Quinta, 20 de outubro de 2016, 10h52

Mulheres fazem protesto e greve contra feminicídio na Argentina


Agência Brasil

A Argentina amanheceu de luto nessa quarta-feira (19).á Convocadas pelas redes sociais, milhares de mulheres vestiram roupas pretas e, durante uma hora (das 13h às 14h), pararam suas atividades em uma greve simbólica contra o feminicidio, a violência de gênero e a discriminação contra a mulher no trabalho.

No final da tarde, uma multidão reuniu-se em frente ao Obelisco - cartão-postal de Buenos Aires - e marcharam com guarda-chuvas ate a Praça de Maio, em frente ao palácio presidencial.á A manifestação, convocada pelas redes sociais, é a terceira contra o femenicidio feita na Argentina. Dessa vez, as mulheres também fizeram greve e marcharam pela igualdade de direitos no mercado de trabalho.

‘Fiquei sabendo da marcha pelo Facebook, mas me senti identificada porque tenho uma irmã que é vítima de abuso do marido‘, disse Graciela Gonzalez. ‘Ela apanhou várias vezes e prestou depoimento na polícia. Se separou, mas continua ameaçada pelo ex-marido, sem qualquer proteção‘.

Universidade de preto

Na universidade publica Três de Febrero, as funcionárias vieram de preto. s 13h, todas baixaram os braços. Foram até a calcada e fizeram barulho, batendo colheres contra xícaras. Em outros pontos da capital argentina, mulheres foram ao trabalho com tambores e improvisaram batucadas de protesto nas calcadas molhadas.

‘Queremos que a Justiça assuma as suas responsabilidades e garanta a segurança das vítimas de violência de gênero‘, disse Carla Paredes. ‘Não aceitamos mais mortes, por isso nosso slogan é ’nenhuma a menos’‘.

Vítima

O estopim do protesto foi Lucia Perez, de 16 anos. Ela foi violentamente estuprada, torturada e morta na cidade balneária de Mar del Plata. Os assassinos lavaram, vestiram e levaram a vítima a uma clínica de reabilitação, na esperança de que a morte dela fosse atribuída ao excesso de drogas.

Mariana Estevez, de 38 anos, foi ao Obelisco para contar, pela primeira vez em público, que apanhava do marido. ‘Dei queixa na delegacia uma vez, mas ninguém me levou a sério porque não tinha marcas sérias no corpo‘, disse.á ‘A cada trinta horas uma mulher é morta na Argentina porque a sociedade prefere fazer de conta que o machismo acabou e ninguém dá ouvidos a quem diz o contrário‘. 



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 20 de abril de 2017

15:41 - Argentina promulga lei para uso medicinal da maconha

Segunda, 10 de abril de 2017

09:38 - Protesto de professores em Buenos Aires termina com vários detidos

Quinta, 30 de março de 2017

14:30 - Argentina aprova uso medicinal da maconha

Terça, 28 de março de 2017

08:55 - Justiça argentina absolve jovem condenada após sofrer aborto espontâneo

Sábado, 04 de março de 2017

09:30 - Greve suspende jogos de abertura do Campeonato Argentino

Sábado, 19 de novembro de 2016

10:30 - Milhares de argentinos marcham por aprovação de lei

Quarta, 28 de setembro de 2016

16:05 - Argentina anuncia convocados para eliminatórias sem Messi

08:52 - Hospedagem para turista estrangeiro na Argentina ficará 21% mais barata

Segunda, 26 de setembro de 2016

16:55 - Maior sindicato argentino anuncia greve geral contra Macri


// leia também

Sexta, 28 de abril de 2017

17:39 - Polícia do Paraguai detém e entrega ao Brasil três supostos membros do PCC

16:15 - Acidentes de trabalho matam 2,3 milhões de pessoas por ano no mundo, diz OIT

15:33 - Secretário de Estado dos EUA critica ONU por não impor sanções à Coreia do Norte

09:02 - Liberdade de imprensa no mundo está em seu pior nível em 13 anos

08:58 - Trump alerta para possibilidade de grande conflito com Coreia do Norte

Quinta, 27 de abril de 2017

17:00 - Israel e Estados Unidos discutem visita potencial de Trump a Jerusalém

15:30 - Explosão em lanchonete causa pânico na França

15:20 - Papa diz que vai ao Egito como 'peregrino da paz'

15:15 - China vê 'mudança de tom' dos Estados Unidos para com a Coreia do Norte

10:11 - Navio militar russo naufraga após choque na costa da Turquia


 veja mais
Cuiabá, Sábado, 29/04/2017
 

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sábado, 29/04/2017
6637d166db2af4ee95c6d595829972c2 anteriores




Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O desemprego subiu no Brasil este ano e já atinge 14,2 milhões de pessoas. Na sua opinião, a crise vai demorar a passar?



Logo_classifacil









Loja Virtual