TJ mantém suspensão de repasse à Câmara | Gazeta Digital

Quarta, 06 de dezembro de 2017, 12h37

dinheiro de áreas sociais

TJ mantém suspensão de repasse à Câmara

Celly Silva, repórter do GD


A desembargadora Antônia Siqueira Gonçalves Rodrigues, da 2ª Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), indeferiu um agravo impetrado pela Prefeitura de Cuiabá e manteve a suspensão do Decreto municipal nº 6.343, de 30 de agosto deste ano, que autoriza liberação de crédito suplementar no valor de R$ 6,7 milhões para a Câmara de Vereadores.

Tony Ribeiro

Desembargadora Antônia Siqueira

A suspensão foi determinada em setembro, pelo juiz Luís Aparecido Bortolussi Júnior, da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular, em caráter liminar.

Leia também - Justiça anula repasse de R$ 6,7 milhões de Pinheiro a vereadores

O pedido de suspensão do pagamento foi motivado pela suspeita de que o repasse seja uma “compra de apoio político”, conforme citado pela própria Prefeitura nos autos. Isso porque no âmbito da delação premiada do ex-governador Silval Barbosa, consta um vídeo em que o prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB) aparece recebendo dinheiro supostamente oriundo de propina, no período em que era deputado estadual, o que levou alguns vereadores a protocolar pedido de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as acusações de corrupção, o que foi rejeitado à época.

Dois dias após a maioria dos parlamentares votarem contra a “CPI do Paletó”, o prefeito realizou a suplementação orçamentária à Câmara, o que levantou as suspeitas sobre a liberação orçamentária.

Em sua defesa, o Município alegou que as tratativas entre os Poderes Executivo e Legislativo sobre a suplementação iniciaram em junho, antes de qualquer pretensão de abertura da CPI contra o prefeito. Além disso, argumentou que as duas reuniões sobre o assunto foram feitas com a presença do secretário de Planejamento, onde ficou demonstrado que o duodécimo previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017 estava aquém do valor de 4,5% previsto na Constituição federal, fato que inviabilizaria as atividades da Câmara Municipal a partir de setembro.

Conforme o Executivo, somente após uma avaliação técnica, constatou-se que o valor relativo à suplementação estava dentro do limite constitucional, cabendo ao prefeito, em conjunto com a Secretaria de Planejamento, decidir pela suplementação.

Reprodução

Gravação de prefeito recebendo dinheiro

Ao negar o agravo, a desembargadora destacou que a verba que seria repassada ao Legislativo seria remanejada de outras pastas da Administração municipal, como informática, assistência social, Conselhos Tutelares e órgãos colegiados, apoio aos direitos das pessoas com deficiências, microcrédito produtivo, construção e melhoria de unidades habitacionais, recuperação de ruas e avenidas, entre outros setores.
Com isso, Antônia Siqueira enfatizou que esses serviços seriam prejudicados. “Logo, diferentemente do que alegou o agravante, a abertura do crédito suplementar decorreu da anulação de dotações e não de excesso de arrecadação”, destacou.

Como a decisão é monocrática, a magistrada abriu prazo para que a Prefeitura apresente documentação que considerar necessária para que o colegiado da 2ª Câmara de Direito Público e Coletivo analise o caso novamente, em julgamento posterior.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Terça, 12 de dezembro de 2017

10:08 - Câmara recontrata mais 2 servidores por gabinete neste fim de ano

Segunda, 04 de dezembro de 2017

10:10 - ONG Moral questiona sessões secretas na CPI que investiga o prefeito de Cuiabá

Sexta, 01 de dezembro de 2017

12:52 - Vereadores alertam para votações na surdina

Quarta, 22 de novembro de 2017

18:56 - Partido Avante faz reunião na Câmara de Cuiabá

Terça, 07 de novembro de 2017

15:21 - Comissão vai revisar 6 mil leis e excluir as inúteis

Segunda, 06 de novembro de 2017

17:45 - Renivaldo diz que assina CPI porque 'já está cansado'

Terça, 31 de outubro de 2017

15:55 - Juiz mantém cassação de 2 vereadores por fraude na cota de mulheres

Sexta, 27 de outubro de 2017

09:19 - Presidente da Câmara diz que antecessor aprovou duodécimo insuficiente

Terça, 24 de outubro de 2017

12:02 - Após demissões, Câmara de Cuiabá cria comissão para revisar salários

11:25 - Sessões em um único dia poupam tempo e evitam ladainhas, diz Renivaldo


// leia também

Domingo, 17 de dezembro de 2017

10:30 - MPF apura prática de improbidade administrativa no DNPM

Sábado, 16 de dezembro de 2017

16:32 - Jornal é proibido de publicar matérias sobre processo em que donos são réus

12:35 - Pedro Nadaf é condenado a mais de sete anos de prisão

11:06 - Claro suja nome de quem sequer era cliente e terá que pagar R$ 8 mil por danos morais

Sexta, 15 de dezembro de 2017

20:45 - Ex-governador Silval Barbosa é condenado a 13 anos e 7 meses de prisão

17:28 - Estado deve cumprir legislação sobre abono de permanência a policiais civis

16:55 - Juíz proíbe restaurante do Parque das Águas de servir 12 pratos

15:10 - Juíza nega autorização para dono de jornal viajar ao Nordeste

12:25 - Justiça condena asilo Mãos Unidas a pagar R$ 10 mil a ex-abrigados

10:31 - Idoso é condenado por tentar 'fugir' de financiamento de caminhonete


 veja mais
Cuiabá, Domingo, 17/12/2017
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Domingo, 17/12/2017
A8d779b2bd7ab2b00d41f7ea176ec574 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Quatro em cada dez crianças vivem abaixo da linha da pobreza no Brasil, segundo IBGE




Logo_classifacil









Loja Virtual