Juiz federal revalida parte do acordo de leniência da J&F | Gazeta Digital

Quinta, 12 de outubro de 2017, 11h54

Juiz federal revalida parte do acordo de leniência da J&F


Agência Brasil

Um mês após suspender o acordo de leniência da J&F para fins criminais, o juiz federal Vallisney de Souza, da 10ª Vara Federal em Brasília, decidiu hoje (11) revalidar parte do acordo firmado em junho pelo grupo e a Procuradoria da República no Distrito Federal.

Na decisão, Vallisney diz que a sustação do acordo poderia prejudicar o andamento de investigações relativas à Operação Greenfield, que apura um esquema de desvio em fundos de pensão de empresas estatais, e a Lava Jato, além de atrasar o processo de pagamento de indenizações.

“A sustação dos efeitos da homologação pode prejudicar de fato a própria verdade real que se quer buscar com as investigações e processos criminais na Operação Greenfiels, Cui Bono (Lava Jato) e Sépis, pelo fato de que possíveis aderentes pessoas naturais podem vir a ser testemunhas ou colaboradores na investigação criminal e que, se continuar a sustação da homologação, haverá prejuízo para a Justiça Penal”, argumentou Vallisney de Souza.

A decisão de hoje, segundo o magistrado, refere-se apenas à Cláusula 13 do acordo, que trata da adesão de pessoas ao acordo para fins criminais exclusivos às operações Operação Greenfiels, Cui Bono e Sépis.

O acordo de leniência firmado com o Grupo J&F, controlador da JBS, prevê que empresa pague R$ 10,3 bilhões de multa e ressarcimento mínimo pelo esquema de corrupção envolvendo o pagamento de propina a agentes públicos. Prevê ainda que a destinação de R$ 8 bilhões a órgãos públicos prejudicados pelos atos criminosos e o restante (R$ 2,3 bilhões) para o financiamento de projetos sociais. Além disso, o acordo estabelece o pagamento da multa, ao longo de 25 anos, corrigida pelo Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA). Com isso, a previsão do Ministério Público é de que a multa, ao final, supere os R$ 20 bilhões.

No mês passado, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, anulou a imunidade penal que havia concedido ao empresário Joesley Batista, dono da JBS, e a Ricardo Saud ex-executivo da empresa. O benefício foi anulado porque Janot concluiu que Batista e Saud omitiram informações durante o processo de assinatura do acordo de delação premiada.

Logo após a decisão da Procuradoria-Geral da República, a Justiça Federal em Brasília decidiu suspender o acordo de leniência da J&F para fins criminais.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quarta, 18 de julho de 2018

18:00 - Ministra mantém preso ex-diretor da OAS condenado na Lava Jato

15:13 - Mulher de Eduardo Cunha é condenada pelo Tribunal da Lava Jato

09:11 - Delação premiada cita repasse para empresa de filhos de José Yunes

Segunda, 16 de julho de 2018

15:48 - Argentina fecha acordo com Procuradoria para usar delações da Lava Jato

Domingo, 08 de julho de 2018

10:33 - Juiz pede ao governo de Minas que avalie transferência de Azeredo

Sábado, 07 de julho de 2018

14:00 - Gilmar critica 'canonização' da Lava Jato

Quarta, 04 de julho de 2018

10:34 - Nova fase da Lava Jato investiga fraudes em licitação na área de saúde

Sábado, 30 de junho de 2018

13:30 - Fatia do BNDES na JBS é alvo de vários grupos

08:54 - José Dirceu vai usar tornozeleira eletrônica e entregar passaporte

Quinta, 28 de junho de 2018

09:26 - Lula pede liberdade à Segunda Turma do STF


// leia também

Quarta, 18 de julho de 2018

21:00 - Tribunal absolve André Vargas e seu irmão em ação por lavagem de dinheiro

18:30 - Presidente do STJ nega liberdade a Cunha no processo do Porto Maravilha

17:45 - 'Bolsonaro não combina com nosso partido', diz presidente estadual do PRP

14:03 - Celso de Mello autoriza Cristiane Brasil a participar de Executiva do PTB

13:54 - Dinheiro vivo declarado na eleição será fiscalizado

12:50 - Em Cabo Verde, Temer anuncia cooperação coma imprensa e TVs públicas da CPLP

12:30 - Ciro diz que acordo Embraer-Boeing é clandestino e ameaça segurança nacional

09:00 - Mesa Diretora da Câmara decide em agosto se Maluf deve perder mandato

Terça, 17 de julho de 2018

17:34 - Cassação de Maluf deve voltar a ser discutida na Câmara em agosto

15:30 - Líder do PR diz que bancada está dividida entre Lula e Bolsonaro


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 18/07/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 18/07/2018
93ae6ae9690a2b7358a5399642de1263 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual sua opinião sobre o recesso dos parlamentares no mês de julho?




Logo_classifacil









Loja Virtual