Defesa de Chico Lima refuta delação da Odebrecht | Gazeta Digital

Quinta, 20 de abril de 2017, 17h47

'MANHOSO'

Defesa de Chico Lima refuta delação da Odebrecht

Celly Silva e Welington Sabino, repórteres do GD


Após ter seu nome citado na operação Lava Jato pelo ex-executivo da Construtora Norberto Odebrecht (CNO), João Antônio Pacífico, como recebedor de R$ 330 mil em propina para conseguir junto à União recursos necessários para quitação de dívida do Estado com a empresa, a defesa do ex-procurador do Estado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o Chico Lima, contestou a citação.

Otmar de Oliveira

Ex-procurador também responde a processos criminais nas operações Sodoma e Seven

“Não ocorreu citação do Chico Lima, do ponto de vista processual formal. Houve o anúncio de uma situação que, obviamente, tem que ser investigada . Está meramente aberta a fase de investigação”, disse o advogado João Cunha à imprensa, na tarde desta quinta-feira (20).

Cunha ainda levantou suspeita sobre a delação premiada do delator ao Ministério Público Federal (MPF), que pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, a abertura de inquérito contra o ministro da Agricultura e ex-governador de Mato Grosso, Blairro Maggi (PP), cuja segunda gestão seria a época em que os fatos apurados teriam ocorrido.

“Tem que ter o termo de homologação, tem que ter o áudio dessa oitiva. Se a oitiva do Pacífico é aquilo que a TV apresentou, certamente é ato nulo. (...) Todo delator tem que apresentar provas do que fala e não pode mentir. O delator, além de fazer prova do que afirma, tem que fazer prova - ou documental ou prova efetiva - de que dinheiro tivera realmente sido repassado, coisa que eu ignoro” afirmou.

No vídeo vazado da delação de João Pacífico, ele relata que a quantia de R$ 330 mil teria sido paga não só a Chico Lima, apelidado de “Manhoso”, mas também ao ex-procurador-geral do Estado João Virgílio Sobrinho, que recebeu o codinome “Careca” e ao então secretário-adjunto do Tesouro estadual Edmilson José dos Santos, que tinha o apelido de “Cofrinho” nas planilhas de propina da Odebrecht.

Os três teriam participado do processo para garantir, junto ao governo federal, recursos provenientes de previdência de servidores remanescentes da divisão de Mato Grosso, mas que também seriam usados para pagar uma dívida deixada por gestões anteriores com a empreiteira, que fez obras na MT-010. 

João Vieira

João Cunha, advogado de Chico Lima

O advogado ainda registrou que seu cliente ainda não teve a oportunidade de se defender nos autos. “Até o presente momento, a defesa não foi de nenhuma maneira oficialmente instada a se manifestar nessa apuração específica, onde uma delação de João Pacífico assegurou uma série de fatos”.

Questionado sobre a reação de Chico Lima após ser novamente vinculado a escândalo de corrupção (ele já é processado nas operações Sodoma e Seven – que apuram desvio de dinheiro público na gestão de Silval Barbosa), João Cunha disse que ainda não tratou do assunto com o procurador aposentado.

“Nós não tivemos oportunidade de conversar pessoalmente porque ontem, ele que é idoso e diabético, foi trazido erroneamente às dependências do fórum. Em razão de que eu estive, em sentido contrário, a procurá-lo no CCC e tivera sido impossível o nosso encontro”, explicou.
 

Gazeta Digital também está no Facebook, Twitter, YouTube e Instagram    



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 24 de julho de 2017

22:00 - Juízes federais criticam ofensas a Moro por causa de condenação de Lula

16:54 - Bezerra compara Michel Temer com Jesus Cristo e fala em 'injustiça'

15:25 - Lula diz que propina foi 'inventada' por empresários e pelo MP

14:31 - Supremo envia à PGR pedido de Temer para acesso a áudios

11:36 - Muitos queriam fim do governo Dilma e não da corrupção, diz procurador

08:05 - Novo Código de Processo Penal pode reavaliar delação e prisões preventiva

Domingo, 23 de julho de 2017

16:35 - Sérgio Moro manda comunicar Lula sobre bloqueio de bens

Quinta, 20 de julho de 2017

22:30 - Defesa de Lula pede à Justiça suspensão de bloqueio de contas e bens

22:00 - Manifestantes fazem atos de apoio a Lula em São Paulo e no Rio

17:39 - Justiça determina novo bloqueio de R$ 9 milhões em aposentadoria de Lula


// leia também

Terça, 25 de julho de 2017

09:31 - Campanha do Grupo Gazeta estimula sociedade a denunciar corrupção - Veja vídeos

09:30 - Governo vai enviar PEC do Teto e reforma administrativa em agosto para AL

08:51 - Aumento do diesel vai prejudicar MT, diz chefe da Casa Civil

Segunda, 24 de julho de 2017

17:46 - Prefeito dá folga para servidores curtirem a temporada de praia em MT

10:21 - Paulo Prado diz que não volta para presidência do MP

08:43 - Secretário confirma uso de depósitos judiciais para pagamento de dívidas

Domingo, 23 de julho de 2017

13:38 - Juíza nega pedido de cassação de vereadores de VG, prefeita e vice

Sábado, 22 de julho de 2017

08:34 - Medeiros defende que PSD fique com Temer até final de 2018

Sexta, 21 de julho de 2017

16:29 - Senador José Medeiros critica aumento de impostos sobre combustíveis

Quinta, 20 de julho de 2017

18:49 - Governo do Estado elabora segunda versão de acordo do VLT


 veja mais
Cuiabá, Terça, 25/07/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 25/07/2017
D0ab83a68d9c5d64ce32d7f10e3cc4b2 anteriores

WhatsApp




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Quatro CPIs podem funcionar no Congresso após o recesso de julho.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual