JBS doou R$ 4,223 milhões a políticos em MT | Gazeta Digital

Sexta, 19 de maio de 2017, 11h33

LAVA JATO

JBS doou R$ 4,223 milhões a políticos em MT

Celly Silva, repórter do GD


As empresas dos irmãos Joesley e Wesley Batista, pivôs da última fase da operação Lava Jato, Seara e JBS gastaram R$ 4.223.075,00 com doações a campanhas de candidatos nas eleições de 2014.

Delações dos irmãos Joesley e Wesley e ações monitoradas em conjunto com a Polícia Federal resultaram no afastamento do senador Aécio Neves (PSDB) e no indiciamento do presidente Michel Temer (PMDB), na última segunda-feira (15).

Marcos Oliveira/Agência Senado/Maurício Barbant/João Vieira

Wellington Fagundes (PR), Eduardo Botelho (PSB), Lúdio Cabral (PT) e Carlos Bezerra (PMDB) foram os que receberam maiores valores da JBS, em Mato Grosso 

Somente para os cargos de senador e deputado federal em Mato Grosso, foram desembolsados R$ 3.280 milhões em doações eleitorais, conforme o Sistema de Prestação de Contas Eleitorais (SPCE) disponibilizado no site da Justiça Eleitoral.

Quem mais recebeu foi o senador Wellington Fagundes (PR). Foram cinco doações recebidas que totalizaram R$ 1.850 milhão, sendo duas da marca Seara, uma de R$ 200 mil e outra de R$ 250 mil. Outras três doações chegaram por meio da JBS S/A, sendo duas de R$ 500 mil e uma de R$ 400 mil. Todos os pagamentos ocorreram em cheques, mediados pelo diretório nacional do Partido Republicano.

Dentre os deputados federais, Carlos Bezerra (PMDB) foi o que mais recebeu doações da empresa JBS, em 2014. Foram duas doações de R$ 500 mil cada, totalizando R$ 1 milhão, pagos por meio do diretório nacional. Um dos pagamentos ocorreu via cheque e outro por transferência eletrônica.

Os deputados federais Fábio Garcia (PSB) e Ságuas Moraes (PT) receberam naquele ano R$ 150 mil cada da JBS. Os pagamentos foram intermediados pelos respectivos diretórios estaduais e pagos via transferência eletrônica.

Adilton Sachetti (PSB) e Valtenir Pereira (PMDB) receberam R$ 50 mil cada um, também mediante repasse partidário. Sachetti recebeu em cheque e Valtenir por depósito em espécie.

O que menos recebeu doação da empresa foi Victório Galli (PSC). Através de seu diretório estadual, ele ganhou R$ 30 mil em doação eleitoral da JBS S/A.

Os deputados federais Ezequiel Fonseca (PP) e Nilson Leitão (PSDB) não receberam doação da empresa.

Deputados estaduais

Três deputados estaduais também foram beneficiados com recursos da maior empresa do ramo de frigorífico do mundo, que também é alvo do maior esquema de corrupção já descoberto no país.

Na Assembleia Legislativa, o parlamentar que mais recebeu foi o presidente da Casa, Eduardo Botelho (PSB). A ele o diretório estadual repassou R$ 350 mil doados pelos irmãos Batista.
Alan Kardec (PT) recebeu R$ 77 mil da JBS via repasse do deputado federal Carlos Bezerra (PMDB). Já Mauro Savi (PSB) foi beneficiado com R$ 6.737,5 da JBS Frigorífico, também repassados por Carlos Bezerra.

Governo

Dentre os concorrentes ao cargo de governador na disputa de 2014, Lúdio Cabral (PT) foi o único que recebeu doações da empresa investigada. O diretório nacional petista repassou naquela ocasião o montante de R$ 475 mil à campanha e o senador Wellington Fagundes fez três repasses de R$ 18.525,00; R$ 11.875,00 e R$ 3.937,50 cada.
 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sexta, 18 de agosto de 2017

18:10 - Lava Jato investiga empresas estrangeiras envolvidas em fraudes

15:48 - Moro manda bloquear R$ 6 milhões das contas de Vaccarezza

14:34 - Prisão tem base em delações contraditórias, diz defesa de Vaccarezza

14:03 - PF acha R$ 122 mil em dinheiro na casa de Vaccarezza

08:46 - Ex-gerente da Petrobrás acusado de propinas chora a Moro por liberdade

08:18 - Ex-deputado Cândido Vaccarezza é preso em nova fase Lava Jato

Quinta, 17 de agosto de 2017

19:48 - Decisão do STF sobre impeachment de Temer sai até próxima semana

15:16 - Lula pede a Moro que suspenda interrogatório de setembro

13:55 - OAB pede ao STF que obrigue Maia analisar impeachment de Temer

08:33 - PF não vê corrupção por Valdir Raupp em um inquérito da Lava Jato


// leia também

Sexta, 18 de agosto de 2017

15:42 - OAB quer 'devassa' em todo processo de interceptação telefônica

14:56 - Presidente da Caixa defende retomada do VLT em Cuiabá e VG

11:21 - 'Não sou prioridade no grupo de Taques', diz Medeiros

10:30 - Leitão é contra distritão e criação do fundo partidário

10:08 - Vereadores querem direito a 13º salário; TCE rejeita consulta

09:53 - PTB quer Antônio Joaquim para disputar o governo do Estado

Quinta, 17 de agosto de 2017

22:03 - Acordo evita fechamento de hospitais filantrópicos

15:30 - Prefeito em exercício pede ao ministro da Saúde aumento de repasse ao Pronto Socorro

15:08 - Deputados são proibidos de controlar gastos com passagens e combustível

12:45 - Após reunião com governo, Assembleia destrava PEC do Teto


 veja mais
Cuiabá, Sábado, 19/08/2017
 

Sebrae

Facebook Instagram
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 19/08/2017
44700daf2f1bf6eec9a853777d174124 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O prefeito de Cuiabá suspendeu, pela segunda vez, as multas de trânsito aplicadas por meio de videomonitoramento.




Logo_classifacil









Loja Virtual