O IPVA Coercitivo | Gazeta Digital

Terça, 21 de novembro de 2017, 14h46

Victor Maizman

O IPVA Coercitivo

Victor Humberto Maizman


Tenho sempre apontado que a legislação federal, estadual e municipal deve sempre estar em consonância com as regras e limites previstos na Constituição Federal.

Pois bem, o Código de Trânsito Brasileiro ao condicionar o licenciamento do veículo mediante o pagamento do Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor-- IPVA, deixa de observar o “Princípio do Devido Processo Legal”, trilhado de um absolutismo que há muito já estava banido de nosso universo normativo, levando a que o adimplemento se faça por dever de inequívoca necessidade.

O que de fato norteia a vinculação aqui apontado como inconstitucional foi mesmo o implemento de um mecanismo de coação, que, por sinal, inverte as regras inerentes ao processo de cobrança da dívida, pois premia o ente credor por sua inação. De fato, faz com que o Poder Público, ao invés de ajuizar a ação de Execução na busca de receber o crédito inadimplido, acomode-se na espera de que o devedor, sufocado pelo cerceamento ao regular desempenho de suas atividades, busque quitar a pendência.

Mais do que isso, o que impulsiona a expedição do licenciamento do veículo é o propósito de liberar o Poder Público da formalização de seus créditos, que culmina com a inscrição em Dívida Ativa para oportuno ajuizamento da Execução Fiscal. Pois de fato, o cerceamento aos direitos daqueles que ficam impedidos de obter o licenciamento, tem por base a mera impontualidade por parte do contribuinte, independente da circunstância de estar, ou não, regularmente constituída a dívida tida por inadimplida.

Assim, o emprego da coação em lugar da Execução é absolutamente injurídico. Aliás, o Supremo Tribunal Federal já cuidou de reprimir este tipo de postura através de vários julgados.

Ademais, torna-se imprescindível declinar que a própria Corte Suprema já sumulou a matéria ao sentenciar que “é inadmissível a interdição de estabelecimento como meio coercitivo para a cobrança de tributo”, bem como é “inadmissível a apreensão de mercadorias como meio coercitivo para pagamento de tributos”.

Nesse sentido, o Código Brasileiro de Trânsito viola a Constituição Federal, posto que sem o porte do documento de licenciamento, o veículo ficará a mercê de ser apreendido.

Do exposto, mais uma vez torna-se imprescindível a intervenção do Poder Judiciário, a fim de que afaste a exigência prevista no Código de Trânsito, devendo assim, fazer prevalecer a Constituição Federal.

Victor Humberto Maizman é advogado, consultor jurídico tributário e professor em Direito Tributário

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Terça, 13 de fevereiro de 2018

16:12 - O Carnaval tributário

Quarta, 07 de fevereiro de 2018

13:40 - Na contramão do desenvolvimento

Quarta, 31 de janeiro de 2018

00:00 - Irresponsabilidade do sócio

Quinta, 18 de janeiro de 2018

12:47 - Lei de bloqueio do patrimônio

Segunda, 08 de janeiro de 2018

14:54 - E o Temer vetou

Segunda, 27 de novembro de 2017

15:10 - A taxa judicial

Segunda, 30 de outubro de 2017

00:00 - Crime de responsabilidade


// leia também

Terça, 20 de fevereiro de 2018

00:00 - Inovação e empregabilidade

00:00 - E agora, Pedro?

00:00 - Auxílio-moradia dos juízes

00:00 - Quem será o próximo presidente?

00:00 - Não poupamos

Segunda, 19 de fevereiro de 2018

16:23 - A intervenção federal nas cidades pode ser problema e não solução

16:17 - O Brasil precisa de um choque liberal

00:00 - Economia intangível

00:00 - Riscos on-line

00:00 - Na contramão do desenvolvimento


 ver todas as notícias
Cuiabá, Terça, 20/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 20/02/2018
768bdb65035787436f1bc4ad07df1cf3 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Após 15 anos, Arcanjo deixa a prisão e vai cumprir regime semiaberto




Logo_classifacil









Loja Virtual