Cozinheira demitida na gravidez consegue estabilidade após ação | Gazeta Digital

Domingo, 13 de maio de 2018, 11h19

Cozinheira demitida na gravidez consegue estabilidade após ação

Aline Cubas, repórter TRT/MT


Uma cozinheira demitida quando estava grávida teve a garantia de emprego mantida pela Justiça, mesmo não apresentando a certidão de nascimento da criança no processo judicial, prova necessária para se calcular o fim do período de estabilidade.

A decisão foi tomada por unanimidade pela 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT/MT), ao julgar recurso da trabalhadora que havia tido seu pedido de estabilidade negado anteriormente, na primeira instância, pela falta do documento.

Assessoria

Ao ajuizar a reclamação na Vara do Trabalho de Água Boa, a trabalhadora contou que foi contratada como cozinheira em 1º de agosto de 2015, função que exerceu até 6 de julho de 2016, quando foi dispensada, mesmo estando grávida.

Ao ter seu pedido negado, ela recorreu ao TRT argumentando que a falta de apresentação da certidão de nascimento do filho não é suficiente para afastar o direito à estabilidade provisória, tendo em vista que essa garantia tem como finalidade a proteção à vida da mãe e do bebê.

Ao analisar a questão, a desembargadora Beatriz Theodoro, relatora do recurso no Tribunal, destacou que, de acordo com os documentos juntados aos autos, a trabalhadora ainda estava com pouco mais de 18 semanas de gestação quando do ajuizamento da ação, razão porque não poderia ter apresentado a cópia da certidão de nascimento da criança.

Quanto à necessidade da apresentação dessa prova para se estabelecer o término do período de estabilidade, a desembargadora explicou que a questão pode ser resolvida excepcionalmente pela juntada posterior, conforme autoriza a súmula 8 do Tribunal Superior do Trabalho (TST) ou ainda, dada a importância dessa garantia de emprego, via liquidação por procedimento comum com base no artigo 509, II do Código de Processo Civil (CPC).

“A falta de juntada da certidão de nascimento da criança aos autos antes do encerramento da instrução, por si só, não tolhe o direito obreiro”, concluiu a relatora.

Reconhecido o direito à estabilidade e uma vez que a trabalhadora não foi reintegrada ao emprego, a 2ª Turma do TRT/MT, por unanimidade, condenou o empregador a pagar indenização substitutiva em valor equivalente à soma dos salários, gratificação natalina, férias com um terço de acréscimo, aviso prévio e FGTS acrescido da multa de 40%, referente ao período entre a data da extinção do contrato e o término do período de estabilidade (5 meses após o parto).

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 17 de maio de 2018

13:59 - Juíza mantém válida eleição do Sincofarma, que havia sido anulada pela Fecomércio

11:45 - Trabalhadora perde direito à estabilidade por não avisar que estava grávida

Quarta, 16 de maio de 2018

13:32 - Itaú é condenado a pagar tempo gasto por trabalhador em treinamentos fora do expediente

Domingo, 13 de maio de 2018

11:34 - TRT condena frigorífico a pagar danos futuros a trabalhadora com depressão

Terça, 08 de maio de 2018

14:08 - Edital do TRT convoca entidades para receber recursos oriundos de condenações

13:56 - Prefeitura de VG assina acordo para melhorar condições de trabalho no Pronto Socorro

Segunda, 07 de maio de 2018

11:30 - Um acidente de trabalho é registrado a cada 52 minutos em Mato Grosso

Sexta, 04 de maio de 2018

15:33 - Assaí Atacadista é condenado por perseguir, humilhar e xingar funcionários

Quinta, 03 de maio de 2018

13:39 - MPT ajuíza ação contra Atacadão por alvará do Corpo de Bombeiros vencido

13:17 - Trabalhadora que ficou com manchas no rosto após explosão será indenizada


// leia também

Segunda, 21 de maio de 2018

10:46 - Servidor que alegou trabalho infantil tem estabilidade anulada na ALMT

10:11 - Justiça retoma audiência sigilosa por fraudes de R$ 65 milhões em ICMS

09:40 - Fachin precisa decidir se investigação contra Blairo vai para 1ª instância

07:58 - Tribunal redistribui ação da Bereré para desembargador Zuquim

07:45 - STF manda para Mato Grosso investigação criminal contra Sachetti

Domingo, 20 de maio de 2018

14:02 - Delação de Alan Malouf é homologada no STF e deve complicar Taques

Sábado, 19 de maio de 2018

10:58 - Justiça retira estabilidade de mais um servidor da Assembleia

Sexta, 18 de maio de 2018

19:08 - TJ livra gestora de pagar R$ 1 milhão por aluguel do Hospital Jardim Cuiabá

17:15 - Policiais militares são afastados por causa de sexo e bebida com menores

16:31 - Supremo nega recurso do conselheiro Novelli e mantém afastamento do TCE


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 21/05/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 21/05/2018
D1f041d7a04ba04c4ffc9a628f06da54 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Projeto reconhece como família união entre pessoas independente do gênero




Logo_classifacil









Loja Virtual