Fachin defende condução coercitiva e crítica sistema penal 'injusto' | Gazeta Digital

Quarta, 13 de junho de 2018, 17h30

Fachin defende condução coercitiva e crítica sistema penal 'injusto'


Estadao

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu o uso da condução coercitiva para interrogatórios e divergiu do ministro Gilmar Mendes, que votou para proibir a medida. Em seu voto, Fachin fez um discurso contundente sobre as desigualdades no sistema penal brasileiro, o qual ele ainda considera marcado por injustiças de tratamento entre os ‘poderosos‘ e os menos abastados.

O voto de Fachin acompanha parcialmente ao de Alexandre de Moraes, primeiro a votar na sessão desta quarta-feira, 13. Os ministros concordam que é permitida a condução coercitiva desde que os investigados não tenham atendido à prévia intimação. No entanto, Fachin também defende o uso da coercitiva, sem intimação prévia, quando o juiz justifica que a ferramenta foi usada para substituir uma medida mais gravosa, como prisões preventivas.

Assim, a posição do ministro abre mais possibilidades para o uso da condução coercitiva frente ao que foi estabelecido por Moraes, e diverge substancialmente de Gilmar.

O STF retomou nesta tarde o julgamento de duas ações - do Partido dos Trabalhadores e do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - que contestam a condução coercitiva de investigados para a realização de interrogatórios, um procedimento que vinha sendo utilizado em investigações da Polícia Federal até o final do ano passado, quando Gilmar vetou por uma medida liminar.

Em seu voto, Fachin afirmou que a discussão em torno da condução é uma ‘oportunidade ímpar e histórica‘ em torno da compreensão da Suprema Corte sobre o sistema punitivo brasileiro. ‘O Brasil tem sido marcado ao longo de sua história por um sistema de justiça criminal notadamente injusto, com tratamento desigual entre o segmento mais abastado e o cidadão desprovido de poder econômico e político‘, afirmou o ministro, relator da Lava Jato no STF.

Para o ministro, este ‘pano de fundo mancha a paisagem cívico brasileira‘. Fachin também criticou as interpretações demasiadamente amplas da Constituição, que entendem o texto constitucional como um ‘tecido aberto para qualquer interpretação‘.

Sobre isso, o ministro disse haver dois extremos, entre aqueles que compreendem o direito penal como mínimo, beneficiando uma parcela da população, e aqueles que adotam uma política de ‘tolerância zero‘. ‘Nesses opostos há um flerte com o autoritarismo‘, comentou o ministro.

‘Ainda que sonhemos com uma sociedade livre (...), quer se queira ou não, a Constituição brasileira escolheu o direito penal como um de seus instrumentos, inclusive como de proteção dos direitos humanos‘, continuou Fachin.

Apesar da críticas, o ministro aproveitou o voto para ‘saudar‘ os avanços em torno do sistema criminal brasileiro, que já superou ‘muitas das causas‘ dos tratamentos desiguais. ‘Saúdo e registro neste voto os recentes avanços obtidos que importaram no desvelar de uma sucessão de episódios repugnantes, e isso se deve também e especialmente a determinação e persistência de muitos juízes de primeiro grau, secundados por igualmente valorosos julgadores de segundo grau‘, afirmou Fachin. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 18 de junho de 2018

11:14 - Cármen Lúcia marca para 20/6 retomada de julgamento sobre delação premiada

Domingo, 17 de junho de 2018

08:54 - Cármen Lúcia assume pela 2ª vez a Presidência da República

Sexta, 15 de junho de 2018

18:00 - Cármen diz que ministros do Supremo são mais conhecidos que jogadores da Copa

17:00 - Dodge e Cármen Lúcia pedem mais mulheres no poder em conferência de procuradoras

16:25 - Gilmar Mendes solta prefeito de Mauá flagrado com R$ 80 mil na panela

13:44 - Sérgio Moro diz a Toffoli que avaliará conexão do sítio Atibaia com Petrobras

Quinta, 14 de junho de 2018

17:00 - Lewandowski leva a julgamento presencial reclamação de Lula contra grampos

16:48 - Por 6 votos a 5, STF impede conduções coercitivas para interrogatório

16:05 - Toffoli critica 'espetacularização' da condução coercitiva e vota contra medida

13:46 - Vítimas de perseguições, 110 juízes vivem sob proteção em todo o País


// leia também

Segunda, 18 de junho de 2018

17:30 - Justiça condena Marcos Valério a 16 anos e 9 meses de prisão no mensalão mineiro

17:15 - Promotoria arquiva inquérito de caixa dois na campanha de Mercadante

16:25 - Alckmin afina alianças do PSDB com PSD em jantar na casa de Kassab

16:18 - Conselho de Ética da Câmara deve instaurar processo contra Nelson Meurer

16:04 - Não seria demais falar que quase tudo está errado no Brasil, diz Bolsonaro

13:30 - Cármem Lúcia assume a Presidência da República

13:18 - Alckmin diz que apoio de Temer seria honroso, mas lembra que MDB tem candidato

12:30 - Polícia Civil investiga ações do ex-senador Luiz Estevão na Papuda

11:04 - Temer está no Paraguai para participar de reunião de cúpula do Mercosul

10:41 - Alvaro Dias recusa apoiar candidatura de irmão no Paraná


 veja mais
Cuiabá, Terça, 19/06/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 19/06/2018
469cf77038290f16bf38d5b8552ee12d anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Reino Unido firma pacto com empresas para reduzir uso de plástico e poluição




Logo_classifacil









Loja Virtual