Ex-presidente da OAS diz que Lula pediu para destruir provas da Lava Jato | Gazeta Digital

Sexta, 21 de abril de 2017, 11h19

propina ao PT

Ex-presidente da OAS diz que Lula pediu para destruir provas da Lava Jato


Agência Brasil

O ex-presidente da empreiteira OAS Léo Pinheiro disse nesta quinta-feira (20), em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu para destruir provas que pudessem fazer referência ao suposto pagamento de propina ao PT.

Divulgação

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

A oitiva do empreiteiro foi feita na ação penal sobre a compra de um apartamento triplex no Guarujá (SP) pelo ex-presidente, fato investigado na Operação Lava Jato. Pinheiro está negociando acordo de delação premiada, mas os termos ainda não foram fechados com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Ao narrar um suposto encontro com Lula, Pinheiro disse que foi perguntado pelo ex-presidente se o empreiteiro havia feito algum pagamento ao ex-tesoureiro do PT João Vaccari no exterior. Na ocasião, Lula teria pedido que destruísse qualquer registro dos pagamentos.

"Eu tive um encontro com o presidente, onde o presidente textualmente fez a seguinte pergunta: 'Léo, você fez algum pagamento a João Vaccari no exterior?' Eu disse, não, presidente, eu nunca fiz pagamento a essas contas que nós temos com o Vaccari no exterior. 'Como é que você está procedendo os pagamentos para o PT através do João Vaccari? Você tem algum registro de algum encontro de contas de alguma coisa feita com o João Vaccari com vocês? Se tiver, destrua'", teria dito Lula, segundo disse Pinheiro a Moro.

No depoimento, Pinheiro disse que foi orientado pela direção da empreiteira, durante a construção do edifício, que o imóvel era destinado para a família de Lula e confirmou que o triplex nunca foi colocado à venda pela OAS.

Defesa

Em nota, a defesa do ex-presidente Lula declarou que Léo Pinheiro contou uma " versão acordada com o MPF [Ministério Público Federal]" para que o seu acordo de delação premiada seja aceito pela força-tarefa da Lava Jato.

"A versão fabricada de Pinheiro foi a ponto de criar um diálogo - não presenciado por ninguém - no qual Lula teria dado a fantasiosa e absurda orientação de destruição de provas sobre contribuições de campanha, tema que o próprio depoente reconheceu não ser objeto das conversas que mantinha com o ex-presidente. É uma tese esdrúxula que já foi veiculada até em um e-mail falso encaminhado ao Instituto Lula que, a despeito de ter sido apresentada ao juízo, não mereceu nenhuma providência", argumentam os advogados.

De acordo com a defesa, Léo Pinheiro negou durante a oitiva ter entregue as chaves do triplex e negou que o imóvel tenha sido usado pelo ex-presidente ou por um de seus familiares.

"Perguntado sobre diversos aspectos dos três contratos que foram firmados entre a OAS e a Petrobras e que teriam relação com a suposta entrega do apartamento a Lula, Pinheiro não soube responder. Deixou claro estar ali narrando uma história pré-definida com o MPF e incompatível com a verdade dos fatos", concluiu a defesa.

A pergunta que motivou as repostas de Léo Pinheiro foi feita pelo próprio advogado de defesa de Lula, Cristiano Zanin. O defensor queria saber se o empreiteiro tinha se reunido alguma vez com Lula.

 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 18 de dezembro de 2017

14:53 - Segunda Turma do STF manda soltar empresário preso na Lava Jato no Rio

Sábado, 16 de dezembro de 2017

12:01 - PGR reafirma denúncia contra Jucá por propina de R$ 150 mil da Odebrecht

09:50 - Lava Jato faz nova denúncia contra Tacla Duran

Quarta, 13 de dezembro de 2017

18:00 - Irmão de Cabral assume ter recebido dinheiro por empresa e não prestado serviço

Terça, 12 de dezembro de 2017

11:37 - Odebrecht muda política para separar família e gestão

11:29 - Moro estende perícia a sistema de propina da Odebrecht revelado pela Suíça

11:28 - Relator da CPMI da JBS pede indiciamento de Janot e Pelella por três crimes

07:57 - Marqueteiros falam em R$ 20 milhões de caixa dois a Haddad

Segunda, 11 de dezembro de 2017

12:04 - Picciani admite ter vendido gado para empresa suspeita de caixa 2

08:36 - Operação da Polícia Federal investiga esquema de propina em créditos tributários


// leia também

Segunda, 18 de dezembro de 2017

17:09 - Gilmar Mendes concede prisão domiciliar a Adriana Ancelmo

16:20 - Benefício a juízes 'foge do controle', diz Gilmar Mendes

15:45 - Defesa de Marcelo Odebrecht entrega documentos à Justiça

14:48 - Temer diz que seu governo enfrentou 'oposições ferozes'

11:22 - TSE aprova regras eleitorais e deixa em aberto questões que geram dúvidas

11:20 - Reforma é tema do momento e governo continuará tentando a aprovação, diz Temer

10:05 - Medidas para tirar País da crise serão legado do PMDB para eleições, diz Moreira

09:45 - Promulgada lei que revoga artigos sobre autofinanciamento de campanha

09:22 - Meirelles flexibiliza discurso e inclui atenção à área social

08:02 - Em última semana antes do recesso, Câmara discute lobby e mortes no trânsito


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 18/12/2017
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 18/12/2017
2460d513a351119a678ad6c5220f2984 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Que presente de Natal a cidade de Cuiabá mereceria esse ano?




Logo_classifacil









Loja Virtual