Corte na Amazônia Legal | Gazeta Digital

Segunda, 12 de fevereiro de 2018, 00h00

Corte na Amazônia Legal

Caiubi Kuhn


Para início de conversa, não estarei aqui neste artigo abordando sobre o desmatamento, o corte que digo é outro, mas também afeta o futuro da nossa região diretamente. Este artigo fala um pouco sobre os efeitos da redução do orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) nas universidade e centros de pesquisas situados na Amazônia Legal.

Entende-se por Amazônia Legal o território composto por 9 estados sendo eles: Acre, Amapá, Pará, Amazonas, Rondônia, Roraima, Mato Grosso, Tocantins e Maranhão, que juntos representam 59% do território Brasileiro. Nestes estados há ocorrência da vegetação amazônica, mas para além da vegetação os estados possuem também problemas econômicos, políticos e sociais similares em vários aspectos.

A dificuldade enfrentada na região da Amazônia Legal vai muito além da falta de logística para exportar a produção da região. Os centros de pesquisas também possuem seus problemas entre eles, a dificuldade de conseguir se tornar atrativo para pesquisadores renomados, devido à escassez de recursos das agências de fomento e falta de estrutura para desenvolvimento de pesquisa. Mesmo com essas dificuldades, nas últimas décadas ocorreu um crescimento surpreendente do número de programas de pós-graduação com cursos de mestrado e doutorado. Estou falando dos programas de pós-graduação, pois neles que boa parte da pesquisa brasileira é desenvolvida e apresentada através de teses e dissertações.

Contudo, mesmo com esse crescimento, os programas de pós-graduação, em geral, ainda estão com uma estrutura muito menor que a existente em universidades no Sul e Sudeste e parte do Nordeste. Esses números ficam claros quando analisamos o relatório Research in Brazil divulgado recentemente pela Clarivate Analytics. O documento trouxe a público o resultado do desempenho em desenvolvimento de pesquisa das principais universidades Brasileiras no período entre 2011 e 2016, e adivinha só, entre as 20 melhores não está nenhuma universidade situada na Amazônia Legal. Na classificação por Estado, todos os 9 estados da região estão situados entre as 14 piores posições, sendo as 6 últimas compostas só por estados da Amazônia Legal.

A pesquisa faz parte do tripé da universidade, e possui relação direta com ensino e com a extensão universitária. Ou seja, a pesquisa possibilita formar profissionais melhores e mais qualificados e auxilia a buscar soluções para os problemas que a população vive no dia-a-dia. O Corte no orçamento do MCTIC certamente reduz ainda mais os já escassos recursos existentes nas instituições de pesquisa, e o efeito dessa medida do governo será sentido com maior intensidade nos estados da Amazônia Legal. Precisamos defender nossas instituições de pesquisa, pois um país com ciência e educação precária, com certeza está fadado a um destino trágico.

Caiubi Kuhn é geólogo, mestre em Geociências pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Docente do Instituto de Engenharia, Campus de Várzea Grande, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

E-mail: caiubigeologia@hotmail.com

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Terça, 20 de fevereiro de 2018

00:00 - Inovação e empregabilidade

00:00 - E agora, Pedro?

00:00 - Auxílio-moradia dos juízes

00:00 - Quem será o próximo presidente?

00:00 - Não poupamos

Segunda, 19 de fevereiro de 2018

16:23 - A intervenção federal nas cidades pode ser problema e não solução

16:17 - O Brasil precisa de um choque liberal

00:00 - Economia intangível

00:00 - Riscos on-line

00:00 - Na contramão do desenvolvimento


 ver todas as notícias
Cuiabá, Terça, 20/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 20/02/2018
768bdb65035787436f1bc4ad07df1cf3 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Após 15 anos, Arcanjo deixa a prisão e vai cumprir regime semiaberto




Logo_classifacil









Loja Virtual