Ex-prefeito de Alto Paraguai é condenado por improbidade | Gazeta Digital

Quarta, 17 de maio de 2017, 15h05

Ex-prefeito de Alto Paraguai é condenado por improbidade

Janã Pinheiro, repórter do MP/MT


O ex-prefeito de Alto Paraguai (200 km de Cuiabá), Alcenor Alves de Souza, foi condenado pela Justiça, por diversos atos de improbidade administrativa, relacionados ao exercício de 2002. O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 2ª Promotoria de Justiça Cível de Diamantino, ingressou com recurso junto ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso que, por unanimidade, deu provimento a apelação.

Dentre os atos de improbidade administrativa imputados ao ex-prefeito estão: emissão de cheques sem provisão de fundos; despesas com obras sem o devido processo licitatório, pagamento de diárias de forma incorreta e sem comprovantes; Inobservância do Patamar mínimo para o custeio da Educação e da Saúde, além de fragmentação de despesas para evitar o procedimento licitatório e quadro de pessoal com 50% de contratados.

Conforme o MP, as irregularidades ocorridas durante o período que esteve à frente da administração (2001/2004), mais especificamente quanto às contas do exercício de 2002, foram detectadas pelo Tribunal de Contas do Estado que emitiu o Parecer nº 050/2003, pela rejeição das contas. Ao todo, o TCE detectou mais de 30 irregularidades/ilegalidades cometidas pelo ex-prefeito.

“O dolo genérico se consubstancia na vontade de não cumprir o que determina a Constituição Federal, pois cometeu 36 irregularidades de natureza grave. Não passaria de mero enfeite o dispositivo constitucional. Portanto, está configurada a conduta dolosa por se conduzir contra o determinado pelas normas”, destacou em seu voto a desembargadora/relatora Nilza Maria Pôssas de Carvalho.

Com o trânsito em julgado da referida decisão, os direitos políticos do ex-prefeito foram suspensos por cinco anos. Ele ainda está proibido de contratar com o Poder Público pelo prazo de três anos, além de ter que pagar multa calculada no valor de R$ 170.732,64, e o ressarcimento do dano causado ao Município de Alto Paraguai, estimado em R$ 6.757.051,79, em valores atualizados e ainda sujeita à liquidação.

Com o objetivo de executar as penas, a 2ª Promotoria de Justiça de Diamantino ingressou com o pedido de execução das penas e de liquidação do dano ao erário municipal. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 23 de novembro de 2017

17:45 - MPE investiga sobrepreço de R$ 5,1 milhões em obra

16:06 - Estado é intimado em processo por causa de atraso salarial

15:04 - Viúva de ex-secretário-geral da ALMT é interrogada

14:06 - Juíza ouve policial que vazou dados do Gaeco

11:57 - 'Se deixar ele vende até o Estado', alertou Silval sobre Chico Lima

10:10 - TRT inocenta empresa de acidente que deixou trabalhador com sequelas

09:58 - Fazenda paga R$ 700 mil de multa e juiz destina para entidades de Sapezal

09:37 - MPE denuncia 99 por venda de carteiras de habilitação em MT e Goiás

Quarta, 22 de novembro de 2017

17:30 - Fraude na desapropriação no Renascer foi de R$ 21 milhões, diz Nadaf

15:34 - Juízes vão ao STF contra imunidade para deputados de MT


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 24/11/2017
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sexta, 24/11/2017
802e41ce112274fb550d4d86efa27dd7 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

A CPI do Paletó teve o número de assinaturas necessário e foi, finalmente, instalada




Logo_classifacil









Loja Virtual