Juíza condena Prefeitura a manter farmácias das policlínicas abertas | Gazeta Digital

Segunda, 12 de fevereiro de 2018, 11h28

em tempo integral

Juíza condena Prefeitura a manter farmácias das policlínicas abertas

Celly Silva, repórter do GD


A juíza Célia Regina Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular, condenou a Prefeitura de Cuiabá a implementar o atendimento contínuo nas farmácias das policlínicas da cidade, em qualquer horário do dia ou da noite, para a população que necessitar e que forem atendidas nas respectivas unidades, mediante prescrição de médico do Sistema Único de Saúde (SUS). O prazo para o cumprimento da sentença é de 60 dias. Por ser de primeira instância, cabe recurso contra a decisão, proferida no último dia 6.

Foto: Chico Ferreira

A denúncia

A condenação é relativa a uma ação civil pública com pedido liminar impetrada pelo Ministério Público Estadual (MPE), que alega ter instaurado inquérito civil no ano de 2013, após reclamação recebida por meio de sua Ouvidoria, que denunciava que os pacientes atendidos nas policlínicas após as 17 horas não recebiam os medicamentos que lhes eram prescritos. Diante disso, os usuários tinham que comprar os remédios ou retornar depois para retirá-los.

Na fase de investigação, o MPE afirma ter solicitado informações do Município acerca dos fatos e cobrando solução. Aponta que, em resposta, o Município, informou apenas que estaria realizando estudo para garantir o atendimento no período noturno nas farmácias das policlínicas, bem como seria necessário a realização de concurso público para o cargo de farmacêutico.

O MPE argumentou ainda que, diante da inércia da Prefeitura, encaminhou Notificação Recomendatória à Secretaria Municipal da Saúde, fixando prazo para a solução do problema. Posteriormente, encaminhou novos ofícios solicitando informações sobre o eventual concurso público a ser realizado e as providências adotadas para regularizar a dispensação de medicamentos nas policlínicas, contudo, não obteve resposta e, por conta disso, acionou a Prefeitura na Justiça.

Outro lado

A Prefeitura se manifestou nos autos, contestando as afirmações do MPE, alegando que não há norma que preveja que o funcionamento das farmácias no interior das policlínicas seja de 24 horas, destacando que os atendimentos realizados após as 19 horas nas policlínicas é apenas de Pronto Atendimento, destinados às pessoas que estão em situações graves e, nestes casos, essas pessoas recebem todo o medicamento que necessitam, seja intravenoso ou não.

O Município alegou ainda que a denúncia que originou a instauração do inquérito civil foi excepcional, ocasionada pela falta de uma funcionária escalada para o período vespertino, gerando acúmulo nos atendimentos.

Além disso, apontou que as Unidades de Pronto atendimento (UPA’s) são pontos de dispensação de medicamentos 24 horas, e caso algum paciente necessite de medicamento após o horário regular de atendimento ambulatorial nas policlínicas, mesmo que não seja urgente, pode se dirigir até estas unidades.

A Prefeitura ainda destacou que para atender o exigido pelo MPE seria necessária a contratação de 26 novos profissionais, entre farmacêuticos e auxiliares de enfermagem e que não dispunha de recursos financeiros, nem mesmo dotação orçamentária para aumentar o quadro de pessoal.

Argumentou também que o Conselho Regional de Farmácia não partilha o entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre da desnecessidade de um farmacêutico durante 24 horas nas farmácias dentro das policlínicas e sempre autua o requerido, quando observa a ausência de farmacêutico em local onde há dispensação de medicamentos, por se tratar de atividade que necessita de profissional dotado de conhecimentos técnicos específicos.

Decisão

Ao proferir sentença contra o Município, a juíza Célia Vidotti destacou que “os serviços ofertados pelo Estado, de qualquer natureza, devem ser prestados da melhor forma possível, com agilidade, perfeição e melhor rendimento, sempre na busca da satisfação dos usuários”.

Ela enfatizou que esse princípio se torna ainda mais relevante quando se trata dos serviços de saúde, por se tratar de direito fundamental à vida e que devem ser disponibilizados de forma integral. “A saúde também é um dos componentes principais do qual decorre a dignidade da pessoa humana, o bem-estar e condições de desenvolvimento físico, mental e social profícuos”, afirmou. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sábado, 26 de maio de 2018

11:52 - Diretor de hospital faz alerta sobre situação dos filantrópicos a Carlos Fávaro

Domingo, 20 de maio de 2018

08:30 - Governador vai exigir que hospitais comprovem prestação de serviços

Sexta, 18 de maio de 2018

17:30 - Ministério descredencia 5% dos estabelecimentos ligados ao Farmácia Popular

Quinta, 17 de maio de 2018

14:47 - Brasil participa de banco de dados mundial sobre hipertensão

Quarta, 16 de maio de 2018

17:11 - AMM vai acionar STF para cobrar repasses atrasados na Saúde

Terça, 15 de maio de 2018

12:01 - Botelho prioriza fundo de estabilização que destina recursos à saúde

Segunda, 14 de maio de 2018

16:15 - Outono aumenta casos de conjuntivite alérgica; saiba como se proteger

Quinta, 10 de maio de 2018

08:47 - Remédios e planos de saúde puxam inflação de abril, diz IBGE

Terça, 08 de maio de 2018

14:31 - Idec pede à Justiça suspensão de reajuste de planos de saúde

12:55 - Garcia critica Emanuel por não comprar equipamentos do novo Pronto-Socorro


// leia também

Domingo, 27 de maio de 2018

07:30 - Juiz manda desbloquear posto e apreender veículos de manifestantes

Sexta, 25 de maio de 2018

18:12 - Desembargador nega liberdade a Paulo Taques e irmão presos por corrupção

11:12 - Juiz suspende por 90 dias 'expulsão' de sindicato instalado em terreno público

10:45 - Escola de Samba Mangueira e produtora terão que devolver R$ 509 mil para Cuiabá

09:54 - MPE obtém liminar que proíbe o bloqueio de estradas em Diamantino

07:57 - Weber dá 10 dias para PGR rever situação de Fagundes como réu por corrupção e lavagem

Quinta, 24 de maio de 2018

20:11 - Ministra nega HC a Mauro Savi e mantém inquérito sobre propina no Detran

17:49 - Pedido de vista adia julgamento que tenta reverter cassação de Lucimar Campos

16:12 - 'Rei do Algodão' consegue suspender leilão de fazenda de R$ 349 milhões

15:58 - Maioria vota por manter prisão de Savi, mas julgamento é adiado


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 28/05/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 28/05/2018
B2364398e2b46c1e9ec5913337d6d80a anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Lei municipal em São Paulo proíbe queima de fogos com barulho e permite os luminosos




Logo_classifacil









Loja Virtual