Governo abre mão de R$ 30 bi de dívida dos municípios com INSS | Gazeta Digital

Terça, 16 de maio de 2017, 17h35

Governo abre mão de R$ 30 bi de dívida dos municípios com INSS


R7

A edição de um Refis para que os municípios possam parcelar suas dívidas previdenciárias (aproveitando-se de um desconto em multas e juros) vai reduzir o débito dessas prefeituras em cerca de R$ 30 bilhões. O cálculo é do presidente da CNM (Confederação Nacional dos Municípios), Paulo Ziulkoski. Hoje, cerca de 4.000 municípios devem R$ 75 bilhões ao INSS. Agora, com os abatimentos, a previsão é de que essa dívida caia a R$ 45 bilhões.

A Medida Provisória para criar o parcelamento foi assinada nesta terça-feira (16) pelo presidente Michel Temer durante a abertura da XX Marcha dos Prefeitos, em Brasília. No discurso, Temer confirmou as condições mais favoráveis: prazo de até 200 meses (pouco mais de 16 anos) e desconto de 25% nas multas e nos encargos e de 80% nos juros.

"Com diminuição de 80% dos juros, vai dar uma redução em torno de R$ 30 bilhões na dívida. Só isso é um valor gigantesco", disse Ziulkoski. Ele lembrou ainda que o comprometimento de caixa das prefeituras vai diminuir com a adesão ao Refis, permitindo a aplicação de recursos em outras áreas.

Antes do afago do governo federal aos prefeitos, o presidente da CNM havia anunciado que o conselho político da entidade aprovou por maioria posicionamento a favor da aprovação da Reforma da Previdência. O argumento é de que as mudanças nas regras da aposentadoria podem ajudar os prefeitos a diminuir o peso da fatura da Previdência e, consequentemente, o déficit daqueles que já possuem regime próprio.

"Não digo que todos apoiem, mas temos 90% de apoio (entre os prefeitos). Vamos trabalhar junto aos parlamentares pela aprovação do texto (da Reforma da Previdência). Nos convencemos de que ela é útil", disse Ziulkoski.

O presidente da CNM, no entanto, negou que tenha havido uma "troca" da MP do Refis pelo apoio da entidade.

PublicidadeFechar anúncio
Mas a solução para a dívida previdenciária dos municípios era uma condição necessária para que as prefeituras hoje inadimplentes possam se regularizar e então receber recursos de emendas voluntárias apresentadas por parlamentares. Essas emendas têm sido moeda de troca por votos favoráveis à Reforma da Previdência.

ISS

Ziulkoski, que fez um discurso crítico a iniciativas do governo, como a emenda que criou o teto de gastos para o governo federal, também cobrou dos parlamentares (muitos presentes ao evento) a derrubada do veto presidencial a trechos da Lei Complementar 157/2016, que previa mudanças no ISS. A proposta era alterar a cobrança do tributo que incide sobre operações com cartões e leasing da origem para o destino.

Na prática, isso distribuiria a arrecadação com todos os municípios, em vez de concentrar apenas nos que são sede de empresas que são operadoras ou administradoras de cartões, como é hoje. O dispositivo, no entanto, foi vetado por Temer no ano passado diante das reclamações de empresários de que a medida implicaria maior custo.

Segundo Ziulkoski, a entidade vai pressionar para que o Congresso Nacional derrube o veto em votação conjunta na semana que vem.

— Há resistência de setores do Palácio do Planalto, que querem uma alternativa, mas vamos continuar firmes para terminar com essa discrepância. Não adianta dizer que foram arrecadados R$ 55 bilhões de ISS no ano passado se 10 municípios recebem 60% desse valor. É uma questão de justiça tributária.

 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sexta, 22 de setembro de 2017

09:15 - Temer tenta evitar rebelião na base após ataque de Maia

Quarta, 20 de setembro de 2017

18:40 - Temer diz a investidores que Brasil é um destino seguro para negócios

Terça, 19 de setembro de 2017

12:42 - Pesquisa CNT revela que 75,6% reprovam governo Temer

Sexta, 15 de setembro de 2017

08:05 - Janot pede pena mais alta para Temer por liderar quadrilhão do PMDB

Quinta, 14 de setembro de 2017

08:07 - Câmara adia novamente votação e pode inviabilizar criação de fundo e do distritão

Terça, 12 de setembro de 2017

11:36 - Bandidos constroem versões por ouvir dizer, diz Planalto

11:35 - É uma reunião de trabalho e não há solenidade, diz Temer em encontro

11:30 - Acusação contra quadrilhão deixa Planalto em alerta

11:24 - Em delação, Funaro relata encontros com Temer

08:20 - PF põe no 'quadrilhão' do PMDB Temer, Moreira, Padilha, Geddel, Cunha e Alves


// leia também

Terça, 26 de setembro de 2017

14:00 - Central de Emprego

12:43 - Receita aumenta fiscalização a empresas e espera recolher R$ 461 milhões

09:53 - Caixa tem lucro líquido de R$ 4,1 bilhões no primeiro semestre

Segunda, 25 de setembro de 2017

22:54 - Consulta do Abono Salarial do PIS/Pasep pode ser feita por aplicativo

17:01 - B3 altera funcionamento das Bolsas em 16/10 por conta de horário de verão

16:06 - Petrobras aumenta gás de cozinha em 6,9%, em média a partir de terça-feira

13:31 - Governo federal decide manter horário de verão 2017/2018

12:51 - Recursos do Pró-família amenizam crise financeira nos municípios

12:50 - Mercado financeiro prevê inflação abaixo do limite da meta de 3%

10:28 - Cartões movimentam R$ 580 bi no 1º semestre, alta de 6,3% em um ano, diz Abecs


 veja mais
Cuiabá, Terça, 26/09/2017
 
Facebook Instagram
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 26/09/2017
783754c3175812cdf62663a53916e7cd anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Divulgação de novas gravações pode anular acordo de delação de Silval Barbosa




Logo_classifacil









Loja Virtual