Jornalista foi incluído em todos os pedidos de escutas da PM, em 2015 | Gazeta Digital

Quarta, 17 de maio de 2017, 21h22

codinome 'mumu'

Jornalista foi incluído em todos os pedidos de escutas da PM, em 2015

Celly Silva, repórter do GD


O jornalista José Marcondes ‘Muvuca’, que concorreu ao cargo de governador na eleição de 2014, e a ex-servidora pública Tatiane Sangalli foram monitorados irregularmente pelo Núcleo de Inteligência da Polícia Militar entre os meses de abril e setembro de 2015. A deputada estadual Janaina Riva (PMDB) teve seu número de telefone incluído no esquema de arapongagem em agosto daquele ano.

Chico Ferreira

Jornalista José Marcondes afirma que vai acionar Estado na Justiça

É o que apontam os autos que constam nos processos de interceptação telefônica autorizados pelo juiz Jorge Alexandre Martins Ferreira, que naquela época atuava na 1ª Vara Criminal de Cáceres. Os documentos foram divulgados nesta quarta-feira (17) pelo site de Muvuca, que falou ao Gazeta Digital que está revoltado pelo fato de ter seu nome incluído nos processos como um criminoso ligado a uma quadrilha de tráfico internacional de drogas.

Ele afirma que vai acionar o Estado, o governador Pedro Taques (PSDB) e o ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques, na Justiça, por acreditar que tenha partido deles a ordem para os grampos ilegais.

Nos pedidos de interceptação elaborados pelo policial militar Gerson Luiz Ferreira Correa Júnior, do núcleo de inteligência da PM, e nas decisões judiciais, Muvuca foi identificado com os codinomes “Mumu” e “ PM contato do sargento Rodolfo”, já que, segundo a investigação, havia policiais militares envolvidos no tráfico de drogas na região de fronteira entre Cáceres e Bolívia.

Conforme os documentos que surgiram até o momento, a autorização da interceptação foi dada em 3 de março de 2015 e limitava a escuta por 15 dias. As interceptações ocorreram efetivamente entre 14 de abril e 2 de maio daquele ano, conforme o relatório de análise nº 07/2015/GAN/PMMT, assinado pelo policial Gerson Correa, que investigava tráfico de entorpecentes com participação de policiais militares do 6º Comando Regional – Cáceres.

“Destarte, necessitamos aprofundar ainda mais junto a esses corruptos, visando identificar o modus operandi deles, a estrutura logística e demais características peculiares a essa organização criminosa, que atua preponderantemente na região Oeste do estado de Mato Grosso, tendo como base o município de Cáceres”, diz trecho do relatório.

Welington Sabino

Juiz Jorge Alexandre autorizou escutas contra traficantes, em que foram incluídos telefones de pessoas alheias ao caso

Gerson pediu ao juiz a prorrogação da interceptação nos números de Tatiane Sangalli, identificada como “Tatu” e de José Marcondes, cuja identidade foi disfarçada com o apelido “Mumu”, no dia 20 de maio. Na ocasião, também houve o pedido de inclusão de outros dois policiais para realizar as escutas, sendo eles os PM’s Clayton Dorileo Rosa de Barros e Andrea Pereira de Moura Cardoso.

Todas as solicitações foram acatadas pelo magistrado que, em sua decisão, registrou como “PM contato com sargento Rodolfo” o que no relatório policial constava como “Mumu”.

Já em 23 de junho de 2015, o juiz prorrogou novamente as interceptações telefônicas a pedido da inteligência da PM. Com base nesta decisão, foram realizadas escutas entre 1 e julho e 21 de julho de 2015.

Conforme aponta o relatório de análise n° 011/2015/GAN/PMMT, o PM Gerson relatou que fez novas investigações entre 23 de julho e 9 de agosto e apontou novamente a participação de “Tatu” e “Mumu”, além de pedir a inclusão de “Janair”, codinome dado à deputada estadual Janaina Riva, nas escutas telefônicas.

Com base nesse relatório, o juiz autorizou a prorrogação e inclusão de interceptações no dia 12 de agosto de 2015, quando Janaina também passou a ser monitorada pela Polícia.
Após esta decisão, o PM Gerson elaborou o relatório de análise nº 013/2015/GAN/PMMT, assinado em 3 de setembro de 2015, em que afirmou ter feito investigações entre 14 de agosto e 2 de setembro, que resultaram em prisões de traficantes em Rondonópolis e Barra do Garças.

Veja documentos na íntegra em anexo

 

Icon_011 grampos (14.1 MB)


Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sexta, 26 de maio de 2017

08:50 - Coronel Jorge Catarino é convocado para investigar PMs acusados de grampos ilegais

Quinta, 25 de maio de 2017

15:42 - Coronel se declara suspeito para investigar grampos

Quarta, 24 de maio de 2017

19:00 - Viana requer 'CPI dos Grampos' e cobra assinaturas

16:37 - Estado convoca coronel da reserva para investigar grampos

16:13 - Telefone do Gaeco também foi grampeado, denuncia MPE

13:22 - Janaina cita vaias a governador e pede renúncia de Taques

Terça, 23 de maio de 2017

18:15 - Coronel Zaqueu contatou juízes para obter escutas

17:37 - Policiais são suspeitos de 8 crimes com uso da máquina estatal

15:22 - Juiz estima que escutas ilegais chegam a 1 mil; coronel e cabo estão presos

Domingo, 21 de maio de 2017

10:47 - Esposa de coronel faz textão de defesa no Face


// leia também

Sábado, 27 de maio de 2017

14:33 - Ato com máscaras em Copacabana pede fim da corrupção e reforma política

11:59 - Governo de MT pagou em 3 dias R$ 67 milhões para a saúde

11:00 - Poderes dão sinal positivo para uso do Fethab na saúde

10:30 - Governo retirou recurso de salários para quitar repasse da saúde

09:49 - Propina na Arena Pantanal denunciada por Eder é investigada

Sexta, 26 de maio de 2017

19:15 - Prefeitura de VG paga salários dos servidores no próximo dia 30

16:55 - Galli diz que não tinha conhecimento de doação da JBS

15:55 - Deputado acusa médico e diz que vai denunciar ao MP

14:11 - Governo propõe RGA em 3 vezes e sindicalistas cogitam greve

Quinta, 25 de maio de 2017

20:08 - Maggi garante PP na base de Michel Temer e quer aprovação de reformas


 veja mais
Cuiabá, Sábado, 27/05/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sábado, 27/05/2017
A15215da12928356f3b205355fe27350 anteriores




Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O que o poder público deve fazer para acabar com áreas conhecidas como cracolândias nas cidades?



Logo_classifacil









Loja Virtual