Partidos ensaiam lançar 'não políticos' em sete Estados | Gazeta Digital

Segunda, 08 de janeiro de 2018, 13h55

política Nacional

Partidos ensaiam lançar 'não políticos' em sete Estados


Estadao

Em pelo menos sete Estados, "outsiders" tentam viabilizar candidaturas aos governos locais, mas enfrentam resistência diante de alianças firmadas pelos partidos com mais representatividade no Congresso e dificuldade em conseguir melhorar índices de intenção de voto.

A dez meses da eleição, pré-candidatos vindos da área empresarial e do Judiciário buscam espaço em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Tocantins e São Paulo.

Reprodução

Bernardinho pode disputar o governo do RJ

A iniciativa de lançar nomes de fora da política para a disputa estadual em 2018 parte, principalmente, de siglas menores ou criadas recentemente.

O partido Novo, registrado em setembro de 2015, é a principal legenda dos outsiders: são três pré-candidatos já lançados e outras duas em negociação.

Criada no mesmo ano pela ex-ministra Marina Silva, a Rede Sustentabilidade busca nomes na Justiça. "A única forma de oxigenar o sistema político é trazendo novos nomes e ideias, não só de jovens, mas pessoas experientes de outras áreas que poderiam ser candidatas", disse o porta-voz da Rede, Zé Gustavo.

Donos das maiores bancadas no Congresso, partidos como PSDB, PT e MDB não têm investido nesse perfil. "A renovação por renovação não diz nada. Tem de renovar com qualidade e valorizar a experiência", afirmou o secretário-geral do PSDB, Marcus Pestana.

Perfil novo

Conhecido como um dos idealizadores da Lei da Ficha Limpa, o juiz aposentado Márlon Reis vai disputar o governo do Tocantins pela Rede. Em 2012, foi o primeiro juiz a exigir que os candidatos divulgassem antecipadamente os doadores de campanha, o que se tornou lei nacional. "Sou um outsider porque não fazia parte dos mecanismos partidários. Só recentemente cheguei para esse tipo de atuação, mas sempre estive na política. São poucos (outsiders) disputando cargos majoritários pela dificuldade de mobilizar grandes contingentes eleitorais", disse Reis.

Mato Grosso do Sul é outro Estado em que um outsider do Judiciário pode disputar o cargo de governador. O juiz aposentado Odilon de Oliveira, que se filiou ao PDT, ficou conhecido por combater o narcotráfico na fronteira com o Paraguai. Aos 68 anos, está aposentado desde outubro. Uma semana antes de deixar o cargo, decretou a prisão do italiano Cesare Battisti - revogada posteriormente.

Em Minas, Distrito Federal e Rio Grande do Sul, os outsiders são filiados ao Novo e da área empresarial. "Nossa maior dificuldade foi encontrar pessoas dispostas a participar e abrir mão da atividade profissional para se dedicar a um possível mandato", explicou Moisés Jardim, presidente do partido.

O Novo cogita lançar o líder do movimento Vem Pra Rua, Rogério Chequer, para disputar o governo de São Paulo. Já o ex-técnico da seleção brasileira de vôlei Bernardinho pode ser candidato no Rio. No Rio Grande do Sul, o partido estuda Mateus Bandeira, ex-presidente do Banrisul. Em Minas, o escolhido foi o empresário Romeu Zema Neto, do Grupo Zema.

No Distrito Federal, o pré-candidato é Alexandre Guerra, presidente da rede de restaurantes Giraffas. Para ele, partidos tradicionais tentam firmar candidaturas com base em "coalizões e distribuição de cargos", enquanto o Novo busca "mérito".

Dificuldades

Representantes de partidos com as maiores bancadas no Congresso avaliam que candidaturas "outsiders" terão dificuldade para crescer nas pesquisas eleitorais nos Estados.

Para o presidente do DEM, senador José Agripino (RN), os políticos tradicionais "têm mais visibilidade e serviços prestados" para mostrar aos eleitores. "No meu Estado, os outsiders que apareceram nunca saíram de um dígito (de intenção de votos), é sempre muito pouco: 1%, 2%, não sai disso nunca", afirmou Agripino.

O senador citou a possibilidade de candidatura do desembargador Cláudio Santos no Rio Grande do Norte. Santos foi presidente do Tribunal de Justiça do Estado e tem sido cortejado por partidos como o Avante!.

O secretário-geral do PSDB, Marcus Pestana, disse que é preciso ter "uma mescla de oxigenação do sistema político com experiência". Ele afirmou que é importante atrair novos nomes por causa do "abismo que separa a sociedade da política", mas ponderou que "isso não é um valor absoluto".

Para o presidente do PDT, Carlos Lupi, que aposta no nome do juiz Odilon de Oliveira para o governo de Mato Grosso do Sul, é obrigatório que o candidato tenha "alguma experiência exitosa na vida privada" como condição para alcançar viabilidade eleitoral. "Nós (do PDT) julgamos que o principal de qualquer candidatura que não esteja na política tradicional tem de ter alguma experiência em lidar com a população. O que não dá é pegar um artista, só porque tem fama, e lançar como candidato", afirmou. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Domingo, 17 de junho de 2018

10:45 - MP recomenda que empresas informem contratação de painéis publicitários

09:05 - Plataformas online monitoram atividade de políticos

Sábado, 16 de junho de 2018

11:17 - Ex-reitora da UFMT admite dificuldade na disputa ao Senado

Sexta, 15 de junho de 2018

17:29 - Aécio decidirá 'no tempo oportuno' se é candidato ou não, diz Anastasia

13:55 - 'Datena tem espírito público, gosto do jeitão dele', diz Alckmin

Sábado, 09 de junho de 2018

09:06 - Maia já articula reeleição à presidência da Câmara

08:55 - Magno Malta diz a Bolsonaro que não será vice

Quinta, 07 de junho de 2018

14:07 - Quando atingir 2 dígitos, ele liga para mim, diz Bolsonaro sobre Alckmin

09:55 - Selma Arruda pode disputar Senado em 'chapa branca', diz Galli

Quarta, 06 de junho de 2018

16:30 - Flávio Rocha lança movimento na Câmara e defende 'privatização radical'


// leia também

Domingo, 17 de junho de 2018

08:54 - Cármen Lúcia assume pela 2ª vez a Presidência da República

Sábado, 16 de junho de 2018

15:30 - Preso na Registro Espúrio diz que pode implicar ex-ministro

13:30 - Marco Aurélio afirma que ato ressoa como censura

11:34 - Justiça Federal aceita 24ª denúncia contra ex-governador Sérgio Cabral

09:51 - CNJ proíbe manifestações políticas de juízes nas redes

09:34 - Parlamentares pedem cota para candidata negra

Sexta, 15 de junho de 2018

18:30 - Tesouro honra R$ 594,1 mi em garantias em maio, maior parte de créditos do RJ

18:00 - Cármen diz que ministros do Supremo são mais conhecidos que jogadores da Copa

17:00 - Dodge e Cármen Lúcia pedem mais mulheres no poder em conferência de procuradoras

16:25 - Gilmar Mendes solta prefeito de Mauá flagrado com R$ 80 mil na panela


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 18/06/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 18/06/2018
4e47432e5d7c10f8cc440c97a233c10f anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Canarinho Pistola, mascote da seleção brasileira, foi vetado dos jogos da Copa




Logo_classifacil









Loja Virtual