Empresários taxistas ainda 'brigam' no TJ por permissões 'fictícias' | Gazeta Digital

Quinta, 18 de maio de 2017, 15h59

Empresários taxistas ainda 'brigam' no TJ por permissões 'fictícias'

Welington Sabino, repórter do GD


João Vieira

Empresários taxistas ainda tentam invalidar lei que criou novas permissões somente no papel

A Associação dos Empresários Permissionários de Pontos de Táxi (Aspertáxi) continua brigando na Justiça para invalidar uma lei municipal de Cuiabá publicada em 2015 para regulamentar os serviços de táxi na Capital e aumentar em 187 o número de permissionários. Porém, sofreu outra derrota no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) já que o recurso contestando uma decisão do TJMT que extinguiu a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) da associação foi rejeitado por unanimidade.

A nova decisão contrária aos empresários taxistas foi tomada pelo Tribunal do Pleno do TJ na última quinta-feira (11). À ocasião, os desembargadores apreciaram e desproveram o recurso de embargos de declaração com efeitos infringentes (modificativo) de modo que está mantida a decisão anterior que extinguiu a Adin sem julgamento de mérito.

Em fevereiro deste ano os desembargadores extinguiram a ação sem apreciar o pedido principal que era para declarar inconstitucional a lei número 5.921, de 27 de março de 2015 que foi aprovada pela Câmara de Vereadores de Cuiabá e sancionada pelo então prefeito Mauro Mendes (PSB). A norma deu nova redação à Lei n. 5.090, de 22 de abril de 2008, que regulamenta o transporte individual de passageiros na Capital.

Lá atrás, quando o Tribunal de Justiça julgou extinta a ação da Aspertáxi, ressaltou existir um conflito de interesses envolvendo empresários donos de táxis e permissões e trabalhadores que muitas vezes precisam pagar diárias para esses empresários.

A Procuradoria Geral de Justiça destacou que a nova lei “favorece favorece o trabalhador taxista, dificultando a sua exploração pelo empresário, na medida em que se prestigia a permissão à pessoa física, limitando a concessão às empresas, contribuindo, assim, para uma sociedade mais justa, uns dos pilares que fundamentam a existência e a organização do Estado, consoante dicção do artigo 1º da Constituição Estadual e artigo 3º da Constituição Federal, que cataloga como um dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil a construção de uma sociedade livre, justa e solidária”.

Tal entendimento foi adotado pelos desembargadores por entenderem que a Aspertáxi não tinha legitimidade para ingressar com a ação visando derrubar uma lei que beneficia os trabalhadores que não se sentem representados pela Aspertáxi. Após analisar o estatuto da Aspertáxi o relator Alberto Ferreira de Souza ressaltou que é nítida a conflituosidade de interesses no caso pois de um lado têm-se as pessoas jurídicas detentoras das permissões, que almejam, por óbvio, que seja mantida a situação de antes. E de de outro, vislumbram-se os permissionários individuais, reais beneficiados com a reforma legislativa.

Ele destacou que a própria Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob) deixou claro que a nova lei foi aprovada “justamente para reequilibrar e dar maior possibilidade de inserção aos permissionários autônomos, ou seja, pessoa física” e para prezar pelo valor social do trabalho e não simplesmente favorecer o poderio empresarial”

No recurso interposto no Tribunal de Justiça, a Aspertáxi argumentou que conta somente com associados na qualidade de empresários permissionários, sem a adesão de permissionários autônomo. Alegou que “em razão de seu quadro associativo ser direcionado aos prestadores de serviço de táxi, pessoa jurídica ou física, autônomos ou empresários, cai por terra a violação à defesa homogênea da classe ‘taxista’, até porque o escopo da presente ação é a inconstitucionalidade de uma lei que impacta na atividade e toda a sua universalidade de relações e inter-relações impactadas por ela, não somente os empresários versus autônomos”.

Os argumentos não foram acolhidos. Com isso, a lei continua em vigor, mas na prática não tem qualquer efeito, pois as novas permissões anunciadas por Mauro Mendes em 2015 nunca foram distribuídas. Ou seja, só existem no papel.



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 20 de março de 2017

15:19 - TJ extingue ação e mantém lei que aumentou permissões de táxi

Terça, 14 de fevereiro de 2017

07:40 - TJ decidirá sobre 'briga de taxistas' contra novas permissões

Quarta, 07 de outubro de 2015

15:40 - Empresários tentam derrubar lei que aumentou permissões de táxi

Terça, 17 de março de 2015

15:44 - Aprovado projeto que aumenta as permissões de táxi em Cuiabá

Terça, 22 de abril de 2014

18:46 - Taxista afirma que categoria é favorável à redistribuição de permissões

Quarta, 09 de abril de 2014

16:21 - Audiência debate situação dos taxistas que vão ajudar a elaborar nova lei

Terça, 18 de março de 2014

17:42 - Sindicato dos taxistas considera projeto de lei uma 'afronta jurídica'

16:10 - Pressão de taxistas faz Executivo retirar projeto de lei da Câmara


// leia também

Terça, 23 de maio de 2017

19:22 - Empresa Pantanal Transportes deverá indenizar passageira presa em porta

17:42 - Seduc acionará Sintep por induzir professores a não cumprirem calendário escolar

17:37 - Policiais são suspeitos de 8 crimes com uso da máquina estatal

15:22 - Juiz estima que escutas ilegais chegam a 1 mil; coronel e cabo estão presos

15:02 - Ex-servidores fazem delação premiada e vão devolver R$ 264 mil

Segunda, 22 de maio de 2017

17:16 - Promotora de justiça sabia de esquema e não processou criminalmente, diz dono da JBS

17:01 - Fiscal da Sefaz preso por corrupção ostentando no RJ tem HC negado

16:25 - Vandoni é condenada a indenizar Janaina por ofensas

16:05 - Justiça aceita denúncia de sonegação milionária contra presidente da Ager

15:36 - Juíza nega ação de vereador, autoriza radares e mantém multas


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 24/05/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Quarta, 24/05/2017
7b718983308988510a4d6943f71dd371 anteriores




Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Na sua opinião, o Brasil é uma nação corrupta?



Logo_classifacil









Loja Virtual