Cozinheira demitida na gravidez consegue estabilidade após ação | Gazeta Digital

Domingo, 13 de maio de 2018, 11h19

Cozinheira demitida na gravidez consegue estabilidade após ação

Aline Cubas, repórter TRT/MT


Uma cozinheira demitida quando estava grávida teve a garantia de emprego mantida pela Justiça, mesmo não apresentando a certidão de nascimento da criança no processo judicial, prova necessária para se calcular o fim do período de estabilidade.

A decisão foi tomada por unanimidade pela 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT/MT), ao julgar recurso da trabalhadora que havia tido seu pedido de estabilidade negado anteriormente, na primeira instância, pela falta do documento.

Assessoria

Ao ajuizar a reclamação na Vara do Trabalho de Água Boa, a trabalhadora contou que foi contratada como cozinheira em 1º de agosto de 2015, função que exerceu até 6 de julho de 2016, quando foi dispensada, mesmo estando grávida.

Ao ter seu pedido negado, ela recorreu ao TRT argumentando que a falta de apresentação da certidão de nascimento do filho não é suficiente para afastar o direito à estabilidade provisória, tendo em vista que essa garantia tem como finalidade a proteção à vida da mãe e do bebê.

Ao analisar a questão, a desembargadora Beatriz Theodoro, relatora do recurso no Tribunal, destacou que, de acordo com os documentos juntados aos autos, a trabalhadora ainda estava com pouco mais de 18 semanas de gestação quando do ajuizamento da ação, razão porque não poderia ter apresentado a cópia da certidão de nascimento da criança.

Quanto à necessidade da apresentação dessa prova para se estabelecer o término do período de estabilidade, a desembargadora explicou que a questão pode ser resolvida excepcionalmente pela juntada posterior, conforme autoriza a súmula 8 do Tribunal Superior do Trabalho (TST) ou ainda, dada a importância dessa garantia de emprego, via liquidação por procedimento comum com base no artigo 509, II do Código de Processo Civil (CPC).

“A falta de juntada da certidão de nascimento da criança aos autos antes do encerramento da instrução, por si só, não tolhe o direito obreiro”, concluiu a relatora.

Reconhecido o direito à estabilidade e uma vez que a trabalhadora não foi reintegrada ao emprego, a 2ª Turma do TRT/MT, por unanimidade, condenou o empregador a pagar indenização substitutiva em valor equivalente à soma dos salários, gratificação natalina, férias com um terço de acréscimo, aviso prévio e FGTS acrescido da multa de 40%, referente ao período entre a data da extinção do contrato e o término do período de estabilidade (5 meses após o parto).

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Domingo, 22 de julho de 2018

12:11 - Goiabeiras Shopping terá de disponibilizar creche ou reembolsar trabalhadoras

Domingo, 08 de julho de 2018

12:08 - Trabalhador acusado de falar mal da empresa pelo whatsapp tem justa causa revertida

Domingo, 01 de julho de 2018

09:35 - Trabalhador é condenado a pagar multa a ex-patrão por cobrar verba já recebida

Domingo, 17 de junho de 2018

11:40 - Metalúrgica de Alta Floresta é condenada por trabalho infantil

11:31 - Menor que trabalhava como mecânico de automóveis receberá R$ 10 mil em indenização

11:21 - Rede de supermercados é condenada em R$ 5 milhões por descumprir normas

11:19 - Ex-gerente consegue rescisão indireta após excesso em cobrança de metas

Terça, 05 de junho de 2018

10:11 - Empresa é condenada por pagar salário 'por fora' para gerente de vendas

Sábado, 02 de junho de 2018

11:39 - Açougueiro obtém rescisão indireta por falta de recolhimento do FGTS

Quinta, 31 de maio de 2018

11:45 - Justiça homologa acordo de R$ 619 mil em ação por morte de trabalhador


// leia também

Sexta, 17 de agosto de 2018

18:57 - Raquel Dodge dá parecer contrário à soltura de irmãos Taques e Savi

16:21 - TRE nega pedido de Mendes para exonerar 20 assessores do governo

15:02 - Processo de deputado por agressão a jornalista será julgado na 1ª instância

13:26 - Justiça torna réu coronel que pressionava policiais a fazer sexo com ele

11:53 - TJ condena militar por estupro de vulnerável, roubo, sequestro e cárcere privado

11:46 - Selma Arruda consegue autorização judicial para acessar dados de pesquisa

09:54 - Justiça condena Juca do Guaraná a retirar gabinete itinerante de circulação

Quinta, 16 de agosto de 2018

19:50 - Justiça concede prisão domiciliar a empresário acusado sonegar ICMS

18:38 - Conenge Construção entra em recuperação judicial com dívida de R$ 11 mi

16:34 - Juíza manda Taques retirar vídeo considerado como propaganda ilegal


 veja mais
GDEnem

Cuiabá, Sábado, 18/08/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 18/08/2018
A44715be9e92a2b47e0133742ab836d2 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual sua opinião sobre a troca de acusações entre os candidatos?




Logo_classifacil









Loja Virtual