Juiz extingue processo contra ex-presidente da AMM | Gazeta Digital

Domingo, 14 de maio de 2017, 07h02

Improbidade administrativa

Juiz extingue processo contra ex-presidente da AMM

Karine Miranda, repórter do GD


O juiz da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular da Comarca de Cuiabá, Luis Aparecido Bortolussi, extinguiu o processo contra o ex-presidente da Associação Mato-grossense de Municípios (AMM), Valdeci Colle, por ato de improbidade administrativa, que resultou na impossibilidade de a associação formalizar convênios.

A ação foi movida pela própria AMM. No processo, a instituição alega que Colle celebrou o convênio nº 057/2014 com a Secretaria de Estado de Cultura Esporte e Lazer enquanto era presidente.

O convênio previa a realização de Evento Municípios fortes Mato Grosso Sustentável – 31º Encontro de Prefeitos, 13º Encontro das 1ª Damas e 4º Encontro Sul Americano de Cultura Popular, totalizando R$ 696 mil. Colle, porém, realizou diversas prorrogações no convênio mesmo que o prazo de vigência sendo de apenas 30 dias.

Chico Ferreira

Juiz extingue processo contra ex-presidente da AMM, Valdeci Colle

A AMM afirma ainda que foi constatado pelo Tribunal de Contas (TCE) que houve desvio de finalidade dos recursos destinados ao convênio, motivo pelo qual foi rejeitada a prestação de contas de Colle e a inclusão da AMM no Cadastro do SIGCON, determinando a prestação de Contas Especial.

Aponta ainda que, diante do fato, a associação figura no cadastro de inadimplentes, e por isso está impedida de formalizar novos convênios.

O juiz, no entanto, entendeu que a AMM não têm legitimidade ativa para propor a ação civil de improbidade administrativa, visto que este tipo de ação só pode ser proposta pelo Ministério Público e as pessoas jurídicas interessadas.

Diante do exposto, o juiz indeferiu a petição inicial e julgou extinto o processo. “Como a legitimidade de associação para ajuizar ação por improbidade não está prevista na Lei de Improbidade, esta não pode ser ampliada por interpretação extensiva. Desta forma, forçoso é reconhecer a ilegitimidade ativa da AMM para propor a presente ação, tendo em vista que não consta do rol do art. 17 caput, da Lei n.º 8.429/92”, diz.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Sexta, 18 de agosto de 2017

19:33 - Supremo homologa delações de filho e ex-assessor de Silval

17:20 - Perri manda soltar coronéis da PM presos por grampos ilegais

15:15 - Taques acusa desembargador de ordenar perícia irregular

13:35 - Deputado Adriano Silva é réu por contratar empresas fantasmas na Unemat

12:44 - Nucci critica abusos em delação e alerta sobre nulidade da Lava Jato

12:30 - Audiências do 'Pai presente' serão realizadas neste sábado

11:22 - TJ mantém prisão de universitário que atropelou e matou manobrista

Quinta, 17 de agosto de 2017

19:20 - Justiça bloqueia bens de ex-prefeito por pagar obras não executadas

17:40 - Após suspensão movida por Faiad, juíza estende medida a toda ação penal

17:09 - Arcanjo deve ser transferido para Cuiabá em até 30 dias


 veja mais
Cuiabá, Sábado, 19/08/2017
 

Sebrae

Facebook Instagram
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 19/08/2017
44700daf2f1bf6eec9a853777d174124 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O prefeito de Cuiabá suspendeu, pela segunda vez, as multas de trânsito aplicadas por meio de videomonitoramento.




Logo_classifacil









Loja Virtual