Senador defende diretas sem participação de políticos investigados | Gazeta Digital

Quinta, 18 de maio de 2017, 17h48

Sem mácula

Senador defende diretas sem participação de políticos investigados

Karine Miranda, repórter do GD


O senador José Medeiros (PSD) defendeu que haja eleições diretas para a Presidência da República após o presidente Michel Temer (PMDB) ter sido gravado supostamente sugerindo a compra do silêncio do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Além de novas eleições, o senador sugeriu que os investigados em processos criminais sejam impedidos de participar do pleito.

Temer foi gravado, em áudio, pelo empresário Joesley Batista, onde teria sugerido que se mantivesse pagamento de mesada de Batista ao ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e ao doleiro Lúcio Funaro, para que estes ficassem em silêncio. A denúncia veio à tona no jornal O Globona quarta-feira (17).

Waldemir Barreto/Agência Senado

Senador defende eleições diretas sem investigados 

De acordo com o senador, que é vice-líder de Temer no Senado, a melhor solução para “os problemas políticos” do país é uma eleição presidencial direta, na qual o povo iria às urnas. Ele afirmou que já existe uma movimentação entre os parlamentares no Congresso Nacional para apresentação de Proposta de Emenda à Constituição (PEC).

“Fomos tomados de surpresa pelas delações da JBS e surgiu diversas hipóteses sobre o destino do presidente. Mas já começou um trabalho no sentido de que tem que ter eleições e que as eleições têm que ser diretas. Concordo que o povo possa escolher, agora precisamos resolver de uma vez por todas a crise”, disse.

Segundo Medeiros, também está previsto que a emenda proíba que os investigados em processos criminais participem do pleito. “Não dá para a gente fazer uma eleição que não resolva os nossos problemas políticos. É importante fazer uma eleição que não tenha investigados”, afirmou.

Sobre o princípio da presunção de inocência, que prevê que ninguém é culpado até que o processo seja julgado, previsto na Constituição, o senador afirmou há a necessidade de se “abrir uma exceção” em decorrência do momento politico do Brasil.

“Nesse caso vamos abrir uma exceção e falar que, para presidente da República, ele não pode estar sendo investigado, não pode pesar sobre ele nenhuma mácula ou mancha que venha daqui em um futuro próximo trazer novamente uma crise politica para o Brasil”, disse.

Ainda conforme o senador, o momento politico é muito delicado para se correr o risco de que novos escândalos envolvendo presidentes ocorra. “Nós estamos em um momento em que precisamos trocar dois pneus com o carro andando e isso é muito difícil fazer sem ele tombar. Por isso, precisamos fazer rápido e de uma vez por todas”, encerrou.

Gazeta Digital também está no Facebook, Twitter, YouTube e Instagram    



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Terça, 25 de julho de 2017

11:36 - Alckmin reúne DEM, e aliado prevê desembarque do governo Temer

11:34 - Por apoio, Temer vai ligar para 80 deputados

07:45 - Janot avalia juntar 2 crimes em denúncia contra Michel Temer

Segunda, 24 de julho de 2017

19:41 - Governo estuda plano de demissão voluntária para servidores federais

Sexta, 21 de julho de 2017

15:31 - Temer diz que compreende reação contrária da indústria ao aumento de tributos

15:02 - Meirelles cochila durante discurso de Presidente Temer em reunião do Mercosul

08:22 - Planalto deve exonerar ministros para votar denúncia e quer base 'fidelizada'

Quinta, 20 de julho de 2017

08:20 - Para evitar grampos, gabinete de Temer ganha misturador de voz

Quarta, 19 de julho de 2017

20:02 - Temer sanciona projeto que libera R$ 102 mi para emitir passaportes

08:05 - Ministros minimizam mal-estar entre Temer e Maia por conta do PSB


// leia também

Terça, 25 de julho de 2017

18:16 - PM preso por envolvimento em grampos saiu da prisão para ir à Boate Crystal

16:06 - VG debate LOA com R$ 727 milhões e mantém investimentos para próximo ano

09:31 - Campanha do Grupo Gazeta estimula sociedade a denunciar corrupção - Veja vídeos

09:30 - Governo vai enviar PEC do Teto e reforma administrativa em agosto para AL

08:51 - Aumento do diesel vai prejudicar MT, diz chefe da Casa Civil

Segunda, 24 de julho de 2017

17:46 - Prefeito dá folga para servidores curtirem a temporada de praia em MT

16:54 - Bezerra compara Michel Temer com Jesus Cristo e fala em 'injustiça'

10:21 - Paulo Prado diz que não volta para presidência do MP

08:43 - Secretário confirma uso de depósitos judiciais para pagamento de dívidas

Domingo, 23 de julho de 2017

13:38 - Juíza nega pedido de cassação de vereadores de VG, prefeita e vice


 veja mais
Cuiabá, Terça, 25/07/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 25/07/2017
D0ab83a68d9c5d64ce32d7f10e3cc4b2 anteriores

WhatsApp




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Quatro CPIs podem funcionar no Congresso após o recesso de julho.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual