Juíza autoriza reconstituição das mortes de André Luiz e Élcio | Gazeta Digital

Quinta, 11 de maio de 2017, 09h48

CASO CPA 3

Juíza autoriza reconstituição das mortes de André Luiz e Élcio

Keka Werneck, repórter do GD


A juíza Maria Aparecida Ferreira Fago, da Décima Segunda Vara Criminal de Cuiabá, autorizou a reconstituição da morte de André Luiz Alves de Oliveira, executado com 2 tiros, em uma casa do bairro CPA 3, Cuiabá, por volta das 15 horas, em 2 de agosto do ano passado, em uma mal sucedida ação da Polícia Militar, que gerou grande repercussão.

"Defiro a diligência, consistente, reforço, na reconstituição da cena do crime contra a vida, na forma consumada, descrito na denúncia, para melhor elucidar os fatos quanto às teses defensivas e evitar questionamentos futuros, fundados ou não, visando, também e principalmente, a garantir, de forma plena e irrefutável, o princípio constitucional da ampla defesa, além da não violação dos demais estabelecidos na Carta Magna vigente", argumentou a juíza na decisão.

Ela se refere a possíveis inconsistências do caso, após inquérito policial ser concluso e denúncia já feita pelo Ministério Público Estadual (MPE).

A ação resultou primeiramente no assassinato de um soldado, Élcio Ramos Leite, de 29 anos, atingido por um disparo feito por André. Na sequência, de acordo com denúncia do MPE, o major da PM Waldir Félix de Oliveira Paixão Junior atirou contra André Luiz, no calor dos fatos, para vingar a morte do parceiro de operação, soldado Élcio.

Conforme a PM, André Luiz estava sendo investigado pela venda de armas de fogo via rede sociais assim como o irmão dele, Carlos Alberto de Oliveira Júnior, 31.

O pedido de reconstituição da cena foi feito à juíza pela defesa do major Paixão Júnior. "Os fatos articulados na denúncia ofertada não correspondem com a verdade, como pretende demonstrar no transcorrer da instrução criminal", diz trecho da petição.

O major, denunciado por homicídio qualificado, quer, com a reconstituição, provar inocência.

Para isso, ele pediu também nova oitiva das testemunhas arroladas

O MP manifestou-se contrário à reconstituição do crime e o desentranhamento de documentos acostados, acatando apenas a inclusão dos pais de André Luiz como assistentes de acusação.

"Os fatos restaram fartamente provados, através de testemunhas e dos circunstanciadíssimos exames periciais anexados aos autos", assegura o promotor Jaime Romaquelli, autor da denúncia.

O promotor ressalta que André Luiz, antes de ser executado, foi espancado com instrumentos contundentes, sofrendo lesões em diversas partes do corpo, como apontou laudo pericial de necropsia.

"Fotografias sequenciais produzidas por repórteres fotográficos que acompanhavam as cenas passo a passo, as quais mostram a vítima se rendendo com as mãos para o alto, sem apresentar nenhuma lesão, e sem portar nenhuma arma; perícia realizada nessas fotografias a demonstrar que não havia qualquer arma em poder da vítima. No tocante à autoria, o réu confessa que foi o autor dos disparos fatais. Para que a reprodução simulada dos fatos???" - questiona nos autos o promotor.

A Gazeta registrou a cena.

Chico Ferreira

PM à paisana salta do muro

André Luiz desarmado e imobilizado antes de morrer

 

Mesmo assim, a juíza definiu pela reconstituição e determinou que autoridade policiail seja intimada para que adote as providências necessárias, na forma da lei.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Terça, 20 de fevereiro de 2018

15:05 - Justiça Federal libera 90 municípios de MT para receber repasses federais

10:27 - Apartamento de R$ 470 mil do delator Pedro Nadaf é arrematado em leilão

08:44 - Sargento chora e defende o cabo Gerson; 'Era um bom profissional' - fotos e vídeo

08:00 - Savi e Botelho são apontados como líderes de organização criminosa por delator

00:00 - João Arcanjo deixa a prisão na próxima segunda-feira

Segunda, 19 de fevereiro de 2018

19:20 - Juiz afasta prefeita Luciane Bezerra por 180 dias

18:23 - MPE arquiva inquérito e concurso de delegado deve ser retomado

16:41 - Empresa pagou R$ 1,5 milhão para Savi e Silval garantirem contrato no Detran

16:30 - CGE já apontava fraudes no Detran desde 2011

15:05 - Desembargador nega prisões de 49 investigados por fraudes no Detran - veja lista


 veja mais
Cuiabá, Terça, 20/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 20/02/2018
768bdb65035787436f1bc4ad07df1cf3 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Após 15 anos, Arcanjo deixa a prisão e vai cumprir regime semiaberto




Logo_classifacil









Loja Virtual