Delações não serão liberadas para ex-secretário réu por corrupção | Gazeta Digital

Segunda, 03 de abril de 2017, 17h06

SODOMA 4

Delações não serão liberadas para ex-secretário réu por corrupção

Welington Sabino, repórter do GD


Elza Fiúza/Agência Brasil

Arnaldo Alves solicitou cópia de delações da Sodoma, mas juíza Selma Rosane negou pedido

Acordos de delação premiada envolvendo investigados e réus da Operação Sodoma não serão disponibilizados por meio de cópias integrais para serem anexados à ação penal derivada da 4ª fase da Sodoma. O pedido, feito pela defesa do ex-secretário e réu, Arnaldo Alves de Souza Neto, foi negado pela juíza Selma Rosane Santos Arruda na mesma decisão onde a magistrada absolveu sumariamente 5 denunciados.

Conforme os autos, os advogados de Arnaldo Alves solicitaram cópias integrais das tratativas pré-acordo das delações firmadas pelo ex-secretário de Administração Pedro Elias Domingos de Mello, pelo arquiteto Antônio Rodrigues Carvalho, pelo ex-presidente do Intermat Afonso Dalberto, pelo empresário Filinto Muller, pelo funcionário público João Justino Paes de Barros e por Gabriel Gaeta Aleixo.

Solicitou também cópia de eventual procedimento que vise à execução de acordo de colaboração premiada com o ex-secretário chefe da Casa Civil Pedro Jamil Nadaf. Porém, a magistrada deixou claro que Pedro Nadaf não firmou qualquer acordo de colaboração premiada devidamente homologado até o momento.

“Há que se registrar que com relação a Pedro Nadaf, até a presente data não foi homologado por este juízo nenhum temo de colaboração premiada firmado por este réu, motivo pelo qual são completamente insubsistentes as alegações defensivas quanto a renúncia feita por ele em acordo de colaboração com relação ao sigilo dos dados constantes no incidente da medida cautelar decretada por este juízo”.

Conforme a juíza, a vinda de tais documentos não tem relevância para o desfecho da ação penal. “Ademais, conforme já registrado nesta decisão, acordo de colaboração premiada, é negócio jurídico personalíssimo celebrado entre o Ministério Público e o réu colaborador, que gera direitos e obrigações apenas para as partes, em nada interferindo na esfera jurídica de terceiros, ainda que referidos no relato da colaboração”, enfatizou a juíza Selma Arruda.

A magistrada ressalta que coautores ou partícipes do réu colaborador nos crimes, ainda que venham a ser expressamente nominados no instrumento no relato da colaboração e seus possíveis resultados não possuem legitimidade para contestar a validade do acordo.

“Negar ao delatado a possibilidade de impugnar acordo dé colaboração premiada assinado por outro acusado não significa cerceamento de defesa, pois terá direito ao contraditório durante a instrução para confrontar as acusações e, ainda, a lei estabelece que nenhuma sentença condenatória será proferida com fundamento apenas nas declarações de agente colaborador”, esclarece.

Selma Arruda também negou pedido de Arnaldo para ter acesso integral aos dados de sigilo fiscal e bancário dos colaboradores e de Pedro Nadaf. Ela justifica que a defesa do ex-secretário “não apresentou qualquer justificativa ou fundamentação que justificasse o acolhimento de suas pretensões, tampouco a imprescindibilidade de tal providência para o objeto das provas a serem produzidas em face do seu cliente”.

O alvo da 4ª fase foi um esquema de cobrança de propina de R$ 15,8 milhões envolvendo a desapropriação do terreno do bairro Jardim Liberdade, em Cuiabá. O terreno foi comprado pelo Estado por R$ 31,8 milhões quando estava avaliada em R$ 17, 8 milhões.

As investigações da Delegacia Fazendária (Defaz) com aval do MPE apontaram que que a organização criminosa chefiada pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB) agindo por intermédio do braço instalado no Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), presidido por Afonso Dalberto, solicitou e recebeu propina no valor de R$ 15,8 milhões entre abril e novembro de 2014.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 03 de agosto de 2017

16:28 - MP aciona Silval e mais 10 'comparsas' por enriquecimento ilícito

Sexta, 21 de julho de 2017

13:20 - Dinheiro de propina pagou festa de posse de Silval, confirma Malouf

Segunda, 03 de julho de 2017

15:05 - Ex-chefe do Intermat revela que foi chamado de 'cagão por Silval

Quarta, 14 de junho de 2017

16:18 - Cursi alega risco de hemorragia na prisão, mas TJ nega HC

Terça, 06 de junho de 2017

13:36 - Defesa terá que localizar secretário para ser ouvido em juízo

Quinta, 01 de junho de 2017

17:15 - Juíza manda hipotecar apartamento de Faiad

Quarta, 31 de maio de 2017

17:42 - TJ nega HC a Chico Lima que segue preso no CCC

Quinta, 11 de maio de 2017

18:32 - TJ decide que Alberto Ferreira é o relator da Sodoma

Segunda, 08 de maio de 2017

09:55 - Confissão de Silval Barbosa é adiada

Quinta, 04 de maio de 2017

15:32 - Com várias derrotas no STF, defesa de Cursi pede outro HC


// leia também

Domingo, 17 de dezembro de 2017

10:30 - MPF apura prática de improbidade administrativa no DNPM

Sábado, 16 de dezembro de 2017

16:32 - Jornal é proibido de publicar matérias sobre processo em que donos são réus

12:35 - Pedro Nadaf é condenado a mais de sete anos de prisão

11:06 - Claro suja nome de quem sequer era cliente e terá que pagar R$ 8 mil por danos morais

Sexta, 15 de dezembro de 2017

20:45 - Ex-governador Silval Barbosa é condenado a 13 anos e 7 meses de prisão

17:28 - Estado deve cumprir legislação sobre abono de permanência a policiais civis

16:55 - Juíz proíbe restaurante do Parque das Águas de servir 12 pratos

15:10 - Juíza nega autorização para dono de jornal viajar ao Nordeste

12:25 - Justiça condena asilo Mãos Unidas a pagar R$ 10 mil a ex-abrigados

10:31 - Idoso é condenado por tentar 'fugir' de financiamento de caminhonete


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 18/12/2017
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 18/12/2017
2460d513a351119a678ad6c5220f2984 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Quatro em cada dez crianças vivem abaixo da linha da pobreza no Brasil, segundo IBGE




Logo_classifacil









Loja Virtual