Triste estatística | Gazeta Digital

Segunda, 11 de junho de 2018, 00h00

Triste estatística

Rosana Leite Antunes de Barros


Dia 05 de junho foram apresentados os novos dados do Atlas da Violência 2018, através de estudo elaborado pelo IPEA em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Como sempre é de se esperar, a violência contra a mulher apresentou estatísticas muito acima do esperado.

Os assassinatos de mulheres aumentaram em 6,4% nos últimos dez anos. Dados alusivos a 2016 mostram que 4.645 mulheres foram mortas no país por ano, representando 4,5 homicídios para cada 100 mil brasileiras. A taxa de feminicídios entre as mulheres negras é a mais alarmante, com um percentual de 5,3, se comparado às não negras, com 3,1. Em dez anos de análise, houve um aumento de 15,4% nos assassinatos de mulheres negras, havendo uma queda entre aquelas que não são negras de 8%.

Os números do Atlas da Violência não refletem fidedignamente o que se cuida de feminicídio. O delito adentrou na esfera jurídica brasileira em 09 de março do ano de 2015, se constituindo em crime de gênero, quando a mulher é assassinada por ser mulher. A divisão estatística quanto ao feminicidio não é realidade no Brasil ainda, mesmo com a sanção da mencionada lei há três anos. Entretanto, os assassinatos de mulheres são situações em que, na maioria das vezes, é possível a prevenção, se constituindo em feminicídio 90% dos casos.

O exame identificou uma espécie de surpresa ao detectar aumento significativo das estatísticas nos estupros. São quase 50 mil casos dessa violência por ano no Brasil. Segundo o sistema de saúde, 68% dos casos são de crianças e adolescentes de até 13 anos de idade. Um terço dos agressores são amigos ou conhecidos da vítima. O abominável, porém, conhecido dado, é que 30% dos episódios ocorrem dentro do ambiente doméstico e familiar, tendo como algozes os pais, padrastos e irmãos. Em 55% dos lastimáveis fatos é recorrente serem conhecidos da vítima, e 78,5% aconteceram dentro da própria residência da vítima. A subnotificação ainda é realidade a ser combatida, quando se fala em violência sexual.

A violência doméstica e familiar é a verdadeira "chagas" a ser combatida, compelida e enfrentada pela sociedade mundial. Vem sendo frequente mulher já amparada pela Lei Maria da Penha, com medida protetiva de afastamento do agressor deferida judicialmente, ser executada cruelmente pelo homem. Esse crime é extremamente grave, porquanto, a vítima pode ser facilmente "caçada" pelo carrasco, por ele conhecer todos os lugares que ela constantemente é encontrada. Não raras vezes deparamos com tragédias cometidas após a soltura do agressor, detido, justamente, pela agressão à mulher. A legislação brasileira tem a prisão como a última razão do sistema processual penal, e assim deve ser. Todavia, a periculosidade e raiva com a qual os agressores de mulheres estão a agir, é sinal da necessidade de revisão legislativa dos requisitos da prisão preventiva, em se tratando de violência doméstica e familiar. As estatísticas devem ser o suficiente a nortear o Poder Legislativo neste sentido.

O sentimento de impunidade é, também, motivo para a ocorrência de tantos delitos contra mulheres...

Rosana Leite Antunes de Barros é defensora pública estadual.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 15 de agosto de 2018

00:00 - A nova capital do Brasil

00:00 - O homem que amava os cachorros

00:00 - Napoleão e os contribuintes

00:00 - O atendimento à saúde vai mudar

00:00 - Clima de deserto no inverno

Terça, 14 de agosto de 2018

00:00 - Golpe de Maggi contra Cuiabá

00:00 - O jovem, o eleitor e o cidadão

00:00 - Bandidagem na periferia

00:00 - Como prevenir assédio?

00:00 - Luz no túnel


 ver todas as notícias
GDEnem

Cuiabá, Quarta, 15/08/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 15/08/2018
Dcb362fa6df370b7d120182d5bfb19db anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual sua opinião sobre os debates com candidatos na TV e rádio?




Logo_classifacil









Loja Virtual