Crime de lesa-pátria | Gazeta Digital

Sábado, 10 de março de 2018, 00h00

Crime de lesa-pátria

Rapphael Curvo


Estamos vivendo no ano de 2018, século XXI, e milhões de jovens brasileiros perambulam pelas esquinas da vida sem saber o que fazer, totalmente desestimulados e sem quaisquer perspectivas no presente e no futuro. É um Exército com potencial enorme para entrar na universidade do crime. O número é gigantesco, são 25 milhões que estão encontrando dificuldades para se achar nesse emaranhado de inconsequências em que vive o Estado brasileiro. Os exemplos que vêm de cima estão esfacelando a organização moral e ética do País e levando de roldão, por influência, a família, o que aumenta ainda mais as possibilidades de perda total de gerações que são jogadas todos os anos na lata de lixo. As consequências virão e em curto prazo.

Toda essa baderna, que se processa há anos, tem seus autores protegidos por conceitos efêmeros que já não cabem mais diante de um mundo desenvolvido e de boa base de consciência. Em nome de ideologias, comportamentos "politicamente corretos" e endeusamento de líderes da pior laia, a população vai sendo conduzida a fazer o seu próprio cadafalso. As únicas forças existentes e com condições de mudar radicalmente tal situação no Brasil, as FFAA, falharam e continuam omissas, servindo apenas de caçadoras de traficantes para tentar resolver uma situação pontual criada por ladroagem e patifarias dos governantes. Não passa por ela, é o que parece, o exame mínimo de como anda essa alarmante situação em que vive a população. De duas uma, ou ignoram deliberadamente, o que não deixa de ser uma atitude criminosa, ou estão de joelhos diante dos bandos que dominam o poder. Pior, não passa pelas cabeças dos militares o que nos espera a curto prazo com esses alarmantes 25 milhões de jovens e outros tantos em situações calamitosas que, em sequência, vão desabando no fosso da pobreza cultural, financeira e profissional. É crime de lesa-pátria.

É visível e sabido que a educação brasileira se desmantelou com o aparelhamento promovido há anos pela classe política. O caldo da ignorância educacional engrossou mais ainda com a subida da esquerda ao Poder. Por serem desqualificados e incompetentes para assumir o governo de um País como o Brasil, era de se esperar que os esfomeados de comida e dinheiro fossem abduzidos pela nave da mordomia e fartura. O resultado da omissão dos intelectuais e dos profissionais liberais, com futura adesão em massa destes ao ilusionismo esquerdista, trouxe o Brasil ao patamar em que está, de completo vácuo de organização que, só pelos santos protetores, ainda não desandou definitivamente. Um ano ainda nos separa de um novo governo e, pelo que está à mostra, não podemos esperar muita coisa. É pensar só um pouco, todos os candidatos postados pelos grandes partidos até agora, são os mesmos que estão há anos nadando nesse mar de lama política em que vivemos.

A população está desmobilizada e continua a ter um comportamento de que ela nada tem a ver com a política, como se todo sofrimento por que passa não é consequência dos péssimos governos que estiveram à frente da administração brasileira. Chega a ser um absurdo milhões de brasileiros desconhecerem quem é o presidente e até mesmo o governador do seu Estado. É fácil saber que o resultado disso está na ignorância cultural e na falta de frequência nos bancos de escola. O Congresso Nacional, nas barbas da grande imprensa e da maioria dos revoltosos chefes das passeatas que em grande parte se comportaram em causa própria, aprova uma lei que usa de dinheiro do povo, que por isso mesmo é denominado público, para financiar campanhas de candidatos de instituições de direito privado. Isso é uma excrescência. Usa, como exemplo, do dinheiro da saúde, cerca de 70 milhões, para financiar candidaturas. O dinheiro não terá distribuição igualitária entre os candidatos, os mais conhecidos receberão maior parcela. É lógico que as velhas raposas serão beneficiadas, são elas que tomam conta do galinheiro, ou seja, mandam nos diretórios.

A Lei exige a prestação de contas e aí está uma das maiores piadas. "Os recursos provenientes do Fundo Eleitoral que não forem utilizados nas campanhas eleitorais deverão ser devolvidos ao Tesouro Nacional, integralmente, no momento da apresentação da respectiva prestação de contas". Será que vai sobrar? "Qualquer aliança política, traiçoeira, que causa prejuízos ao País, acabando com a Democracia, Soberania e Liberdade de seu povo, bem como efetuando desvios fraudulentos dos cofres públicos, impondo com isso um regime autoritário fundamentado na esquerda ou direita, radical ou não, aparelhando o Estado e subjugando o povo, enganando, comprando, escravizando ou fraudando eleições para permanecer no Poder", é crime de lesa-pátria.

Rapphael Curvo é advogado, jornalista e escreve neste espaço aos sábados

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 20 de junho de 2018

19:12 - Mudar a gestão da Petrobras é uma necessidade urgente

00:00 - Condomínios e consórcios de produtores

00:00 - Casa de cupim

00:00 - Lei dos defensivos agrícolas

00:00 - O papel do administrador

00:00 - Paliativos na economia

Terça, 19 de junho de 2018

17:30 - Imposto sobre a morte?

17:17 - Árbitro de vídeo

00:00 - Ecologia do medo e da culpa

00:00 - Retrovisor e luz de ré


 ver todas as notícias
Cuiabá, Quarta, 20/06/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 20/06/2018
845f3eba647f5498546cb197c3e58484 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual o futuro de Neymar nessa Copa do Mundo?




Logo_classifacil









Loja Virtual