Competição por calcário levanta suspeitas sobre juízes de Mato Grosso | Gazeta Digital

Domingo, 15 de abril de 2018, 20h39

O Globo

Competição por calcário levanta suspeitas sobre juízes de Mato Grosso

Redação do GD


Uma fazenda de calcário localizada em Rosário Oeste (a 128 km ao Norte de Cuiabá), que era disputada e foi à leilão na Justiça do Trabalho e chegou a ser arrematada pelo ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que na época era senador, acabou levantando suspeitas de vendas de sentenças por juízes de Mato Grosso. As investigações acontecem desde 2005 sob segredo de Justiça nas corregedorias do Trabalho de Justiça de Mato Grosso e agora foram denunciadas em uma reportagem do O Globo.

João Vieira

Segundo o material divulgado, Maggi ofereceu lance inicial de R$ 22,7 milhões, porém acabou desistindo da verba oferecida e transferiu o direito de arrematação para Gilberto Eglair Possamai. Ele arcou com o dinheiro e ficou com a fazenda.

Já em 2004, Possamai que se elegeu a vereador não declarou o patrimônio adquirido e ainda as despesas somaram ao menos R$ 11 mil. Neste ano eleitoral, ele tenta articular a campanha de suplente a senador.

Com isso, a Procuradoria-Geral da República abriu um inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar condições em que se deram o leilão com as suspeitas de que Possamai foi ‘laranja’ do ministro.

No entanto, o inquérito foi arquivado por falta de provas. Agora, de volta com o olho no calcário, um dos herdeiros das terras, Alain Borges e os inquilinos passaram a questionar a propriedade do imóvel na Justiça na tentativa de anular o leilão. Caso conseguisse cancelar o leilão, a falência da empresa Cotton King seria impedida. A loja pertencia ao pai falecido de Alain e continua em recuperação judicial.

A briga judicial ainda tenta transferir a massa falida da empresa para Joge Zanette. Ele foi preso em São Paulo por estelionato.

Anulação
O leilão foi anulado na 7ª Vara do Trabalho de Cuiabá. Mas, na 1ª Vara Cível, o juiz Flavio Miraglia Fernandes homologou o arrendamento da Cotton King para a empresa Darling Harbour Confecções, de Zanette.

E em 2014, entretanto, o empresário brigou com a turma de Alain e, logo decidiu munir Possamai com o histórico de conversas de um mês que manteve no WhatsApp com a advogada Cláudia Regina Ferreira. Ela seria quem supostamente intermediava vendas de sentenças no Judiciário mato-grossense. (Com informações do O Globo).
 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 26 de abril de 2018

16:13 - Tribunal de Ética da OAB processa advogados inadimplentes em Mato Grosso

13:30 - STJ mantém suspensos direitos políticos de José Riva e Humberto Bosaipo

11:27 - Reincidência e maus antecedentes alteram pena do semi para o regime fechado

11:10 - Interceptações ligam 2 deputados, secretário e empresário em fraudes no transporte

08:40 - Chamado de mentiroso, Taques comprova repasses de R$ 5 mi de duodécimo

08:14 - Ministério Público investiga irregularidade no concurso da Seduc

Quarta, 25 de abril de 2018

12:05 - Empresa Viação Xavante teria pago propina de R$ 6 milhões a Silval

10:45 - Esse é o modo de fazer política do Pedro Taques, diz Eduardo Moura sobre operação

Terça, 24 de abril de 2018

19:12 - MPE notifica prefeito e vereadores sobre irregularidades na concessão de RGA

18:51 - Juiz alega se declara suspeito para julgar ação de golpe milionário


 veja mais
Cuiabá, Quinta, 26/04/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quinta, 26/04/2018
2f8a4ad01ac2cdfd8dde377dc7eb1047 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Em uma época em que predominam notícias ruins, qual o maior motivo para ser otimista?




Logo_classifacil









Loja Virtual