Barroso diz que coercitiva é legítima e critica ?súbita indignação? com medida | Gazeta Digital

Quarta, 13 de junho de 2018, 19h00

Barroso diz que coercitiva é legítima e critica ?súbita indignação? com medida


Estadao

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu nesta quarta-feira, 13, a legitimidade da condução coercitiva para interrogatório de um acusado que não atender a uma prévia intimação. Barroso também defendeu a legitimidade da condução coercitiva nas hipóteses em que seria possível a prisão cautelar do investigado, acompanhando o entendimento firmado pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF.

‘A condução coercitiva do investigado, quando haja fundamento razoável, esta possibilidade é a prática da maior parte das democracias do mundo, sendo que em boa parte deles não se exige sequer a ordem judicial. A própria polícia pode fazer a condução‘, disse Barroso na sessão plenária desta quarta-feira. No caso do Brasil, Barroso defendeu a condução coercitiva mediante ordem judicial.

O STF retomou nesta tarde o julgamento de duas ações - do Partido dos Trabalhadores e do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - que contestam a condução coercitiva de investigados para a realização de interrogatórios, um procedimento que vinha sendo utilizado em investigações da Polícia Federal até o final do ano passado, quando foi vetado em decisão liminar do ministro Gilmar Mendes.

Indignação

Durante a leitura do voto, Barroso criticou a ‘súbita indignação contra a condução coercitiva‘ e ressaltou que o dispositivo do Código de Processo Penal que prevê a medida está em vigor no País desde 3 de outubro de 1941. O ministro ainda lembrou que, em manifestações encaminhadas ao STF, a Presidência da República, a Procuradoria-Geral da República (PGR) e o Congresso Nacional defenderam a medida.

‘Eu arrisco um palpite (sobre a súbita indignação). É que o direito penal vai chegando, aos poucos, com atraso, mas não tarde demais, ao andar de cima, aos que sempre se imaginaram imunes e impunes. Gente que paga tudo com dinheiro vivo, desconhece o sistema bancário. Gente que vive de dinheiro fácil, com dinheiro dos outros, dinheiro desviado‘, comentou Barroso.

‘E agora que juízes corajosos rompem pacto oligárquico e começam a delinear um direito penal menos seletivo e alcançar criminosos do colarinho branco, há um surto de garantismo. É o mal travestido de bem‘, prosseguiu o ministro.

Direito

Barroso aproveitou o discurso para dizer que aplica a todos, ricos e pobres, ‘o mesmo direito penal‘.

‘Não trato os pobres como se fossem invisíveis e os ricos como se fossem imunes. Nem viro os olhos pro outro lado se o réu for poderoso‘, afirmou Barroso, relator de um inquérito que investiga o presidente Michel Temer e apura suspeitas de irregularidades em torno do decreto dos Portos.

‘Acho que há uma velha ordem que precisa ser empurrada pra margem da história e é nosso papel empurrá-la. Ninguém deseja Estado policial, uma sociedade punitiva, mas aqui é preciso fazer esclarecimento: o Estado que pune um empresário que ganha licitação porque pagou propina não é Estado policial, é Estado de Justiça‘, concluiu o ministro. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 18 de junho de 2018

11:14 - Cármen Lúcia marca para 20/6 retomada de julgamento sobre delação premiada

Domingo, 17 de junho de 2018

08:54 - Cármen Lúcia assume pela 2ª vez a Presidência da República

Sexta, 15 de junho de 2018

18:00 - Cármen diz que ministros do Supremo são mais conhecidos que jogadores da Copa

17:00 - Dodge e Cármen Lúcia pedem mais mulheres no poder em conferência de procuradoras

16:25 - Gilmar Mendes solta prefeito de Mauá flagrado com R$ 80 mil na panela

13:44 - Sérgio Moro diz a Toffoli que avaliará conexão do sítio Atibaia com Petrobras

Quinta, 14 de junho de 2018

17:00 - Lewandowski leva a julgamento presencial reclamação de Lula contra grampos

16:48 - Por 6 votos a 5, STF impede conduções coercitivas para interrogatório

16:05 - Toffoli critica 'espetacularização' da condução coercitiva e vota contra medida

13:46 - Vítimas de perseguições, 110 juízes vivem sob proteção em todo o País


// leia também

Segunda, 18 de junho de 2018

17:30 - Justiça condena Marcos Valério a 16 anos e 9 meses de prisão no mensalão mineiro

17:15 - Promotoria arquiva inquérito de caixa dois na campanha de Mercadante

16:25 - Alckmin afina alianças do PSDB com PSD em jantar na casa de Kassab

16:18 - Conselho de Ética da Câmara deve instaurar processo contra Nelson Meurer

16:04 - Não seria demais falar que quase tudo está errado no Brasil, diz Bolsonaro

13:30 - Cármem Lúcia assume a Presidência da República

13:18 - Alckmin diz que apoio de Temer seria honroso, mas lembra que MDB tem candidato

12:30 - Polícia Civil investiga ações do ex-senador Luiz Estevão na Papuda

11:04 - Temer está no Paraguai para participar de reunião de cúpula do Mercosul

10:41 - Alvaro Dias recusa apoiar candidatura de irmão no Paraná


 veja mais
Cuiabá, Terça, 19/06/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 19/06/2018
469cf77038290f16bf38d5b8552ee12d anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Reino Unido firma pacto com empresas para reduzir uso de plástico e poluição




Logo_classifacil









Loja Virtual