MPE não recorre, mas quer manter Arcanjo preso até 2027 | Gazeta Digital

Terça, 27 de fevereiro de 2018, 08h28

MPE não recorre, mas quer manter Arcanjo preso até 2027

Arthur Santos da Silva, repórter do GD


O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) ainda não recorrerá sobre a decisão que deu liberdade ao ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro na última segunda-feira (26). A promotora Josane Fátima de Carvalho Guartente, responsável pelo caso, estudou as possíveis medidas para reverter a decisão, mas decidiu por aguardar o julgamento de um recurso oferecido em 2017, que discute requisitos objetivos.

Chico Ferreira

Em dezembro do ano passado o órgão entrou com recurso de agravo em execução visando a alteração da data base para progressão, que ainda não foi julgado.

O Ministério Público não concorda com a data base utilizada para o cálculo que concede o benefício. Para o MPE, a data para progressão deveria contar a partir do trânsito em julgado da última condenação e não da data da prisão, como ocorreu.

Pelo cálculo do Ministério Público, Arcanjo deveria cumprir mais nove anos em regime fechado. As penas de Arcanjo somam pouco mais de 87 anos e ele já cumpriu 14 anos, 9 meses e 21 dias.

A última condenação que constam nos autos, com data de 31 de maio de 2013, referente à condenação de Arcanjo pela morte do empresário Sávio Brandão, seria a data base para a progressão, segundo o MPE.

Ou seja, a pena de Arcanjo começaria a contar a partir dessa data e ele só teria direito à progressão em 2027.

Somente depois de vencido este requisito objetivo, se necessário, o Ministério Público recorrerá diretamente contra a decisão do dia 26 de fevereiro, discutindo os requisitos subjetivos para a concessão da progressão de regime.

O Órgão Ministerial afirma que o requisito subjetivo é indispensável à progressão e vai além do bom comportamento carcerário, que não deve se confundir com aptidão ou adaptação do condenado e muito menos serve como índice fiel de sua readaptação social.

A soltura

Agora solto, depois de 14 anos e 9 meses, o ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro cumprirá sua pena em regime semiaberto, com uso de tornozeleira eletrônica.

Ele está autorizado a sair por 7 dias, contando a partir desta segunda-feira (26), para trabalhar ou buscar emprego. O ex-bicheiro é dono de fazendas, imóveis e empresas do ramo financeiro. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quarta, 27 de junho de 2018

01:04 - Ex-PM acusa Arcanjo de ter mandado matar vereador de VG

Quarta, 20 de junho de 2018

13:39 - Juiz nega pedido para João Arcanjo visitar shopping

Domingo, 10 de junho de 2018

11:04 - Devolução dos bens de João Arcanjo depende de 2 votos no TRF

Quarta, 30 de maio de 2018

09:13 - Arcanjo tentou relaxar tornozeleira para frequentar seminário da Fiemt

Quarta, 23 de maio de 2018

07:42 - Juiz nega pedido do MPE para prender João Arcanjo até 2027

Sábado, 14 de abril de 2018

11:21 - Arcanjo vai ao mercado ostentando tornozeleira

Terça, 03 de abril de 2018

07:30 - Sem carteira assinada, Arcanjo trabalha nas empresas da família

Sexta, 30 de março de 2018

07:00 - Ex-pistoleiro de João Arcanjo está de volta a Mato Grosso

Domingo, 25 de março de 2018

10:00 - Juiz cobra ida de João Arcanjo a centro de acompanhamento psicossocial

Sexta, 23 de março de 2018

12:33 - TJ determina que irmãos desocupem imóvel de João Arcanjo em Sinop


// leia também

Terça, 17 de julho de 2018

15:57 - Com dívidas de R$ 48 milhões, Grupo Engeglobal entra em recuperação

13:37 - Policial que matou adolescente por engano é liberado da prisão

09:42 - Desembargador arquiva queixa-crime de Wellington Fagundes contra Wilson Santos

Segunda, 16 de julho de 2018

19:26 - Juiz manda Taques retirar publicidade em seu Instagram em 3 dias

16:01 - Ministra nega HC a ex-servidor da Seduc acusado de ameaçar Permínio

15:10 - Juiz manda Estado garantir incentivo fiscal concedido à cervejaria

15:08 - Juiz confirma recebimento de denúncia contra ex-presidente do MT Saúde

14:13 - João Emanuel e filho de desembargador são condenados por desvios na Câmara

12:06 - Juiz condena ex-servidores da Sefaz por fraudes de R$ 2,1 milhões

Sábado, 14 de julho de 2018

08:30 - Juiz Jorge Tadeu remarca audiências contra réus por fraude de R$ 7 milhões


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 18/07/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 18/07/2018
93ae6ae9690a2b7358a5399642de1263 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

A apreensão de material do jogo do bicho e a liberdade de Arcanjo têm alguma ligação?




Logo_classifacil









Loja Virtual