Desembargador nega soltura de suposto líder de esquema da Caramuru | Gazeta Digital

Terça, 16 de maio de 2017, 18h45

Operação Zaqueus

Desembargador nega soltura de suposto líder de esquema da Caramuru

Karine Miranda, repórter do GD


O desembargador do Tribunal de Justiça, Orlando Perri, negou o pedido de habeas corpus impetrado pelo agente de tributos André Neves Fantoni, preso pela suposta prática dos crimes de associação criminosa, de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro, durante a Operação Zaqueus.

Ele foi preso no Rio de Janeiro e é acusado de contatar a empresa Caramuru Alimentos S/A  e solicitar o pagamento de vantagens indevidas no valor de R$ 1,215 milhão para reduzir um auto de infração de R$ 65,9 milhões para o irrisório valor de R$ 315 mil.

Otmar de Oliveira

Desembargador Orlando Perri nega pedido para soltar suposto líder de esquema da Caramuru

O esquema foi denunciado pelo advogado Themystocles Ney de Azevedo de Figueiredo, que também faria parte da associação criminosa.

Conforme o pedido de habeas corpus, a defesa de Fantoni alega que ele não apresenta risco à ordem pública, visto já que foi afastado do cargo e a ação “autoriza, de imediato, a revogação da custódia cautelar pessoal máxima”.

Sustenta ainda que a última conduta atribuída a Fantoni ocorreu nos anos de 2014/2015 e que a fundamentação empregada para o decreto prisional é inidônea “porquanto lastreada apenas na gravidade em abstrato do crime, enfatizando, em reforço, que não há risco de reiteração da prática de delitos”.

Isto porque, segundo a defesa, o alegado risco à instrução processual não se pauta em nenhum comportamento positivo por parte de Fantoni “não passando de mera premonição jurídica”.

O desembargador, no entanto, entendeu que a prisão preventiva de Fantoni tem por fundamento a garantia da ordem pública e a conveniência da instrução criminal.

Aponta que Fantoni teria procurado o representante da empresa Caramuru, Walter Junior, e afirmado que o debito da empresa ultrapassaria os R$ 100 milhões e que se houvesse o pagamento de 5% do valor, a Caramuru teria êxito no julgamento no setor de Gerência de Julgamento de Impugnação do Crédito Tributário, do qual era responsável.

Fantoni também teria procurado o advogado Themystocles  e repassado os valores da propina através de um contrato simulado de prestação de serviços entre o escritório e a empresa Caramuru. Ao todo, R$ 1,8 milhão teriam sido repassados ao agente de tributo, Alfredo Menezes e Matos Júnior, sacado por Themystocles e entregue, em mãos, para Fantoni, responsável por repassar parte cabível ao também integrante do esquema Farley Coelho Moutinho.

Otmar de Oliveira

Fantoni foi preso no Rio de Janeiro e é acusado de solicitar o pagamento de vantagens indevidas no valor de R$ 1, 215 milhão 

Outros esquemas – O desembargador apontou ainda que Fantoni teria confidenciado a Themystocles ter se utilizado de outro escritório de advocacia para dissimular o recebimento de suposta vantagem indevida relativa à fraude envolvendo a empresa Camisaria Colombo “demonstrando a contumácia da associação criminosa na execução de ilícitos desta natureza”.

Fantoni também teria se utilizado do escritório de advocacia da sua ex-companheira para o recebimento de suposta vantagem indevido relativo a outras fraudes executadas.

Além disso, segundo o desembargador, Fantoni teria tentado atrapalhar as investigações alegando que a Caramuru custearia até mesmo assessoria jurídica de Themystocles, caso e ele não revelasse toda a fraude, bem como estaria querendo matar o funcionário da empresa Caramuru, Walter.

“Não bastasse a reiteração da prática de delitos, comprovando, em tese, a necessidade da prisão preventiva para garantia da ordem pública, o coinvestigado Walter declarou que o paciente André Fantoni tentou criar outros álibis no sentido de prejudicar a investigação policial, entre elas, a de atribuir o recebimento de tais propinas ao ex-secretário Pedro Nadaf pois ele já estava incriminado e que jogariam mais essa na conta dele”, diz trecho da decisão.

Diante do cenário, o desembargador entendeu que, em liberdade, Fantoni poderá voltar a praticar novos delitos “colocando em risco a ordem pública, bem como criando novas estratégias e álibis, além daqueles já mencionados pelos investigados ouvidos pela autoridade policial, mostrando que a prisão preventiva, pelo menos por ora, se patenteia indispensável para conveniência da instrução criminal”, diz.

Alem disso, aponta que o afastamento do cargo público, isoladamente, não é motivo suficiente para inibir o ímpeto criminoso do paciente, “porquanto ficou evidenciado, às escâncaras, que ele atua de forma direta, e também indiretamente, arregimentando outros agentes de tributos para consumação dos ilícitos praticados”.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Terça, 14 de novembro de 2017

10:11 - Ministro do STJ suspende pagamento de fiança de agente da Sefaz

Segunda, 23 de outubro de 2017

16:55 - Juiz decreta sigilo em ação que apura fraude milionária na Sefaz

Quarta, 11 de outubro de 2017

11:30 - Confesso, delator por fraudes na Sefaz pede absolvição sumária

Quinta, 05 de outubro de 2017

16:51 - Juiz marca primeira audiência da operação Zaqueus

Terça, 12 de setembro de 2017

12:50 - Adjunto da Sesp é gravado prometendo ajuda à esposa de preso

Terça, 05 de setembro de 2017

16:15 - TJ parcela em 4 vezes fiança de agente da Sefaz preso por corrupção

Terça, 15 de agosto de 2017

17:17 - STF nega liberdade a agente de tributos e mantém fiança de R$ 430 mil

Sábado, 29 de julho de 2017

08:20 - Sem dinheiro para fiança, agente da Sefaz recorre ao STF

Quinta, 27 de julho de 2017

13:57 - TJ manda Estado pagar salário a líder de esquema

Quarta, 26 de julho de 2017

09:48 - STJ nega pedido de suspensão de fiança a agente de tributos


// leia também

Quinta, 23 de novembro de 2017

17:45 - MPE investiga sobrepreço de R$ 5,1 milhões em obra

16:06 - Estado é intimado em processo por causa de atraso salarial

15:04 - Viúva de ex-secretário-geral da ALMT é interrogada

14:06 - Juíza ouve policial que vazou dados do Gaeco

11:57 - 'Se deixar ele vende até o Estado', alertou Silval sobre Chico Lima

10:10 - TRT inocenta empresa de acidente que deixou trabalhador com sequelas

09:58 - Fazenda paga R$ 700 mil de multa e juiz destina para entidades de Sapezal

09:37 - MPE denuncia 99 por venda de carteiras de habilitação em MT e Goiás

Quarta, 22 de novembro de 2017

17:30 - Fraude na desapropriação no Renascer foi de R$ 21 milhões, diz Nadaf

15:34 - Juízes vão ao STF contra imunidade para deputados de MT


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 24/11/2017
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sexta, 24/11/2017
802e41ce112274fb550d4d86efa27dd7 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

A CPI do Paletó teve o número de assinaturas necessário e foi, finalmente, instalada




Logo_classifacil









Loja Virtual