Empresário afirma que Antonio Joaquim não sabia sobre propina em fazenda | Gazeta Digital

Quarta, 13 de junho de 2018, 07h59

AFASTADO DO TCE

Empresário afirma que Antonio Joaquim não sabia sobre propina em fazenda

Pablo Rodrigo, repórter de A Gazeta


O empresário Wanderley Faccheti Torres, dono da Trimec Construções e Terraplanagem Ltda, afirmou em depoimento à Polícia Federal que o conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE) Antônio Joaquim não sabia que o dinheiro usado na compra de sua fazenda, localizada em Nossa Senhora do Livramento, era fruto de propina.

Marcus Vaillant

O depoimento, ao qual a reportagem de A Gazeta teve acesso, faz parte do inquérito que apura uma possível participação de Antônio Joaquim em um esquema de lavagem de dinheiro do qual também teria participado o ex-governador Silval Barbosa.

Segundo Wanderley a fazendo foi oferecida pelo conselheiro a ele no valor de R$ 10 milhões. Como não tinha dinheiro para compra-la sozinho, o empresário decidiu sugerir o negócio a Silval, seu sócio no ramo de mineração.

À Polícia Federal, ele sustentou, no entanto, que não contou a Antonio Joaquim “que parte do valor a ser pago seria de Silval Barbosa”. “Isto é, o declarante nunca informou ao conselheiro a origem do dinheiro”, diz trecho do depoimento.

A declaração contradiz o que consta na delação premiada de Silval Barbosa, segundo quem Antonio Joaquim sabia que o ex-governador era um dos compradores e que o pagamento foi feito com dinheiro desviado dos cofres públicos.

Conforme Silval Barbosa a fazenda foi comprada por R$ 10 milhões, sendo que 70% do imóvel ficaria com ele e 30% com o empresário. O ex-governador disse também que o dinheiro para pagar o conselheiro seria de propina pagas pela Trimec e a Strada Construtora por conta da licitação para gestão dos maquinários do programa chamado Patrulha de Recuperação de Rodovias, lançado em 2011.

O empresário confirma o esquema de pagamento de propina e disse que os valores variavam entre R$ 5 mil a R$ 50 mil, totalizando mais de R$ 5,6 milhões, o que representou 10% do contrato firmado entre a Trimec e o governo do Estado.

Sonegação

Wanderley Torres confirmou à Polícia Federal, entretanto, que, apesar de o preço do imóvel ter sido R$ 9,5 milhões, a escritura foi lançada com o valor de R$ 6,6 milhões, após um aditivo no contrato e a pedido de Antonio Joaquim.

O conselheiro foi afastado em setembro do ano passado durante a 12ª fase da Operação Ararath, chamada Malebolge.

A reportagem tentou contato com as defesas de Silval Barbosa e Antônio Joaquim, mas, até o fechamento desta edição, não obteve sucesso.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Domingo, 17 de junho de 2018

11:40 - Metalúrgica de Alta Floresta é condenada por trabalho infantil

11:31 - Menor que trabalhava como mecânico de automóveis receberá R$ 10 mil em indenização

11:21 - Rede de supermercados é condenada em R$ 5 milhões por descumprir normas

11:19 - Ex-gerente consegue rescisão indireta após excesso em cobrança de metas

10:51 - Estado não pode transferir recursos aos municípios a partir de 7 de julho

10:45 - MP recomenda que empresas informem contratação de painéis publicitários

Sexta, 15 de junho de 2018

16:03 - Ministra do STJ nega mais um pedido de liberdade ao deputado Mauro Savi

13:30 - Quatro anos após ameaças, procuradores da Ararath ainda vivem sob escolta

11:39 - Vereador aciona Selma e Pedro Taques para revogar escolta

10:38 - Ministra do STJ mantém prisão do ex-secretário Paulo Taques


 veja mais
Cuiabá, Domingo, 17/06/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Domingo, 17/06/2018
06e60112abf039588e79d3613d6ca555 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Canarinho Pistola, mascote da seleção brasileira, foi vetado dos jogos da Copa




Logo_classifacil









Loja Virtual