Como esperar (e agir para) que 2018 seja melhor | Gazeta Digital

Quinta, 28 de dezembro de 2017, 10h05

Ano novo

Como esperar (e agir para) que 2018 seja melhor

Por Daniel Martins de Barros


Estadao

Antes da festa de ano-novo é bom reforçar algo que provavelmente você já sabia, mas foi cientificamente comprovado: não existe forma de prevenir nem tratar a ressaca. Ah, e vale lembrar que dormir mal nos deixa menos atraentes. E também que comer peru não causa sonolência. Todas essas pesquisas foram publicadas ao longo dos últimos anos na prestigiosa científica British Medical Journal (renomeada BMJ), em sua aguardada e disputada edição de Natal. A revista, cujo fator de impacto passa dos vinte (ou seja, as pesquisas que ela publica são citadas em média por outras vintes pesquisas, o que dá a medida de sua importância), reserva um fascículo por ano, na época natalina, para artigos que, embora rigorosos, sejam também leves, bem humorados ou que de alguma forma carreguem o espírito das festas.

Esse ano a edição comemorativa publicou um editorial encabeçado pelo colega psiquiatra brasileiro Rodrigo Affonseca-Bressan com o sujestivo título Hope is a therapeutic tool (algo como Esperança é um instrumento terapêutico). Realmente propício para o momento.

Diferente do otimista, que acredita que o melhor irá acontecer, o esperançoso acredita que o melhor pode acontecer. E exatamente por não dar o resultado positivo como favas contadas ele se coloca em ação, fazendo o que precisar para aumentar a chance de alcançar sua meta. O otimismo pode até ter o efeito oposto – lembremos o que aconteceu com a lebre na disputa com a tartaruga. O pessimismo, então, nem se fale. Não se trata, portanto, da crença inocente de que tudo sempre dará certo; tampouco da irreal expectativa de que tudo dará errado. É a noção de que existem estratégias a serem colocadas em marcha por nós mesmos, as quais podem influenciar positivamente em nosso destino.

Os autores citam exemplos de como a esperança pode ser útil em casos de doenças crônicas, como asma e até esquizofrenia, e por isso destacam seu papel terapêutico. Ressaltam, então, que a capacidade de transmitir esperança – não falsas expectativas, veja bem – pode e deve ser ensinada aos médicos. Afinal, quando estamos doentes existem duas coisas que queremos saber: o que está acontecendo conosco e se há esperança. Ou seja, se há algo que devamos fazer que possa ajudar no tratamento.

Mas a dica não vale só para profissionais da saúde. Todos nós queremos ter esperança no ano novo. A cada Réveillon desejamos que o ano que entra seja melhor em alguns (ou vários) aspectos. Então fica a lição: não basta ser otimista. É preciso ter esperança – aquilo que nos faz acreditar que algo é possível, definir estratégias e começar. Ou, como disse Paulo Freire, “temos mesmo é de esperançar”.

Feliz 2018 a todos!

 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Sábado, 21 de abril de 2018

10:10 - Westworld vira um jogo de gato e rato

Sexta, 20 de abril de 2018

16:08 - Moisés Martins é homenageado em documentário lançado nesta sexta-feira

Segunda, 16 de abril de 2018

11:57 - Documentário 'Auto de Resistência' mostra a violência policial no Rio

Domingo, 15 de abril de 2018

11:28 - Perdidos no Espaço retorna pela Netflix

Quinta, 12 de abril de 2018

15:53 - Famosa 'DR' para resolver os conflitos faz bem ao casamento, indica pesquisa

10:32 - Rampage - Destruição Total

Domingo, 08 de abril de 2018

11:16 - Jeito cuiabano dá vida a personagens que mantêm viva a tradição cultural

Sábado, 07 de abril de 2018

10:03 - O movimento presente em Pantera Negra

Sexta, 06 de abril de 2018

07:00 - Munhoz e Mariano, Luan Santana e Só Pra Contrariar agitam Cuiabá

Quinta, 05 de abril de 2018

16:24 - Descobri que meu parceiro está em um aplicativo de paquera. E agora?


 ver todas as notícias
Cuiabá, Quinta, 26/04/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quinta, 26/04/2018
2f8a4ad01ac2cdfd8dde377dc7eb1047 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Proposta sugere que presos ainda não condenados tenham prisão substituída por atividades escolares




Logo_classifacil









Loja Virtual