Pagot defende Blairo e afirma confiança em inocência | Gazeta Digital

Quarta, 19 de abril de 2017, 16h24

LAVA JATO

Pagot defende Blairo e afirma confiança em inocência

Celly Silva, repórter do GD


O ex-secretário de Estado de Infraestrutura na gestão de Blairo Maggi (PP), Luiz Antônio Pagot, afirma que está confiante em relação ao pedido de inquérito que foi recebido pelo ministro Edson Fachin, no Supremo Tribunal Federal (STF), para apurar suposto caixa dois na campanha de reeleição do ex-governador, em 2006, em que ele atuou como coordenador.

R7

Ex-secretário nega acusações de delatores da Odebrecht

Neste caso, Pagot é citado pelos ex-executivos da Construtora Norberto Odebrecht, João Pacífico e Pedro Leão, como interlocutor de uma negociação para quitação de uma dívida de R$ 50 milhões do Estado com a empresa, relativa à obra na MT-010, que estava há mais de dez anos atrasada.

“Tudo vai se esclarecer devidamente nos próximos dois, três meses. Assim que a investigação for aberta, assim que perguntado e responder, vai tudo se esclarecer, nisso eu tenho confiança”, disse o ex-secretário em entrevista à Rádio Capital FM.

Ele também negou que tenha feito qualquer tipo de negociação sobre a dívida do Estado com a empreiteira. Segundo ele, o débito realmente existia e foi detectado após uma auditoria feita logo no início da primeira gestão de Blairo no Executivo estadual, no episódio que, à época, ficou conhecido como “caixa preta”.

“Foi uma grande confusão porque o governo anterior não apresentou os ativos contabilizados e apresentou contas irregulares de R$ 86 milhões. Quando você ia levantar o cadastro de contas, você não conseguia identificar esses valores. Por isso mesmo, nós tivemos que fazer essa comissão, essa auditori. Posteriormente, toda essa documentação foi enviada à Procuradoria Geral do Estado (PGE) e o próprio governador fez uma audiência pública e apresentou os passivos não contabilizados e as contas regulares em junho de 2003. Em 2004 que esses cidadãos vieram me procurar e eu disse para procurar a PGE”, explicou.

Neste encontro com executivos da empreiteira, eles teriam apresentado um valor destoante do que constava no Estado e, como a questão da dívida já estava tramitando na PGE, Pagot apenas teria os encaminhado para este setor.

“Eu não lembro de valores. Eu sei que eles apresentaram uma conta e eu disse que essa conta a secretaria não concordava. Os valores que eles diziam não batiam com o que nós tínhamos registrado na Secretaria”, disse.

Depois disso, segundo Pagot, os representantes da empresa nunca mais voltaram à Secretaria de Infraestrura. "Eles não vieram mais à Secretaria de Infraestrutura. No tempo que eu fiquei na Secretaria de Infrestrutura, nunca mais foi falado sobre essa conta da Odebrecht e nem de outras empreiteiras porque eram várias empreiteiras que tinham a receber e o procedimento era idêntico para todos”, explicou.

Leia mais - Ex-procurador do Estado contesta propina da Odebrecht 

Já a reunião citada pelo delator Pedro Leão, em que Pagot teria representado Blairo Maggi para dizer que pagaria a empresa com recursos oriundos do Governo federal, referentes ao ressarcimento previdenciário remanescente da divisão de Mato Grosso, o ex-secretário nega tanto a sua quanto a participação de Blairo.

“Primeiro, nunca teve essa reunião (...) E eu duvido muito que o governador Blairo Maggi tenha participado também, viu. Outra coisa que eu posso afirmar é que dinheiro não veio para a campanha nossa porque nas contas de campanha não apareceu nenhum desses valores. Nós tínhamos um comitê da parte financeira da campanha e isso foi encaminhado depois para prestação de contas, que foram aprovadas”, rebateu.

O ex-secretário também acrescentou que está desconfiado porque no áudio da delação, não há menção do nome dele em conversa sobre recebimento de caixa dois ou pagamento de propina de R$ 12 milhões, que teriam sido pagas a Eder Moraes, já em 2006, conforme a Gazeta Digital já noticiou.

“Eu desconfio muito dessas declarações. (...). Eles mesmos, na sua delação, dizem que não trataram desse assunto comigo e muito menos trataram com o governador. Então, eu tenho a dizer que eu não tenho nada a declarar e que estou absolutamente inocente nesse caso”.

 



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Terça, 27 de junho de 2017

18:35 - Janot defende denúncia e diz que ninguém está acima da lei

17:46 - Temer classifica denúncia de 'ficção', critica Janot e cobra provas concretas

15:51 - 'Denúncia é grave, mas não é condenação', ameniza Alckmin

14:50 - Eunício diz que denúncia contra Temer cabe ao STF e à Câmara

13:20 - Reunidas as assinaturas para recurso contra arquivamento

12:49 - No dia seguinte da denúncia, Temer passa a manhã no Jaburu

08:24 - Janot denuncia Michel Temer e Rodrigo Loures por corrupção passiva

Segunda, 26 de junho de 2017

16:31 - Cinco senadores prometem assinar recurso contra arquivamento de cassação de Aécio

14:18 - Moro impõe um ano e meio de regime fechado a Mônica Moura e João Santana

11:36 - Perdão a Joesley tem alta rejeição, revela pesquisa


// leia também

Terça, 27 de junho de 2017

17:47 - TCE constata superfaturamento na Câmara e suspende pagamento

17:34 - Várzea Grande antecipa pagamento dos salários dos servidores

17:32 - Governo e sindicatos fazem últimos ajustes no projeto da RGA nesta 4ª

16:30 - Governo quer tirar foco dos grampos ilegais, diz coronel

08:48 - Blairo Maggi diz que Aeronáutica foi 'insensível'

Segunda, 26 de junho de 2017

19:39 - 'Fui testemunha de um crime', diz secretário sobre PMs presos

13:28 - Com Valtenir era traição todos os dias, diz Taques

11:30 - Cúpula do PSB se reúne sem Valtenir e planeja detalhes de debandada

10:30 - Embate entre Estado e Ipas expõe problemas na gestão da saúde

09:10 - Deputado propõe a volta da Loteria MT como alternativa para a saúde


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 28/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 28/06/2017
709682c66590260fb3edf747d9f8deb8 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Profissionais de saúde devem ser obrigados a registrarem nos prontuários de atendimento médico os indícios de violência contra a mulher?




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual