Taques determina que Casa Militar forneça escolta temporária para Selma Arruda | Gazeta Digital

Quarta, 13 de junho de 2018, 09h03

Taques determina que Casa Militar forneça escolta temporária para Selma Arruda

Pablo Rodrigo, repórter do GD


O governador Pedro Taques (PSDB) determinou que a Casa Militar forneça escolta policial para a juíza

João Vieira

 aposentada e pré-candidata ao Senado, Selma Arruda (PSL). A decisão foi proferida ontem (12) após a própria magistrada ter solicitado proteção ao Poder Executivo.

O pedido ocorreu após a Comissão de Segurança do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ) ter suspendido definitivamente a escolta de seguranças fornecida pra juíza aposentada.

No Pedido, Selma Arruda pede proteção ao Estado "até o julgamento de recurso por ela imposto junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em face a decisão do TJMT que indeferiu pedido de continuidade de tal escolta após sua aposentadoria".

A pré-candidata também explicou que sem proteção, "lhe causa risco de morte em razão da aposentadoria ser recente, somado a possíveis atos de vingança de réus dos processos em que atuou", diz trecho do pedido.

Em sua decisão, o governo diz não concordar com o fim da escolta policial, já que Selma, como servidora pública, "dedicou sua vida para lutar contra a criminalidade", e agora, "não receba suporte do Estado para garantir sua segurança pessoaç, ameaçada, justamente, em razão de suas atividades", diz trecho da decisão de Taques.

No entanto, Taques destaca que a medida de proteção fornecida pela Casa Militar e Secretaria de Segurança Pública do Estado (Sesp), só vigorará até a decisão do CNJ sobre o recurso de Selma.

Selma se aposentou em março, mas vinha mantendo seus seguranças em razão das ameaças que alegou

Otmar de Oliveira

 sofrer por conta de sua atuação no Judiciário de Mato Grosso. Ela atuou como juíza da Vara Contra o Crime Organizado da Capital e teve uma carreira marcada por julgar políticos corruptos e organizações criminosas, especialmente de membros da facção criminosa Comando Vermelho.

Inclusive, aproximadamente 15 dias antes de se aposentar, Selma afirmou que foi abordada por uma pessoa ligada ao Comando Vermelho “que teria feito várias observações sobre a sua segurança”.

Um dos argumentos para o fim da escolta é de que Selma estaria usando escolta para eventos políticos e fins particulares, em razão da “pública e notória” candidatura ao Senado. A comissão tem como presidente, o desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, e é formada pelos juízes Maria Rosi Borba, Marcos Faleiros e Bruno D’Oliveira Marques, além do coronel Benedito Ferreira. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Segunda, 18 de junho de 2018

19:44 - Supremo mantém Paulo Taques preso 51 dias após operação

17:30 - Ex-deputado confirma ter recebido R$ 50 mil gravado em vídeo de delator

14:16 - PF sugere 144 novos inquéritos por delações de família Barbosa

11:15 - Emanuel diz à PF que aliado de Silval o gravou para fazer chantagem

08:29 - Juiz suspende escolta concedida à juíza Selma Arruda e não afasta Taques

08:01 - Empresário acusado de lavar dinheiro da Bereré pede liberdade no STJ

06:00 - Perícia da PF confirma mensagens apagadas do celular de Blairo após apreensão

Domingo, 17 de junho de 2018

11:40 - Metalúrgica de Alta Floresta é condenada por trabalho infantil

11:31 - Menor que trabalhava como mecânico de automóveis receberá R$ 10 mil em indenização

11:21 - Rede de supermercados é condenada em R$ 5 milhões por descumprir normas


 veja mais
Cuiabá, Terça, 19/06/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 19/06/2018
469cf77038290f16bf38d5b8552ee12d anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Reino Unido firma pacto com empresas para reduzir uso de plástico e poluição




Logo_classifacil









Loja Virtual