Equipamento espião do Gaeco não grampeou Janaina Riva | Gazeta Digital

Quinta, 18 de maio de 2017, 18h27

GRAMPOS ILEGAIS

Equipamento espião do Gaeco não grampeou Janaina Riva

Welington Sabino, repórter do GD


Em meio à polêmica gerada pelos grampos ilegais envolvendo políticos, empresários, jornalistas e até magistrado de Mato Grosso, aliado às cobranças da deputada estadual Janaina Riva (PMDB), uma das vítimas no esquema de espionagem, o Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) atestou que os telefones da parlamentar não foram grampeados pelo sistema guardião utilizados pelo Gaeco.

Reprodução

Esquema de escutas foi denunciado em reportagem nacional do Fantástico

Janaina encaminhou um ofício ao Ministério Público Estadual (MPE) questionando se foram promotores ligados ao Gaeco que pediram a quebra de seus sigilos telefônicos ou se o monitoramento foi realizado pelo sistema de escutas disponível na sede do Gaeco.

Em resposta, o coordenador do Gaeco, promotor Marcos Bulhões dos Santos encaminhou uma certidão na tarde desta quinta-feira (18) onde atesta que os telefones da parlamentar não foram grampeados pelo sistema guardião sob tutela do Gaeco.

Com base na resposta do Gaeco, Janaina reforça que as escutas ilegais partiram de outros equipamentos, como o adquirido pelo coronel da Polícia Militar Evandro Alexandre Lesco, atual chefe da Casa Militar no governo de Pedro Taques (PSDB). “Os equipamentos foram comprados por Lesco em 2015, pelo valor de R$ 24 mil. Apesar de ter comprado em seu próprio nome, ele pediu que os equipamentos fossem entregues ao Comando Geral da Polícia Militar do Estado”, diz Janaina Riva em nota encaminhada para a imprensa nesta quinta-feira.

"À medida que os documentos vão chegando, fica cada vez mais claro que as escutas ilegais foram promovidas à mando do Palácio Paiaguás. Até o momento todos os policiais envolvidos continuam embaixo das asas do governador, na Casa Militar", comentou a deputada que já anunciou a propositura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso para investigar o caso.

Otmar de Oliveira/A Gazeta

Marcos Bulhões garate que equipamento guardião do Gaeco não espionou Janaina Riva

Entre outros questionamentos, Janaina enfatiza que é preciso saber por quanto tempo a central clandestina de escutas telefônicas ilegais funcionou no Estado, ou se ainda continua funcionando. Quer saber também qual era a finalidade de interceptar pessoas que nada tem a ver com as investigações de tráfico de drogas autorizadas pelo juiz Jorge Alexandre Martins Ferreira.

Outra pergunta ainda não esclarecida é de quem partiram as ordens para a inserção dos nomes de políticos, médicos, empresários e servidores públicos na lista de pessoas a serem monitoradas.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sexta, 15 de dezembro de 2017

11:49 - Deputados de MT comemoram aprovação do FEX pelo Senado

11:13 - AL espera R$ 50 milhões do Estado para fechar ano sem dívidas

Terça, 12 de dezembro de 2017

09:44 - Ministro nega autorização para major viajar a Portugal

Segunda, 11 de dezembro de 2017

12:30 - STF deixa Siqueira 'ficar' com a esposa delegada

10:55 - Taques confirma pagamento de salários nesta segunda-feira

Quinta, 07 de dezembro de 2017

11:10 - LOA entra em pauta, mas votação é adiada por pedido de vista

Quarta, 06 de dezembro de 2017

12:41 - Relator da LOA aponta recurso irrisório para Defensoria e cobra mais investimento

11:47 - STJ deixa major ficar junto com a esposa servidora pública

Terça, 05 de dezembro de 2017

16:35 - Corregedoria do MP arquiva denúncia contra promotor Mauro Zaque

16:28 - Governo recebe dívida da Conab e efetua repasses de R$ 164,5 milhões


// leia também

Domingo, 17 de dezembro de 2017

10:30 - MPF apura prática de improbidade administrativa no DNPM

Sábado, 16 de dezembro de 2017

16:32 - Jornal é proibido de publicar matérias sobre processo em que donos são réus

12:35 - Pedro Nadaf é condenado a mais de sete anos de prisão

11:06 - Claro suja nome de quem sequer era cliente e terá que pagar R$ 8 mil por danos morais

Sexta, 15 de dezembro de 2017

20:45 - Ex-governador Silval Barbosa é condenado a 13 anos e 7 meses de prisão

17:28 - Estado deve cumprir legislação sobre abono de permanência a policiais civis

16:55 - Juíz proíbe restaurante do Parque das Águas de servir 12 pratos

15:10 - Juíza nega autorização para dono de jornal viajar ao Nordeste

12:25 - Justiça condena asilo Mãos Unidas a pagar R$ 10 mil a ex-abrigados

10:31 - Idoso é condenado por tentar 'fugir' de financiamento de caminhonete


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 18/12/2017
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 18/12/2017
2460d513a351119a678ad6c5220f2984 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Quatro em cada dez crianças vivem abaixo da linha da pobreza no Brasil, segundo IBGE




Logo_classifacil









Loja Virtual