:58 - Bar nas alturas é atração em parque de São Paulo

Domingo, 19 de novembro de 2017

09:25 - Um mês após tiroteio em escola, adolescente tenta retomar a vida

09:14 - Doenças crônicas como diabetes aumentam risco de pneumonia

Sábado, 18 de novembro de 2017

15:30 - Inep libera conteúdo de videoprovas em libras do Enem 2017

09:37 - Palmeiras deve ter as saídas de Egídio e Róger Guedes nesta janela

09:26 - Número de pessoas com planos de saúde no Brasil cresceu em outubro

09:15 - Dois homens são mortos pelo Exército no Rio


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 20/11/2017
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 20/11/2017
C4f32a23995d24db0f5269f57ef9b491 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O que você vai fazer com o 13º salário?




Logo_classifacil









Loja Virtual