Justiça afasta vereador suspeito de participação em morte de prefeito | Gazeta Digital

Quarta, 24 de janeiro de 2018, 16h47

colniza

Justiça afasta vereador suspeito de participação em morte de prefeito

Clênia Goreth, repórter MP/MT


Divulgação

Vereador Clínio Tomazi

A Justiça acolheu pedido liminar efetuado pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso e determinou o afastamento cautelar de Clínio Tomazi, do cargo de vereador no município de Colniza. A decisão foi proferida um dia após a propositura da ação civil pública. Além do parlamentar, também foram acionados a esposa do vereador, Vera Lúcia Dias Tomazi; o empresário Maycon Furlam Requena e as empresas Tomazi Terraplanagem Ltda-Me e Maycon F. Requena Peças ME.

O grupo é acusado de promover irregularidades em contrato emergencial firmado com a Prefeitura Municipal para prestação de serviços de maquinário, no valor global de R$ 324 mil, violando os princípios da Administração Pública. Também pesa contra o parlamentar a suspeita de envolvimento no assassinato do ex-prefeito Esvandir Antônio Mendes.

Reprodução/Gazeta Digital

Esvandir Mendes, prefeito assassinado em Colniza

“O ex-prefeito Esvandir Antônio Mendes, vítima de homicídio no mês passado, relatou que sofreu ameaça do vereador Clínio quando exonerou alguns parentes deste da Prefeitura, bem como fez cessar o serviço que era prestado por meio das máquinas da empresa Tomazi Terraplanagem Ltda-ME”, destacou o magistrado em sua decisão.

O juiz ressaltou que a manutenção do parlamentar no exercício do mandato pode trazer danos irreparáveis à instrução processual. Disse, ainda, que as provas colhidas no inquérito civil demonstram que o vereador era quem, de fato, prestava o serviço licitado para a Prefeitura Municipal de Colniza, conforme apontou o MPE.

“A vencedora do pregão, Maycon F. Requena-ME, subcontratou o objeto do contrato administrativo e ficava com apenas 5% do montante pago pelo Poder Executivo Municipal – os outros 95 % eram repassados à empresa de sua esposa, Vera Lúcia. Ainda que isto não soasse absurdo,, o edital da licitação não previa a possibilidade de subcontratação do objeto do contrato, caracterizando assim o ato ímprobo”, acrescentou.

De acordo com o artigo 29, inciso X, c.c. art. 54 e 55, todos da Constituição Federal, o vereador não pode firmar ou manter contrato com pessoa jurídica de direito público, sob pena de perder o mandato.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 07 de junho de 2018

08:55 - Juiz marca audiência por morte de prefeito de Colniza e desmembra processo

Sexta, 06 de abril de 2018

11:36 - STJ mantém pedido de prisão contra empresário foragido em ação da Chacina de Colniza

Terça, 03 de abril de 2018

09:09 - MP não vai negociar pena com falsa médica envolvida na morte de prefeito

Sexta, 30 de março de 2018

09:58 - 'Médica' suspeita por morte de prefeito pode negociar pena por exercício ilegal da profissão

Sexta, 23 de março de 2018

10:35 - CRM suspende registro médica envolvida no assassinato de prefeito

Sexta, 16 de março de 2018

16:09 - MPE vai exigir que falsa médica devolva salários recebidos de prefeitura

Terça, 13 de março de 2018

16:48 - MPE quer cela comum para falsa médica envolvida em morte de prefeito

Segunda, 12 de março de 2018

18:20 - Médica acusada de matar prefeito é denunciada por exercício ilegal da profissão

Quarta, 28 de fevereiro de 2018

09:43 - Celular usado por médica na prisão para atualizar redes sociais é apreendido

Terça, 27 de fevereiro de 2018

09:29 - Juiz recebe denúncia contra vereador por fraude em cassação de prefeito


// leia também

Segunda, 25 de junho de 2018

10:30 - Ministra aponta ameaça e extorsão ao negar liberdade a empresário

Domingo, 24 de junho de 2018

08:00 - Silval diz que relatórios do TCE na Copa foram usados para chantagem - veja vídeo

Sábado, 23 de junho de 2018

08:20 - Ex-deputado nega propina, mas não explica dinheiro que recebeu e guardou em pasta

Sexta, 22 de junho de 2018

16:52 - Família de servidor dado como 'morto' se revolta e quer processar o MP

16:25 - Pressionados, procuradores ingressam com 4º pedido por liberdade de Savi

12:00 - Após anunciar desistência, conselheiro tenta liberar aposentadoria

10:55 - Ministério Público investiga pagamentos a servidor morto há 28 anos

07:35 - Índias suspeitas de enterrar bebê vivo vão usar tornozeleiras

Quinta, 21 de junho de 2018

10:18 - STJ nega liberdade a empresário acusado de lavar dinheiro da Bereré

07:14 - Juiz da 7ª Vara fica com ação contra Maggi por compra de vaga no TCE


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 25/06/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 25/06/2018
Afeda58f8fad104f8a7e7e0d17408684 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Transsexualidade deixa de ser considerada uma doença mental




Logo_classifacil









Loja Virtual